fbpx
Revista Attalea Agronegócios
EVENTOS - DESTAQUES HortiFruti

Hortitec 2022: Embrapa lança cultivares de batata-doce e outras tecnologias

A Embrapa estará presente na 27ª Hortitec – Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas, que ocorre no período de 22 a 24 de junho, em Holambra (SP). Para o retorno presencial do evento, a Embrapa selecionou tecnologias – aplicativos, bioprodutos, cultivares e sistema de produção com potencial para fomentar a cadeia produtiva de hortaliças e flores.

As tecnologias em exposição no estande da Empresa foram desenvolvidas por profissionais da Embrapa AgrobiologiaEmbrapa Hortaliças e Embrapa Meio Ambiente

Lançamento

Na quinta-feira (23/06), às 10h, no estande da Embrapa, serão lançadas as cultivares de batata-doce que se destacam pelos tons de roxo e de laranja, que são indicativos do alto teor de compostos bioativos benéficos para a saúde como as antocianinas e o betacaroteno, respectivamente.

A batata-doce BRS Cotinga e BRS Anembé possuem a casca e a polpa roxas, porém diferenciam-se quanto à destinação. A BRS Cotinga é recomendada para processamento industrial na forma de chips, farinha, xarope de amido e outros produtos derivados; e a batata-doce BRS Anembé para o mercado de mesa, em preparos culinários assados como purês, doces caseiros e pães. Já a batata-doce CIP BRS Nuti, desenvolvida em parceria com o Centro Internacional de la Papa (CIP) do Peru, tem casca e polpa alaranjadas e possui dupla aptidão, podendo atender ambas as finalidades.

BATATA-DOCE DE POLPA ROXA BRS COTINGA

Batata-doce de polpa roxa “BRS Cotinga”. (Créditos: Carla Timm).

A Batata-Doce BRS Cotinga é uma cultivar de casca e polpa de coloração arroxeada intensa com ampla adaptabilidade a ambientes de cultivo e alta estabilidade de produção. Foi desenvolvida com a finalidade de oferecer ao mercado uma cultivar específica para industrialização na forma de chips, mas também pode ser recomendada para processamento industrial como farinha, fécula, tapioca, xarope de amido e outros produtos derivados.

A coloração arroxeada da batatas-doce BRS Cotinga deriva do seu alto teor de antocianinas, pigmentos naturais responsáveis pelos tons de azul, roxo e vermelho em alimentos como frutas, raízes e folhas. Ela apresenta teor de antocianinas totais de aproximadamente 154 mg/g, semelhante a frutas de cor arroxeada (mirtilo, açaí e amora-preta).

Seu teor de matéria seca ultrapassa 32% e ela possui sólidos solúveis acima de 11 °Brix, características de qualidade importantes para o processo de industrialização. Suas raízes tem peso médio (358,91 g) e formato alongado (comprimento médio de 17,56 cm e diâmetro de 7,05 cm), apresentando constrições e venação, características que reforçam seu uso prioritário na indústria. A produtividade médica da cultivar, em diferentes ambientes, atinge 45 t/ha, sendo mais que o triplo que a média nacional de 14,5 t/ha. Seu ciclo varia de 130 a 140 dias, e o plantio pode ser realizado durante o ano todo nas regiões recomendadas, com exceção de plantio no inverno na região Sul.

A cultivar BRS Cotinga é exigente em calor, tolerante a baixas temperaturas e sensível a geadas, como qualquer cultivar de batata-doce. Em regiões mais frias, deve ser cultivada preferencialmente nos meses de altas temperaturas, que favorecem o crescimento das raízes. Ela apresenta resistência ao nematoide Meloidogyne javanica, a insetos-praga de solo como broca-de-raiz, vaquinhas e larva-arame.

Nos anos de 2018 a 2019, BRS Cotinga foi submetida à validação agronômica em Brasília (DF), Pelotas (RS), Uruana (GO), Canoinhas (SC), Presidente Prudente (SP), São Carlos (SP), Mococa (SP), Petrolina (PE) e Estiva (MG), sendo indicada para plantio nesses estados. Em 2021, foi validada em uma indústria de chips fritos, situada em Três Barras (SC), mostrando ótimo desempenho em textura, sabor e aparência. Também foi testada para a produção de cervejas artesanais, resultando numa bebida com características diferenciadas em relação ao mercado.

Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Produto: Cultivar convencional
Ano de Lançamento: 2021
Bioma: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa
Unidade Responsável: Embrapa Hortaliças
Unidades Participantes: Embrapa Clima Temperado, Embrapa Semiárido

Onde Encontrar:
 – Viveiro Baldissarelli
Marmeleiro – PR, 85615-000
(46) 99114-8360; (46) 99115-6972, (46) 9109-4790

– Clona-Gen Comércio de Mudas de Plantas Ltda.
R. Ottokar Doerffel, 534 – Atiradores, Joinville – SC, 89203-001
(47)3439-6607 e (47)99964-0727
comercial@clona-gen.com.br;
http://www.clona-gen.com.br/

– Agro Comercial Afubra Ltda
Rio Pardo – RS, (51) 3717-9777 e (51) 99746-4310
cdagropecuaria@afubra.com.br

– Viveiro São Francisco
RS-155, Km 6 – Santana, Ijuí – RS, 98700-000
(55) 99175-4736; (55) 98405-0819
https://viveirosaofrancisco.com.br

BATATA-DOCE DE POLPA ROXA BRS ANEMBÉ

Batata-Doce de Polpa Rocha “BRS Anembé”. (Créditos: Carla Timm).

A cultivar de batata-doce BRS Anembé possui raízes com formato ovalado, com pele de cor vermelha-arroxeada, polpa de coloração roxa e profundidade dos olhos rasa. Ela destaca-se pelo teor de antocianinas totais de 184,8 mg/g, que é semelhante aos valores expressos em frutas de cor arroxeada como mirtilo, açaí e amora-preta.

A cultivar também apresenta aspectos de qualidade relevantes para a comercialização no mercado in natura, como raízes de peso mediano (aproximadamente 260 gramas), com matéria seca próxima a 37% e teor de sólidos solúveis de 15,5 °Brix. Logo, sua principalmente destinação é para mesa, em preparos culinários assados como purês, doces caseiros e pães, mas pode ser também industrializada na forma de chips, farinhas e corantes.

A produtividade da cultivar atinge o valor médio de 42,8 t/ha, superando em quase três vezes a média nacional de 14,5 t/ha. A alta produtividade foi obtida em diferentes ambientes, já que a batata-doce BRS Anembé possui ampla adaptação climática, expressa pelo bom desempenho agronômico nas diversas regiões avaliadas e épocas de plantio.

Referente à duração do ciclo de produção, do plantio até a colheita, dependendo da soma térmica do período e da região de cultivo, foram observados valores que variaram de 130 a 140 dias. A cultivar apresenta hábito de crescimento rasteiro, com média de comprimento das ramas de 3,26 m.

Do ponto de vista de resistência a pragas e doenças, a cultivar de batata-doce BRS Anembé é resistente aos nematoides-das-galhas Meloidogyne javanica, e medianamente resistente à praga de solo broca-da-raiz (Euscepes postfasciatusColeopteraCurculionidae). É suscetível ao fungo mal-do-pé (Plenodomus destruens).

Nos anos de 2018 a 2019, A BRS Anembé foi submetida à validação agronômica em Brasília-DF, Pelotas-RS, Uruana-GO, Presidente Prudente-SP, Estiva-MG e Petrolina- PE, e aguarda resultados de validação em Alagoas, sendo indicada para plantio nesses estados.

Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Produto: Cultivar convencional
Ano de Lançamento: 2021
Bioma: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa
Unidade Responsável: Embrapa Hortaliças
Unidades Participantes: Embrapa Clima Temperado, Embrapa Semiárido

Onde Encontrar:
 – Viveiro Baldissarelli
Marmeleiro – PR, 85615-000
(46) 99114-8360; (46) 99115-6972, (46) 9109-4790

– Clona-Gen Comércio de Mudas de Plantas Ltda.
R. Ottokar Doerffel, 534 – Atiradores, Joinville – SC, 89203-001
(47)3439-6607 e (47)99964-0727
comercial@clona-gen.com.br;
http://www.clona-gen.com.br/

– Agro Comercial Afubra Ltda
Rio Pardo – RS, (51) 3717-9777 e (51) 99746-4310
cdagropecuaria@afubra.com.br

– Viveiro São Francisco
RS-155, Km 6 – Santana, Ijuí – RS, 98700-000
(55) 99175-4736; (55) 98405-0819
https://viveirosaofrancisco.com.br

BATATA-DOCE DE POLPA ALARANJADA CIP BRS NUTI

Batata-Doce de polpa alaranjada “CIP BRS Nuti”. (Créditos: Gislene Alencar).

A batata-doce CIP BRS Nuti é uma cultivar de casca rosada e polpa alaranjada com alta estabilidade de produção. Ela foi desenvolvida com a finalidade de oferecer ao mercado uma cultivar específica para industrialização na forma de chips, farinhas e corantes. Possui alto teor de betacaroteno (150 mg/kg), adaptabilidade a diferentes regiões no Brasil e hábito de crescimento semi-ereto, o que facilita o manejo entrelinha em comparação com outras cultivares. Outras características agronômicas interessantes são a boa cobertura vegetal e o bom pegamento de mudas.

A produtividade média nas diferentes regiões testadas foi de 40,5 t/ha com teor médio de matéria seca de 25%. As raízes têm formato elíptico alongado com peso médio de 360 gramas, comprimento médio de 18 cm e diâmetro médio de 7 cm. Podem ser consumidas in natura e tem potencial para uso industrial. É resistente aos nematoides-das-galhas Meloidogine incognitaM. javanica e M. enterolobii. Seu ciclo de produção varia de 150 a 180 dias, com plantio o ano todo nas regiões recomendadas, com exceção de plantio no inverno na região Sul.

A cultivar foi testada com sucesso e garantiu produtividade em várias regiões produtoras do Brasil, entre elas: Marabá (PA) Oeiras (PI), Petrolina (PE), Brasília (DF), Uberlândia (MG), Monte Carmelo (MG), Pirapozinho (SP), Canoínhas (SC), Santo Autusto (RS) e Campo Novo (RS). Ela é indicada para o plantio nesses estados, e com manejo semelhante ao de outras cultivares de batata-doce. Por ser biofortificada, a cultivar também pode ser direcionada para o atendimento de políticas públicas de saúde e segurança alimentar de populações vulneráveis.

Em 2021, a batata-doce CIP BRS Nuti foi validada em indústria de chips fritos, situada em Três Barras (SC), e obteve ótimo desempenho em relação à textura, sabor e aparência. Em testes realizados para a produção de cervejas artesanais, o resultado foi uma bebida com características diferenciadas.

Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Produto: Cultivar convencional
Ano de Lançamento: 2021
Bioma: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa
Unidade Responsável: Embrapa Hortaliças
Unidades Participantes: Embrapa Agroindústria de Alimentos, Embrapa Semiárido, Embrapa Amazônia Oriental

Onde Encontrar:
 – Viveiro Baldissarelli
Marmeleiro – PR, 85615-000
(46) 99114-8360; (46) 99115-6972, (46) 9109-4790

– Clona-Gen Comércio de Mudas de Plantas Ltda.
R. Ottokar Doerffel, 534 – Atiradores, Joinville – SC, 89203-001
(47)3439-6607 e (47)99964-0727
comercial@clona-gen.com.br;
http://www.clona-gen.com.br/

– Agro Comercial Afubra Ltda
Rio Pardo – RS, (51) 3717-9777 e (51) 99746-4310
cdagropecuaria@afubra.com.br

– Viveiro São Francisco
RS-155, Km 6 – Santana, Ijuí – RS, 98700-000
(55) 99175-4736; (55) 98405-0819
https://viveirosaofrancisco.com.br

PAINEL EMBRAPA DE INOVAÇÕES & NEGÓCIOS

Também no dia 23, ocorre o Painel Embrapa de Inovação & Negócios que nesta edição apresenta o tema “Bioinsumos para a produção de hortaliças”. A programação inclui apresentações sobre a situação atual e as tendências de mercado de novos insumos agrícolas, produtos biológicos e alternativas para suprir a carência de fertilizantes minerais.

As informações completas estão disponíveis no SITE e o evento tem início às 13h15.

APLICATIVOS, PUBLICAÇÕES E CURSOS

Dois aplicativos desenvolvidos pela Embrapa Agrobiologia estão entre as tecnologias disponíveis no estande da Empresa. O aplicativo Guia InNat – Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas permite o acesso rápido a imagens e informações técnicas sobre agentes naturais de controle mais comuns em cultivos agrícolas do Brasil. O aplicativo permite, entre outras ações, que o usuário compare a fotografia retirada com a sua câmera com uma galeria de imagens preexistentes.

 Em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, a Embrapa desenvolveu um aplicativo com informações detalhadas de 276 espécies vegetais da Mata Atlântica. O Restaura Mata Atlântica pode ser usado em ambientes on-line ou off-line, é gratuito e está  disponível para download na loja de aplicativos.

Com o intuito de auxiliar os produtores rurais na correta identificação de pragas em lavouras de hortaliças, a Embrapa Hortaliças publicou guias de campo com imagens ilustrativas e informações básicas sobre insetos, ácaros e moluscos que ocasionam danos aos cultivos olerícolas.

As publicações estão disponíveis gratuitamente neste LINK.

A Embrapa também irá esclarecer um pouco mais sobre o curso Produção Integrada de Folhosas – Curso online de formação de responsáveis técnicos e auditores. A capacitação é oferecida de forma contínua na plataforma E-campo.

BIOINSUMOS

Os visitantes do estande da Embrapa terão acesso a tecnologias inovadoras para a sustentabilidade da agricultura. O inocultante AURAS ®, tecnologia da Embrapa Meio Ambiente em parceria com a NOOA Ciência e Tecnologia Agrícola, será apresentado em detalhes na exposição. A solução tem como base uma rizobactéria isolada da raiz do mandacaru. Doze anos de pesquisas comprovaram a eficácia da rizobactéria como base de um bioinsumo para aumentar a resiliência das lavouras e a capacidade de tolerar longos períodos de estiagem e altas temperaturas.

As outras duas tecnologias relacionadas a essa temática são o composto orgânico 100% vegetal e o Xaxim Agroecológico, desenvolvidos pela Embrapa Agrobiologia. O composto orgânico foi criado a partir do uso de materiais como torta de mamona, bagaço de cana e palhada de capim elefante, sem a necessidade de adição de inoculantes ou adubos minerais. O substrato orgânico obtido a partir desse processo apresenta qualidade superior aos similares encontrados no mercado e pode ser utilizado também na agricultura orgânica.

Xaxim Agroecológico é um vaso que funciona também como um substrato e auxilia no desenvolvimento da planta. Ecológico, ele é feito do milheto, uma espécie vegetal com rápido desenvolvimento de raízes que se transformam em uma estrutura em formato de vaso. Protegido por patente junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a Embrapa disponibiliza a tecnologia por meio de parceria para produção e comercialização do produto.

Saiba mais por meio de vídeopublicação e folder.

CULTIVARES

Além das batatas-doces, a Embrapa Hortaliças levará para a Hortitec a cultivar de cenoura BRS Paranoá.

A cenoura BRS Paranoá é primeira cultivar nacional desenvolvida e validada exclusivamente para sistemas orgânicos de produção. Além disso, apresenta alta resistência ao complexo da queima-das-folhas, causado pelos fungos Alternaria dauciCercospora carotae e pela bactéria Xanthomonas hortorum pv. carotae, dispensando completamente qualquer tipo de controle para essa doença.

Com coloração alaranjada intensa bem distribuída por toda sua extensão, as raízes de BRS Paranoá têm diâmetro médio de 3 cm, comprimento entre 16 e 20 cm, são lisas e retas, o que propicia maior rendimento agronômico se comparada com materiais convencionais de cenoura. As raízes ainda se destacam pela ótima qualidade em termos de doçura e ótima aparência.

BRS Paranoá é uma cultivar de verão, de polinização aberta, indicada para plantio entre outubro e março em todas as regiões produtoras de cenoura do Brasil. A colheita se inicia 90 dias após a semeadura e se estende até 120 dias. O estande recomendado é de 500.000 plantas por hectare, para favorecer o diâmetro e o comprimento adequado à comercialização. O percentual de desfolhamento é menor que 10%, mesmo em condições desfavoráveis de produção, percentual inferior a outras cultivares de verão, que podem chegar a índices de desfolha de 40%. Além da resistência ao complexo da queima-das-folhas, apresentam tolerância ao nematoide-das-galhas (Meloidogyne sp.).

Embora indicada para plantio em sistemas orgânicos, a cultivar BRS Paranoá foi validada também no sistema convencional de produção, sendo poucas vezes superada por suas competidoras. Nos ensaios de validação com outras cultivares comerciais em sistema orgânico, a produtividade ultrapassou 31 t/ha e, no sistema convencional superou 40 t/ha.

As análises de estabilidade e adaptabilidade mostraram uma maior plasticidade fenotípica de BRS Paranoá, capacidade que confere a cultivar melhor adaptação às variações climáticas ou de manejo que possam afetar seu desenvolvimento no ciclo de cultivo, tendo assim maior previsibilidade de produção, conferindo maior segurança ao produtor.

Produto: Cultivar convencional
Ano de Lançamento: 2020
Bioma: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga
Unidade Responsável: Embrapa Hortaliças

Onde Encontrar:
 Bionatur Sementes Agroecológicas
Endereço: Roça Nova, Candiota/RS
CEP: 96.460-000
Telefone: (19) 3514-7330
WhatsApp: (53) 99919-4150
E-mail: bionaturcomercial@gmail.com
Site: https://www.bionatursementes.bio.br/

Isla Sementes
Av. Severo Dullius, 124 – Porto Alegre/RS
CEP: 90.200-310
Telefone: (51) 2136.6600
Televendas: 0800.709.5050
E-mail: isla@isla.com.br
Site: https://isla.com.br/

PULVERIZAÇÃO ELETROSTÁTICA POR ELETRIFICAÇÃO DIRETA

Outra tecnologia que será apresentada é o pulverizador eletrostático. O equipamento “pulverizador por eletrificação direta”, cujo sistema foi aperfeiçoado pela Embrapa com tecnologia de aplicação eletrostática hidráulica, tem capacidade de gerar gotas com alta intensidade de carga elétrica estática, as quais ao se aproximarem de qualquer tipo de objeto formam um poderoso campo eletrostático, induzindo o aparecimento de forças de atração entre as partículas em voo e o alvo.

A eficiência desse método pode variar em função de fatores como a vazão e a pressão de trabalho do equipamento; da capacidade de isolamento do material do equipamento; de condições meteorológicas como umidade relativa e temperatura; de características da calda como pH, viscosidade e volatilidade da mesma; porém, em qualquer das situações sempre poderá ampliar o grau de deposição pela atração elétrica entre as gotas e o alvo.

No caso das plantas, como a força de atração das partículas eletrificadas é maior que a força da gravidade, as gotas conseguem se depositar na face abaxial das folhas, onde ocorrem muitos problemas fitossanitários. Com eficiência comprovada em campo, pulverizadores costais elétricos eletrostáticos alimentam um gerador de alta tensão especialmente projetado, para eletrificar o líquido de pulverização. A alta voltagem é injetada diretamente na calda (líquido de pulverização) que se mantém isolada do operador por meio da capacidade de isolação do plástico do qual é construído o equipamento.

Benefícios econômicos, sociais e ambientais

Aumenta em pelo menos 30% a eficiência da aplicação de agrotóxicos reduzindo custo dos tratamentos fitossanitários e diminui o impacto ambiental negativo. Um dos custos mais elevados da produção agrícola refere-se ao controle de pragas e doenças das plantas cultivadas. A eficiência desse controle está implicitamente ligada à qualidade da aplicação de produtos químicos ou biológicos que propiciem seu combate ou o aumento da resistência das plantas aos efeitos das pragas. Assim, quanto mais eficientes forem as aplicações, melhor o efeito desses produtos e menor o custo desses controles, além do fato de quanto melhor o controle, maior a produtividade das culturas.

O uso dessa tecnologia propicia um significativo aumento na segurança dos operadores de pulverização (portanto dos agricultores em geral) diminuindo bastante a contaminação dos usuários em relação às derivas das pulverizações convencionais. Como é direcionada para equipamentos costais, amplia o acesso à tecnologia pelos agricultores de baixa renda e agricultores familiares, cumprindo seu papel social.

A melhora na deposição das gotas nos respectivos alvos biológicos trás efeitos diretos à preservação do Meio Ambiente, por reduzir a deriva (atingimento de organismos não alvos), por reduzir a quantidade de produtos químicos necessários para o controle de pragas ou doenças e por evitar o aparecimento de resistência dos agentes causadores dessas em função do não atingimento ou de atingimento dos mesmos com sub-dosagens. A adoção da tecnologia resulta na redução do custo direto das pulverizações via menor número de recargas e menor desperdício de agentes químicos ou biológicos.

A relação entre custo e benefícios do uso dessa tecnologia apresenta-se totalmente favorável, no sentido de que o maior custo dos pulverizadores equipados com a tecnologia é rapidamente amortizado pelo menor custo das operações e pela menor necessidade de insumos para obter-se o mesmo resultado; quando comparado com a pulverização convencional feita com iguais equipamentos (pulverizadores costais elétricos) sem a tecnologia.

Parceiros

Bell’s Indústria Eletrônica Ltda.
Esta solução tecnológica foi desenvolvida pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Produto: Máquina, implemento, equipamento
Ano de Lançamento: 2005
Bioma: Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa, Pantanal
Unidade Responsável: Embrapa Meio Ambiente
Unidades Participantes: Embrapa Meio Ambiente

Onde Encontrar:
 Embrapa Meio Ambiente
Rodovia SP 340 – Km 127,5 Caixa Postal 69
Jaguariúna – SP – Brasil – CEP: 13820-000
Fone: (19) 3311.2700 – Fax: (19) 3311.2640
https://www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Bell’s Indústria Eletrônica Ltda.
http://www.bells.ind.br
Timbó- SC – Brasil

De acordo com os organizadores da Hortitec, a edição de 2022 reunirá 470 empresas expositoras brasileiras e estrangeiras e espera receber cerca de 30 mil visitantes, de diversas regiões do País e do Exterior.

SERVIÇO:
27ª Hortitec
Data: de 22 a 24 junho de 2022
Horário: das 9h às 19h nos dias 22 e 23 e das 9h às 17h no dia 24.
Local: Parque de Exposições da Expoflora – Rua Maurício de Nassau, 675, Holambra (SP).
Ingressos: R$ 50,00/inteira e R$ 25,00/estudantes e público da terceira idade.
Informações adicionais: www.hortitec.com.br ou (19) 3802-4196.

FONTE: Embrapa Hortaliças

Related posts

Livro mais atualizado sobre pragas e doenças da batata está disponível para download gratuito

Revista Attalea Agronegócios

Pesquisadores brasileiros desenvolvem maçã gala 100% vermelha

Revista Attalea Agronegócios

25ª HORTITEC: Netafim apresenta ferramenta digital de controle da irrigação e novos aspersores

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário