fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café Comércio Exterior Cooperativas

Coopeavi realiza primeiro embarque de conilon com IG para o mercado internacional

A Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) realizou, no início de junho, o embarque do primeiro contêiner de café conilon com Indicação Geográfica (IG) com a Indicação de Procedência (IP) do Estado do Espírito Santo. Ao todo foram exportadas para a Itália 19,2 toneladas de grãos com 80 pontos.

A Coopeavi é uma das quatro cooperativas (as outras são Cooabriel, Cafesul e Coopbac) que constituem a Federação dos Cafés do Estado do Espírito Santo (Fecafés), fundada em julho de 2019 com apoio da OCB/ES e Sebrae/ES, para gerir o selo de Indicação Geográfica. A iniciativa visa proteger o conilon especial, confirmando sua qualidade e origem, e contempla os cafés produzidos em todo o território capixaba.

Para o gerente executivo de Café da Coopeavi, Giliarde Cardoso, a rastreabilidade do conilon capixaba é a maior vantagem em torno do projeto. “Com o selo, conseguimos garantir para o cliente toda uma relação de qualidade e rastreabilidade do produto. Pretendemos, com a IG, avançar cada vez mais numa visão do mercado internacional sobre a qualidade do conilon capixaba, dar visibilidade para o produto e evidenciar a forma profissional como ele é trabalhado no Estado”, destaca Cardoso ao ressaltar o empenho da FECAFÉS e de todas as cooperativas na administração do selo.

Na operação de estreia com a IG, a Coopeavi encaminhou 640 sacas de 30 kg cada para um importador italiano. “Temos certeza de que este é o início de um trabalho com muitos frutos”, finaliza o gerente.

A comercialização dos cafés dos cooperados no mercado internacional é uma das atividades da Coopeavi. Em 2021, a cooperativa alcançou a marca de mais de meio milhão de sacas comercializadas. Deste volume, mais de 27 mil sacas de café foram exportadas para dez países.

Related posts

[Luiz Vicente Suzin] – Revogação de benefícios fiscais impacta o cooperativismo

Museu do Café: programação do aniversário de 23 anos em ambiente virtual.

Revista Attalea Agronegócios

[Davi Moscardini] – Qual a importância dos fungos micorrízicos arbusculares para o cafeeiro?

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário