fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café Política Agrícola

Senado aprova Política Nacional de Incentivo ao Café de Qualidade

O Senado aprovou nesta terça-feira (13) um projeto que institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Café de Qualidade. O PLC 41/2017 busca elevar o padrão de qualidade do café brasileiro por meio do estímulo à produção, industrialização e comercialização de cafés de categorias superiores. O texto retornará para análise da Câmara dos Deputados.

Proposta pelo deputado capixaba Evair Vieira de Melo, a política de incentivo prevê crédito rural para produção, industrialização e comercialização, além de pesquisa agrícola e de desenvolvimento tecnológico, assistência técnica e extensão rural. O texto também trata de seguro rural e certificações de origem, social e de qualidade dos produtos.

Representante do estado que mais produz café no país, Minas Gerais, Antonio Anastasia afirmou que melhorar a qualidade do café pode dar mais valor à produção. Já Rose de Freitas deu o exemplo do Espírito Santo, segundo maior produtor do Brasil.

— A instituição de uma política semelhante no Espírito Santo melhorou muito a qualidade do café no meu Estado. Todo mundo via café de uma forma generalizada, uniforme, e quem produzia café com técnicas diferenciadas para que pudesse competir no mercado do café de qualidade não tinha esse reconhecimento. Essa política é o verdadeiro incentivo à produção do café — disse a senadora.

Capacitação e cooperativismo

A Política Nacional de Incentivo à Produção de Café de Qualidade também contempla a capacitação gerencial e a formação de mão de obra qualificada; o associativismo, cooperativismo e arranjos produtivos locais; e a instituição de fóruns, câmaras e conselhos setoriais, públicos e privados.

Outras ações que deverão ser implementadas na execução da política são o estabelecimento de parcerias com entidades públicas e privadas, o apoio ao comércio interno e externo de cafés especiais e de qualidade e a adoção de ações sanitárias e fitossanitárias.

Mudanças

No Senado, o projeto foi analisado pelas Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). Na última, sofreu alteração proposta pelo relator, senador Paulo Rocha. Ele retirou a parte que autorizava o beneficiamento e a comercialização apenas das variedades conhecidas como robusta ou conilon.

Para o senador, apesar de essas variedades serem as únicas comercialmente relevantes da espécie Coffea canephora, a futura lei, ao limitar o alcance da política, estaria desestimulando o desenvolvimento de melhoramento genético para a obtenção de novas variedades ou cultivares dessa espécie com características mais propícias à obtenção de um café de qualidade. O texto também sofreu alterações de redação.

 

FONTE: Agência Senado

Related posts

Adoção de tecnologias sustentáveis transforma indígenas em produtores de cafés especiais na Amazônia

Conheça os ganhadores do 30º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável para Espresso!

Revista Attalea Agronegócios

Concurso do SEBRAE-RJ elege os dez melhores cafés do Rio de Janeiro

Deixe um comentário