Cana de Açúcar

Maturadores podem impulsionar a qualidade e a rentabilidade na safra sucroalcooleira

Desafios climáticos impactam diretamente no nível de açúcar do canavial, tornando o uso dessa tecnologia crucial para garantir a excelência da matéria-prima e maximizar o rendimento industrial.

Para a safra 2024/2025 da cana-de-açúcar, os canavicultores já estão atentos aos indicadores de maturação, que hoje representam um dos principais desafios na produção do cultivo. Essa fase inicial do ano se destaca como o momento crucial para a aplicação de maturadores químicos, visando melhorar a qualidade e a rentabilidade da produção.

O uso dessa tecnologia é ainda mais significativo diante das projeções da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) para esse ciclo, que apontam uma redução de 3,8% na produção de cana-de-açúcar em comparação com a safra anterior, totalizando 685,86 milhões de toneladas.

As altas temperaturas e os baixos índices pluviométricos, principalmente na região Centro-Sul, têm sido os principais responsáveis pelas perdas na produtividade. Estima-se que a produção atinja 79.079 kg/ha, o que representa uma queda de 7,6% em relação à safra anterior. Essas condições climáticas adversas têm um impacto direto na qualidade da matéria-prima, uma vez que a indústria sucroalcooleira não apenas depende da quantidade, mas também dos níveis de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) na planta para garantir um retorno econômico mais elevado.

Segundo o engenheiro agrônomo e gerente de Marketing Regional da IHARA, empresa de pesquisa e desenvolvimento de defensivos agrícolas, Iuri Cosin, um dos principais desafios que preocupam os produtores é maximizar o potencial de maturação da cultura, o qual está intimamente ligado às condições climáticas.

“Em situações em que o clima não favorece a maturação natural da cana-de-açúcar e o acúmulo de sacarose é inadequado, é recomendada a aplicação de maturadores. O uso dessa tecnologia pode ocorrer no início da safra para reduzir a taxa de crescimento vegetativo, durante o meio da safra para intensificar o processo de maturação em regiões com outono e inverno chuvosos, e no final da safra para evitar o retorno do crescimento vegetativo, mantendo elevado o teor de sacarose por um período mais longo e permitindo a colheita de matéria-prima de melhor qualidade”, destaca.

Portanto, o canavicultor precisa ter esse aliado para garantir que a planta atinja o seu potencial máximo, alcançando condições ideais para obter alta produtividade de colmos e altos teores de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), que é o valor que importa no produto para a indústria. Nesse sentido, o Riper é um maturador sistêmico da IHARA, que atua na cana-de-açúcar promovendo a maturação, incrementando o teor de sacarose nos colmos e aumentando a produtividade de açúcar.  

“Essa tecnologia apresenta características de rápida resposta e flexibilidade na aplicação, sendo viável sua aplicação tanto no início, meio ou final da safra, com uma janela de aplicação de 15 a 45 dias antes da colheita para otimizar a produção de Toneladas de Açúcar por Hectare (TAH) e aumentar os níveis de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) na planta, proporcionando um acréscimo de 6% a 8%. Essa valorização da qualidade pode resultar em um retorno financeiro até seis vezes o valor investido no produto”, explica Cosin.

Related posts

[Arnaldo Luiz Corrêa] – Mercado do Açúcar – 22 a 26 de Outubro 2018

Mario

Produção no Brasil cai, mas preços interno e externo não reagem

Mario

Agrishow 2019: Instituto Agronômico expõe modernas variedades de cana

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais