Image default
EMPRESASGRÃOSMilho e SojaOutros Grãos

Rotam do Brasil lança fungicida líquido para o combate ao Mofo-Branco

Multinacional disponibiliza ao mercado novo fungicida, Rotaxil, que age na prevenção da doença em culturas como soja e feijão

A Rotam do Brasil, empresa multinacional com sede em Hong Kong, acaba de lançar um novo fungicida de combate ao mofo-branco, doença que atinge diversas culturas no Brasil. O Rotaxil, fungicida líquido a base de Procimidone, é indicado para aplicações foliares pouco antes do florescimento (R1) e aos (R1 + 10 dias), visando à proteção preventiva das plantas contra Mofo Branco.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja) e parceiros publicou recentemente uma pesquisa onde demonstra que a utilização dos princípios ativos Procimidone e Carbendazim no combate ao mofo-branco com aplicações em estádio (R1) e aos (R1 + 10 dias), proporciona controle de 99% e 98% respectivamente.

O experimento foi conduzido em lavoura comercial de soja com histórico de elevada incidência do fungo, no município de Pitanga no Paraná, durante a safra 2016/17 e a presença de mofo-branco observada foi elevada, com média de 41,3% no tratamento testemunha sem controle. “Este trabalho e outros que já analisamos e demais que divulgaremos em breve em parceria com o Instituto Agronômico de Campinas, confirmam que o Rotaxil reduz significativamente a produção de inóculo de S. sclerotiorum, contribuindo no manejo da doença na cultura da soja”, destaca, o Especialista Sênior de Pesquisa e Desenvolvimento Técnico da Rotam do Brasil, Luciano Kajihara.

Sobre a doença

Na atual safra 2017/2018, o mofo-branco já preocupou produtores do Sul e Cerrado do Brasil. A doença é causada pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum e apresenta alto potencial de prejuízo, podendo ocasionar perdas de produtividade de 30%, até 70%, especialmente quando medidas de manejo não são corretamente tomadas.

Esta doença é hospedeira em mais de 400 espécies de plantas registradas e tem propensão a aparecer em áreas mais elevadas, acima de 600 metros de altitude, sob condições de alta umidade e temperaturas variando entre 10°C e 21°C. Além disso, devido à dificuldade de erradicação das estruturas de sobrevivência do patógeno, o seu controle requer a adoção conjunta e preventiva de manejo cultural, controle biológico e controle químico do patógeno.

“O fungo é capaz de infectar qualquer parte da planta, porém, a fase mais vulnerável na cultura da soja, por exemplo, compreende os estádios da floração plena (R2). Daí a importância de se fazer a prevenção no estádio R1, como orienta nosso programa”, explica Kajihara.

 

Fonte: Kassiana Bonissoni – Rural Press

kassiana.ruralpress@gmail.com

Related posts

Preços estimulam produtor de arroz e garantem abastecimento para 2024

carlos

Fertiláqua leva tecnologia de análise de sementes para produtores

Mario

Pesquisadores brasileiros identificam novo vírus associado ao mosaico do trigo

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais