Image default
ARTIGOSGRÃOS

[Marcelo Segalla] – Os cuidados no plantio que ajudam a alcançar bons resultados na colheita

Marcelo Segalla

Líder dos agrônomos para Dekalb, Agroeste, Semente Agroceres e La Tijereta para América do Sul

https://www.dekalb.com.br

 

Para atingir potenciais bons resultados no final da safra, é preciso que os agricultores conheçam detalhadamente todas as variáveis que podem gerar impactos na lavoura, a começar pelos processos que envolvem o plantio da cultura escolhida. Pensando nisso, existem estratégias, ferramentas e boas práticas agronômicas que não podem ser deixadas de lado para se obter um plantio eficiente.

Quando falamos em plantio direto, a dessecação antecipada é um exemplo de boa prática agronômica e uma etapa essencial do processo. Entre seus benefícios, é possível destacar o controle de pragas e de plantas daninhas, a prevenção de problemas como alelopatia, mobilização de nitrogênio e matocompetição, além de favorecer o estabelecimento inicial da cultura, tendo em vista que as culturas antecessoras, plantas daninhas e a própria cobertura podem funcionar como hospedeiras naturais para pragas residentes. Assim, o manejo antecipado constitui uma das mais importantes ferramentas do manejo integrado de pragas (MIP), prática importante na agricultura moderna que adota estratégias de menor impacto ambiental e com melhor potencial de retorno sobre os investimentos do agricultor.

É importante lembrar que o número de dias entre a dessecação e o plantio pode variar de 20 a 50 dias, conforme a cultura de cobertura e o seu estágio de desenvolvimento e as condições climáticas no período. Por conta disso, o recomendado é que sejam feitas duas dessecações: a primeira com, aproximadamente, 30 dias antes do plantio, o que evita a presença de massa verde; e a segunda logo antes da semeadura, para controlar o primeiro fluxo de plantas daninhas após a dessecação inicial.

O passo seguinte, o plantio, também exige grande atenção. Para o sucesso desta etapa, a semeadora e seus componentes devem estar em pleno funcionamento, já revisado e regulado, conforme expectativa de distribuição de sementes para o ambiente de produção daquele talhão.

Chega hora de conferir o campo: é importante verificar as condições de umidade do solo para evitar a adesão aos mecanismos da semeadora ou ao sistema limitador de profundidade. A compactação também deve ser avaliada, pois a disposição das sementes no sulco é prejudicada em solos com baixa umidade, principalmente, por conta do excesso de torrões.

No momento de semear, é importante prestar atenção na profundidade de semente – de dois a quatro centímetros para soja e de três a cinco centímetros para milho. Além disso, é necessário checar a abertura e o fechamento do sulco para evitar bolsas de ar no entorno da semente e impedir que os grãos fiquem expostos, prejudicando sua emergência. É preciso também que a semente no sulco esteja em perfeito acondicionamento para garantir, assim, a emergência uniforme das plantas.

A fase de germinação e emergência acontecem em condições favoráveis de umidade e de temperatura, que varia de 10ºC a 42ºC, já que a germinação é iniciada apenas após o grão absorver uma quantidade de água que varia de 30% a 40% de sua massa. Essa etapa pode durar de três a quinze dias. Aqui, a população de plantas ideal é ajustada por híbrido e por ambiente de produção, plantio uniforme, tratamento de sementes e, por fim, pela qualidade das sementes. Vigor e germinação são pontos cruciais que favorecem a uniformidade de estabelecimento da lavoura e ajudam a minimizar o percentual de plantas dominadas que constituem um dos principais indicativos de vigor de lavoura, e impactam diretamente no rendimento final.

O agricultor brasileiro dispõe de inúmeras ferramentas e tecnologias para auxiliá-lo no campo, porém o sucesso de sua lavoura continua a depender, em grande parte, da atenção, monitoramento e dos cuidados em cada fase do plantio. A adoção de estratégias e boas práticas agronômicas, conhecendo o ambiente de produção ao qual está inserido, poderá resultar em uma safra produtiva e potencialmente mais rentável.

 

Fonte: Guilherme Soares – IDEAL H+K STRATEGIES

guilherme.soares@idealhks.com

Related posts

[Mário Fortunato] – Como combater focos de incêndio em zonas rurais?

Mario

[José Zeferino Pedroso] – Um setor de prestígio

Mario

Fertiláqua leva tecnologia de análise de sementes para produtores

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais