fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Equinos e Muares

Palpação retal em equinos: saiba mais sobre esse pilar da reprodução equina

Dentro da reprodução equina, existem algumas técnicas rotineiras que são básicas para os profissionais. Elas são a base do dia de trabalho de quem atua nesse segmento da equinocultura. Entre essas, está a palpação retal em equinos.

Também conhecida como palpação transretal, essa prática é um dos exames mais básicos da rotina do profissional que atua com reprodução. É um exame simples em que  o veterinário introduz, através do reto, a mão e o braço no animal. Como o nome palpação retal sugere, nesse exame a ideia é apalpar os órgãos e estruturas relacionadas ao aparelho reprodutor dos equinos.

O objetivo do exame é realizar uma análise, através do tato, das estruturas reprodutivas do animal e de alguns órgãos adjacentes como intestino, rins e bexiga. Assim,  percebemos que para o profissional executar de forma correta a palpação retal em equinos, é necessário um bom conhecimento da anatomia do animal.

Como o exame envolve grande proximidade entre médico e animal, algumas estruturas são necessárias para que a palpação retal seja realizada. Entre elas estão:

  • Troncos de contenção;
  • Piso áspero e não escorregadio;
  • Estruturas sem pontas expostas  que possam machucar os animais

Esses são procedimentos de segurança que preservam tanto o animal quanto o veterinário responsável. Desse modo, mesmo que o animal fique irritado ou desconfortável durante a realização do exame, ele e o médico estão seguros.

O QUE É PALPAÇÃO RETAL EM EQUINOS?

O exame de palpação retal em equinos, como mencionamos, acontece quando o médico veterinário introduz o braço na ampola retal do animal, com objetivo de reconhecer as estruturas internas pelo tato. Assim, o exame acontece com o médico, literalmente, apalpando os órgãos da fêmea, identificando e analisando as características do trato reprodutivo das éguas. 

A palpação segue alguns procedimentos específicos, de acordo com cada objetivo de diagnóstico. Apesar disso, o caminho normalmente seguido pelo veterinário é o seguinte:

  1. Útero, encontrado na posição transversal;
  2. Ovários;
  3. Cornos uterinos;
  4. Tubas uterinas;
  5. Cérvix.

Além disso, a abrangência da palpação retal permite seu uso para o exame além do sistema reprodutor. É costumeiro que veterinários usem da palpação retal para fazer a avaliação de outras estruturas acessíveis por essa região. Alguns exemplos são a avaliação de parte do intestino, rins e bexigas das éguas. 

Vale sempre lembrar que, para a realização do exame em segurança, as éguas devem estar contidas em troncos próprios para a palpação retal em equinos. Além disso, cuidados como esvaziar completamente a ampola retal da égua, usar luvas e gel lubrificante à base de água, garante um exame mais seguro para animal e veterinário.

Éguas em preparação para o exame da Palpação Retal (Créditos: Escola do Cavalo)
PRINCIPAL PAPEL DA PALPAÇÃO RETAL EM EQUINOS

A palpação retal em equinos desempenha um papel fundamental no manejo reprodutivo desses animais. No geral, ela é utilizada em atendimentos clínicos, bem como na avaliação do trato genital e diagnóstico gestacional. Seu papel no manejo reprodutivo é tão intrínseco que a palpação retal em equinos é utilizada para o acompanhamento das fêmeas em diversas rotinas reprodutivas. Da monta natural à transferência de embriões, seu uso é frequente por parte dos médicos veterinários.

Além disso, quando realizado da forma correta, o médico consegue palpar diversos órgãos internos, alguns já citados anteriormente. Desse modo, o principal uso da palpação retal em equinos se dá no diagnóstico gestacional das éguas em até 45 dias depois da fecundação. Pois, com a realização do exame é possível entender a situação interna do animal e predizer o estágio de desenvolvimento do feto.

Contudo, este exame não permite, nem mesmo ao veterinário mais experiente, a percepção de mais detalhes sobre a situação de prenhez. Uma vez que é um exame tátil e não visual, algumas estruturas podem não estar muito definidas, o que dificulta alguns pontos desse diagnóstico. Assim, a palpação retal em equinos tem sido usada em combinação com outra biotécnica muito importante: a ultrassonografia veterinária.

Profissional realizando o exame da Palpação Retal (Créditos: Escola do Cavalo)
PALPAÇÃO RETAL E A ULTRASSONOGRAFIA NA REPRODUÇÃO EQUINA

A ultrassonografia transretal é uma biotécnica desenvolvida para auxiliar a palpação retal em equinos. Com ela o veterinário é capaz de visualizar estruturas internas como o útero, os ovários e o cérvix. Assim, a ultrassonografia já está amplamente difundida e é tida como fundamental na reprodução equina. Isso porque, entre outras coisas, seu uso permite o diagnóstico precoce da gestação, além de ser possível determinar causas de infertilidade na égua.

Grande parte do tempo da rotina do profissional de reprodução equina é ocupada com o controle folicular e acompanhamento do útero das éguas. Assim, tanto num programa de gestações de matrizes, quanto num de transferência de embriões, a palpação retal em equinos e a ultrassonografia são fundamentais para que o sucesso esperado seja alcançado. 

Por isso, a ultrassonografia, além de possibilitar a visualização das estruturas, tem diversos benefícios sobre a palpação retal isolada. Quando aplicada ao trato reprodutivo das éguas permite, de forma direta, detectar alterações morfológicas e anatômicas, normais ou patológicas, dos tecidos moles ou órgãos explorados, associadas a eventos fisiológicos.

Porém, para um exame bem realizado, o conhecimento das particularidades é fundamental. Assim, entender alguns sistemas de ultrassonografia e as propriedades dos órgãos e tecidos a serem examinados é pré-requisito para quem quer trabalhar na área..

Isso porque, antes de se iniciar o exame ultrassonográfico, é necessária a realização da palpação retal em equinos. Assim é possível reconhecer os órgãos, com a finalidade da localização e orientação espaciais iniciais. Em seguida, o transdutor é introduzido no reto e movimentado de um lado a outro, sobre a genitália interna (ovários e útero), produzindo imagens longitudinais do corpo do útero ou cortes transversais dos cornos uterinos.

Enfim, vimos como a palpação retal em equinos, apesar de básica, ainda é um pilar para novas biotécnicas. Sem ela, o exame ultrassonográfico realizado seria muito mais complicado, o que toma tempo e dificulta o manejo reprodutivo desses animais. Por fim, é sempre importante ter em mente a necessidade do conhecimento para a execução desse tipo de trabalho. Afinal de contas, na reprodução equina, a qualidade dos animais gerados é fundamental para o sucesso de criadores e veterinários.



FONTE: Escola do Cavalo
https://www.escoladocavalo.com.br/

Related posts

Doença de movimento, problemas de carregamento de reboques e seu cavalo

Revista Attalea Agronegócios

Mais de 6 mil inscrições já realizadas para o 29º Congresso Brasileiro da ABQM

Em constante crescimento, mercado de equinos movimenta R$ 16,5 bi ao ano no Brasil

Deixe um comentário