Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Café

[Silas Brasileiro] – Balanço Semanal do CNC — 29/01 a 02/02/2018

SILAS BRASILEIRO

Presidente-Executivo do CNC – Conselho Nacional do Café. Deputado Federal

http://www.cncafe.com.br

 

Silas Brasileiro é reeleito presidente executivo do CNC. Mandato se estende deste mês a fevereiro de 2020

GESTÃO 2018-2020 — Na sexta-feira passada, 26 de janeiro, em Assembleia Geral Ordinária (AGO) realizada em Brasília (DF), os conselheiros do CNC reelegeram o presidente executivo Silas Brasileiro para comandar a entidade entre fevereiro de 2018 e fevereiro de 2020. A seu lado, como coordenador do Conselho, estará o presidente da Cooperativa dos Cafeicultores e Agropecuaristas (Cocapec), Maurício Miarelli.Além da presidência e da coordenação, foi definido o Conselho Diretor para a gestão no próximo biênio, que será composto por: Carlos Alberto Paulino da Costa (Cooxupé), Denilson Potratz (Sistema OCB-SESCOOP/ES), Francisco Miranda de Figueiredo Filho (Cocatrel), Francisco Sérgio de Assis (Federação dos Cafeicultores do Cerrado), José Marcos Rafael Magalhães (Minasul), José Vicente da Silva (Coopercitrus), Leonardo de Mello Brandão (Coccamig) e Luciano Ribeiro Machado (Bancoob).

No encontro, também foram aprovadas, por unanimidade, as contas do exercício de 2017, a análise da proposta de orçamento para este ano e a contratação da empresa Adigo Desenvolvimento Empresarial e Familiar, que elaborará o planejamento estratégico do CNC e fará sua implantação para a execução nesse mandato.

AGRADECIMENTO

Na condição de presidente executivo reeleito do CNC, externo meus agradecimentos pelo apoio e pela confiança dos membros do Conselho e coloco-me à pronta disposição para trabalhar mais em benefício da cafeicultura, aproveitando a experiência adquirida. Agradeço também por todo suporte técnico, moral e financeiro, além de todas as sugestões e propostas apresentadas.

Todo esse subsídio é fundamental em meio ao cenário de dificuldades que enfrentamos para a formulação de uma política para a cafeicultura brasileira, muito em razão das constantes mudanças no comando do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) – foram seis ministros nos últimos seis anos –, entre as quais ainda vivenciamos a extinção do Departamento do Café, o qual, através de intenso trabalho, conseguimos reativar com o apoio do atual ministro Blairo Maggi, a quem agradecemos.

Agradeço também às gestões e aos corpos técnicos da Embrapa, dos Ministérios da Fazenda, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, das Relações Exteriores e do Planejamento pelas portas sempre abertas para debatermos planejamentos e ações ao setor e, em especial, às nossas cooperativas e aos parceiros institucionais, como a CNA, a Rural Brasileira, o Bancoob e, principalmente, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), constantemente parceira em diversas ações que realizamos ao longo de nossa gestão.

Esse suporte foi providencial para a definição do posicionamento internacional do Brasil em debates ocorridos, por exemplo, nas rodadas de reuniões da Organização Internacional do Café (OIC) e no 1º Fórum Mundial dos Produtores de Café, além de possibilitar o planejamento e a implantação de projetos que ampliam a visibilidade da sustentabilidade da cafeicultura brasileira, como o “Café Forte” e o “Prêmio Café Brasil de Jornalismo”.

Ao externar os merecidos agradecimentos a todos que contribuem para uma gestão coerente e consciente na defesa do produtor brasileiro de café, reitero também minha pronta disposição a sempre atender os associados do CNC para analisar seus pleitos, assim como para debater sugestões e propostas dos parceiros em busca de uma cafeicultura cada vez mais sustentável em seus aspectos social, ambiental e, principalmente, econômico.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO — O consultor Marcos Thiele, sócio da Adigo, explicou que o objetivo do projeto é capacitar as lideranças das cooperativas que compõem o CNC para a construção do planejamento estratégico da entidade de forma a alcançar uma participação mais efetiva do setor cooperativo de café na formulação, na execução e no acompanhamento da política cafeeira nacional e internacional.

Os objetivos específicos são:

  1. Propiciar aos dirigentes das cooperativas a oportunidade de refletir sobre a atuação atual e futura da organização;
  2. Identificar os desafios e fatores críticos no ambiente capazes de representar oportunidades de atuação para o CNC;
  3. Identificar as forças e fraquezas da instituição para fazer frente às oportunidades apresentadas pelo mercado externo;
  4. Validar missão, visão e valores do CNC;
  5. Definir o portfólio de projetos para a execução da estratégia;
  6. Definir/validar a sistemática de acompanhamento da execução das estratégias definidas e dos resultados a serem alcançados.
A abordagem passará por uma fase de diagnóstico, que contará com o suporte da assessoria técnica do CNC e envolverá capacitação em cinco centros cooperativos, desenho da formulação estratégica e o planejamento (missão, visão e valores, contexto atual da organização e definição dos desafios da entidade, mapa estratégico, portfólio de projetos e, finalmente, gestão e execução).MERCADO — Os preços internacionais do café registraram perdas ao longo da semana, pressionados pela especulação referente ao tamanho da safra brasileira a ser colhida este ano. O CNC recorda que estamos na fase de enchimento dos grãos e, considerando a possibilidade de adversidades climáticas impactarem o desenvolvimento do fruto, não é possível garantir uma colheita substancial neste momento.

Na ICE Futures US, o contrato “C” com vencimento em março/2018 acumulou declínio semanal de 375 pontos, encerrando pregão de ontem a US$ 1,2140 por libra-peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento março do café robusta foi cotado a US$ 1.769 por tonelada, com perdas de US$ 11 em relação ao desempenho da sexta-feira passada.

O dólar comercial registrou alta de 0,9% no acumulado da semana ao fechar a quinta-feira valendo R$ 3,169. Corretores analisam que houve um repique de alta frente ao real em função dos sinais de fortalecimento da economia dos Estados Unidos embasados em indicadores do setor industrial e do mercado de trabalho norte-americanos.

Acerca das previsões meteorológicas, o Climatempo informa que as chuvas permanecem nas áreas produtoras brasileiras e podem ser mais intensas no Espírito Santo e no centro-norte de Minas Gerais nesta sexta-feira. No oeste mineiro e no norte de São Paulo, há previsão de sol e chuva ao longo da tarde, enquanto o céu fica nublado e chove fraco no Rio de Janeiro e no litoral paulista. Para as demais áreas do Sudeste, o sol predomina e não há previsão de precipitações.

No mercado físico, os indicadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para os cafés arábica e robusta foram apontados em R$ 439,89/saca e a R$ 319,08/saca, respectivamente, com variações de -1,1% e 0,2% no comparativo semanal. Agentes consultados informaram que as oscilações refletiram o desempenho das cotações internacionais na quarta e na quinta-feira, quando NY recuou e a ICE Europe subiu. No entanto, vendedores e compradores registram poucas atividades e o mercado permanece calmo.

Powered by Rock Convert

Related posts

[Coriolano Xavier] – Falta abertura

Pinhalense apresenta recolhedoras em condições especiais para cafeicultores do Espírito Santo

Revista Attalea Agronegócios

Cafeicultor aposta em conilon de qualidade produzido em terras altas no Espírito Santo.

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário