Image default
ARTIGOSCafé

[Celso Vegro] – Saída à Direita

CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO
Engenheiro Agrônomo, MS, Pesquisador Científico e Diretor do IEA – Instituto de Economia Agrícola.
www.iea.sp.gov.br

 

O certame eleitoral nacional, em segundo turno, se encaminha para a vitória do candidato de extrema direita. Os coordenadores da área macroeconômica que, eventualmente, poderão compor a equipe que comandará o Ministério da Economia (que tende a se converter em um superministério com a incorporação de outras pastas congêneres) reúnem nomes com perfil liberal e ultraliberal.

O diagnóstico fundamental formulado por essa equipe, comum em outros fóruns de discussão sobre os problemas do país, alicerça-se na necessidade de promover um choque de produtividade da economia e desse modo propiciar trajetória sustentável de crescimento.

Para obter maior produtividade dos fatores alocados na produção de bens e serviços, na perspectiva ultraliberal, deverá ser obtida mediante incremento do grau de abertura da economia com remoção gradual das tarifas de importação e barreiras não tarifárias, concomitantemente, seguida pela retirada de benefícios fiscais concedidos de maneira pulverizada para inúmeros segmentos produtivos.

Visando acelerar a abertura comercial cogita-se, o grupo responsável pelas diretrizes econômicas, processá-la de forma unilateral, porém sem desrespeitar os compromissos regionais (MERCOSUL e demais acordos multilaterais), com o intuito de internalizar novas tecnologias capazes de baratear os custos de produção e incentivar a competição.

A consecução dessa diretriz política enfrentará oposição longamente sedimentada entre agentes econômicos que atuam nos diversos ramos da produção. Dentre eles situa-se o aguerrido posicionamento das lideranças da cafeicultura em impedir a importação de café verde por parte do Brasil.

Muito já se discutiu sobre a relevância estratégica da autorização do draw-back na expansão e potencial de globalização da indústria brasileira de café (torrefadoras, solubilizadoras, produtoras de cápsulas). Entre 2015 e 2016, esteve-se muito próximo disso como reflexo do colapso de oferta de conilon capixaba. Todavia, lobby de cafeicultores e inúmeras manifestações regionais (bloqueio de estradas, queima de sacas de café) impediram que naquele momento tal política fosse implementada.

Nova oportunidade, para franquear o ingresso de café verde importado no mercado brasileiro, surge com a ascensão do próximo governo, conservador em termos de valores morais, mas ultra-liberal em matéria econômica. Pelo teor do pronunciamento dos membros da equipe crê-se que a abertura do mercado brasileiro será concedida sem restrições, ou seja, tanto para operações visando às exportações (regime de draw-back) como para compor blends que atenderão o mercado interno.

Curiosamente, situam-se no agronegócio os maiores entusiastas da candidatura à presidência do representante de extrema direita. Esse posicionamento, em especial, dos cafeicultores contra a própria natureza do negócio que conduzem (talvez, inadvertidamente) poderá trazer grandes benefícios para a cadeia produtiva do café.

Exportadores poderão atuar também na importação, agregando esse novo ramo de atividade ao seu portfolio de negócios. Industriais da torrefação terão acesso a tipos de bebidas que não são encontradas no país, atendendo ao crescente interesse dos consumidores por novas experiências gustativas. Finalmente, as empresas produtoras de cápsulas terão a disposição todo tipo de matéria prima para inovar e explorar aquele que é na atualidade o segmento mais dinâmico do mercado de café.

A abertura para a entrada de cafés das mais diversas origens e tipos pode, também, beneficiar os próprios cafeicultores. Os operadores desse mercado em âmbito internacional reagiram com alavancagem nas cotações, pois, afinal, o Brasil é o segundo maior consumidor da bebida sinaliza que pode se tornar importador relevante nesse comércio.

Países fronteiriços produtores de café como Peru e Colômbia estreitaram laços com o Brasil, gerando reciprocidades relevantes em outros segmentos agroindustriais e industriais. A cooperação internacional por meio do comércio é melhor maneira de se produzir prosperidade e bem-estar social. 2019 se apresenta como ponto de virada no comércio de café. A saída a direita virá para ficar.

Related posts

Fenicafé reúne grandes nomes da cafeicultura em Araguari (MG), no Triângulo Mineiro.

carlos

Concurso Estadual do Café de 2024 espera recorde no número de amostras

carlos

[Arnaldo Jardim] – Cuidar do solo, cuidar do futuro!

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais