fbpx
Revista Attalea Agronegócios
NOTÍCIAS

Por dentro das melhores picapes do mercado

O apelo da indústria automotiva em abrangência nacional geralmente está relacionado a situação econômica daquele país. Ou seja, se a empregabilidade estiver em alta e, consequentemente, a prática do consumo se fizer presente, é natural que diversos setores produtivos colham esses frutos, de forma que tanto oferta como demanda alcancem a satisfação.

E, no que diz respeito à categoria de picapes, sendo uma vertente do setor de automóveis, mais do que nunca essa premissa é representada, uma vez que seus veículos tendem a ser menos explorados que os tradicionais e, com isso, seu sucesso depende quase exclusivamente do desejo do consumidor. Enganam-se aqueles que, nos dias atuais, ainda desdenham da importância das picapes na indústria automotiva brasileira, tendo em vista seu papel fundamental na rotina de muitos cidadãos, sobretudo aos que atribuem à uma Hilux, Saveiro ou Strada o transporte de alguma carga, caracterizando uma aquisição para fins profissionais.

Fato é que, após a virada do século, a facilidade para concretizar a compra de um automóvel proporcionou ao brasileiro a possibilidade de, finalmente, construir um patrimônio sólido, refletindo na alta exorbitante do consumo. Diante de mecanismos utilizados para promover vendas de forma mais constante, contribuindo para a inserção das classes C e D no setor de automóveis, a oferta destes bens foi beneficiada e, em 2020, a presença de veículos nas ruas, avenidas, estradas e rodovias brasileiras corresponde a um para cada quatro pessoas, indicando uma alta predisposição do consumidor moderno.

No entanto, não são todas as picapes disponibilizadas nas concessionárias que representam soluções aos cidadãos, visto que o custo-benefício se tornou prioridade e, em razão disso, os clientes sentiram-se cativados por uma gama mais restrita de picapes, favorecendo modelos mais alinhados às suas expectativas. Neste artigo, indicaremos as picapes que, no mercado brasileiro, condizem com a necessidade do consumidor e quebram paradigmas surgidos ao longo das décadas. Portanto, prossiga com a leitura!

O despertar da oferta de picapes no mercado nacional

Os hatches sempre representaram a oferta mais sedutora ao consumidor automotivo no Brasil. Desde o Gol e Fusca, até o Palio e Uno, a categoria consolidou-se em território brasileiro e, apresentando performance aliada à acessibilidade no preço, marcou gerações após a metade do século XX. Neste sentido, a tendência reproduziu-se nas ruas do país, cuja busca pelos hatches significou períodos de ouro para as concessionárias brasileiras, levando-se em conta elevadas procuras que, por anos, fizeram destes automóveis os mais cultuados do mercado.

Porém, assim como em qualquer indústria, os anseios do consumidor foram moldando-se as novas carências manifestadas e, através da oferta de SUV’s, vans e picapes, a satisfação mediante a compra foi garantida, possibilitando ao setor um sucesso associado à diversidade. Embora na pandemia, o mercado tenha retraído substancialmente, a procura por vans e picapes se opôs à crise econômica, apresentado um progresso de 66% e 62%, respectivamente.

E nem poderia ser diferente, afinal, os benefícios em conduzir uma Fiat Toro zero quilômetro ou até mesmo uma S10 usada entregavam experiências singulares ao entusiasta da categoria. Neste período adverso, inclusive, a Fiat Toro lidera o mercado, seguida de Hilux, Chevrolet S10, Ford Ranger e, na quinta colocação, a Volkswagen Amarok.

Os índices de vendas desta categoria

Portanto, os índices expressivos da categoria na crise fomentam a narrativa de que, hoje em dia, as movimentações do mercado então condicionadas às aquisições de veículos tanto de pequeno porte como de grande porte, diferentemente da vida pregressa do setor em solo brasileiro. Segundo o IBGE, a ascensão do setor automotivo em julho de 2020 – mesmo em meio à pandemia – alavancou o ramo industrial no Brasil, representando um crescimento de 8% e visando superar a queda de 27% registrado entre março e abril, cuja queda do consumo associada à quarentena promoveu um recuo em várias indústrias.

O cenário apresentado pelo mercado neste momento é mais promissor que no primeiro semestre e, a partir do Toro, Hilux, S10 e Amarok à venda, a retomada de fôlego da categoria foi reestabelecida.

 

FONTE: Luiz Gustavo Brandt
marketing06@chavesnamao.com.br

Related posts

MT: Fiscalização de produtos de origem animal por Consórcios Municipais deve impulsionar economias regionais

João Doria e Gustavo Junqueira anunciam importantes medidas para o agronegócio em SP

Entidades organizam “tratoraço” contra o aumento dos impostos de Doria em SP

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário