fbpx
Revista Attalea Agronegócios
NOTÍCIAS Política Agrícola

Sindicatos e produtores rurais se juntaram em ‘tratoraço’ contra novo ICMS

Ana Laura Siqueira
Trevo Peças Agrícolas

Entidades e produtores rurais de Franca (SP) e região, fizeram um “tratoraço” contra o aumento do imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), hoje (7) de manhã. Os manifestantes pediam a revogação da lei 17.293/2020 aprovada em outubro, pelo governo de São Paulo que permite a elevação dos preços de alimentos da cesta básica e de medicamentos.

A concentração foi em frente ao Sindicato Rural de Franca, às 8h30. O grupo percorreu a avenida Wilson Sábio de Mello, no Distrito Industrial e por fim, se reuniu na avenida Rio Negro. Viaturas e motocicletas da polícia militar acompanharam todo o trajeto. Segundo a PM, 19 caminhões, 31 tratores e 60 carros participaram da ação.

A lei em questão autoriza o poder executivo estadual a reduzir benefícios fiscais e alterar o valor de produtos com alíquota de ICMS abaixo de 18% – que é o caso de mercadorias como ovos, carne e farinha de trigo. O governador João Dória tinha aprovado uma diminuição de 20% desses benefícios. O próprio parlamentar declarou ao portal do governo que essa alteração “poderia causar aumento no preço de diversos alimentos e medicamentos genéricos, principalmente para a população de baixa renda”.

Durante a manifestação, o presidente do Sindicato Rural de Franca, José Henrique Mendonça comentou sobre sua preocupação com os impactos que a decisão do governador poderia trazer. Para Mendonça, a medida é capaz de desencadear outros prejuízos além de preços altos nas prateleiras, como a perda de concorrência, inflação e desemprego. “Nós não podemos onerar o produtor. Esse repasse será em cima do produtor e do consumidor final. Não podemos pagar essa conta”, afirmou o presidente.

O possível aumento no imposto também indignou os produtores. Norton Darc de Barros dedicou muitos anos de sua vida ao cultivo de café, em Patrocínio Paulista (SP) e comentou que “o que foi proposto para o setor é um absurdo”. O agricultor acredita que os efeitos do novo ICMS serão sentidos em cadeia e que em pouco tempo, ele precisaria rever orçamentos, rearranjar recursos e talvez, até realizar cortes no quadro de empregados.

O presidente do Sindicato Rural de Franca, José Henrique Mendonça fala com Emerson de Jesus Moreira, funcionário da loja de peças e implementos para tratores, Trevo Peças Agrícolas. (Crédito: Ana Laura Siqueira / Trevo Peças Agrícolas)

“Estamos presentes no dia a dia dos produtores rurais, entendemos porque estão aflitos. Não achamos justo que a classe seja usada para equilibrar os problemas econômicos que a pandemia trouxe. Todos nós estamos sofrendo de alguma forma. Temos receio de que essa mudança também afete nosso segmento”, declarou Emerson de Jesus Moreira, funcionário da loja de peças e implementos para tratores, Trevo Peças Agrícolas. Emerson afirmou que a empresa não hesitou em apoiar o movimento porque sabe que, se não revogada, a decisão pode respingar em todos relacionados à agricultura, mesmo que minimamente.

Medida suspensa

Uma publicação no portal do Governo de São Paulo comunicou que as mudanças previstas na cobrança do ICMS em 2021 e 2022 foram suspensas.

Segunda a nota, a medida foi contida porque indicadores sugerem uma segunda onda da pandemia da Covid – 19, com aumento de 41,3% nas internações e de 70% nas mortes, comparando a outubro. Outro motivo para a espera na aplicação da lei é o fim do auxílio emergencial a partir deste mês.

“João Dória promoveu uma suspensão. Mas, em nenhum momento o movimento falou em suspensão. O movimento quer uma revogação do projeto porque nós estamos pensando nos 210 milhões de brasileiros que nós alimentamos”, colocou Fábio de Salles Meirelles Neto, agrônomo e porta-voz da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP). Meirelles informou que a não revogação da lei compromete também os negócios com o mercado externo nas duas pontas. Isso porque a demanda estrangeira deixaria de ser atendida e o retorno vindo do mercado externo faria falta aos produtores nacionais.

O agrônomo disse que a adesão ao movimento e rápida organização da manifestação demonstra a união da classe acerca do posicionamento que foi assumido. “Se João Dória não revogar o ato no Diário Oficial, a postura dos sindicatos e da federação é de rompimento com o governo do estado de São Paulo”, concluiu Meirelles.

Related posts

Conheça os ganhadores do 30º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável para Espresso!

Revista Attalea Agronegócios

MAPA reconhece equivalência do Serviço de Inspeção de Caxias do Sul ao do ministério

O veneno da abelha se mostra “extremamente potente” contra o câncer de mama

Revista Attalea Agronegócios

1 Comentário

Esmeralda janeiro 18, 2021 at 9:48 pm

Excelente artigo.
Acho muito importante este tipo de movimento para não deixar o governo passar por cima de todos que trabalham suados debaixo de sol escaldante todos os dias.
Parabéns!

Resposta

Deixe um comentário