Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
NOTÍCIAS Política Agrícola

MAPA e IBA lançam Sistema Integrado de Agroquímicos

O MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o IBAMA – Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis, a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária e o IBA – Instituto Brasileiro do Algodão assinaram, nesta quinta-feira (13), um acordo de cooperação técnica para desenvolvimento do Sistema Integrado de Agroquímicos (SIA), que vai permitir redução nos prazos de registro de novas substâncias e de produtos genéricos. Atualmente, o tempo médio para os genéricos é de quatro anos e de até oito anos para as novas moléculas. A Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores e a ABRAPA – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão também participam do projeto.

Associados ao novo sistema, serão desenvolvidos aplicativos do SIA para celulares das plataformas Android e IOS. O custo estimado para a implantação do Sistema é de US$ 2,5 milhões. Atualmente, o Agrofit tem registrado cerca de 2 mil produtos formulados, dos quais aproximadamente 50% são genéricos.

Segundo o Secretário de Defesa Agropecuária do MAPA, Luis Rangel, o SIA vai unificar todos os pedidos de registro destes produtos existentes ao sistema do Mapa, no Ibama e na Anvisa. As vantagens do novo sistema, que funcionará em dois anos, serão a transparência e velocidade no processo de registro. “Em dois anos e meio da gestão do ministro Blairo Maggi, foram realizados mais de 1.100 registros de produtos mais modernos e menos tóxicos ao meio ambiente e à saúde humana”, explicou Rangel. Ainda estão pendentes cerca de 1.500 solicitações de registro.

Os produtores de algodão tomaram a frente do projeto pois esta cultura é a que mais depende de defensivos inovadores, em função da grande incidência e variedade de pragas nas lavouras. No caso do algodão, os defensivos respondem por 30% do custo de produção. Nas demais culturas a proporção é de cerca de 15%.

O Decreto, que regulamenta a Lei de Agrotóxicos, já estabelece a necessidade de desenvolvimento do sistema desde 2002. Neste ano, o Ministério da Agricultura tomou a frente da iniciativa para cumprimento do marco legal.

Powered by Rock Convert

Related posts

UPL conclui a aquisição da Arysta LifeScience e lança o seu novo objetivo Open Agriculture

Revista Attalea Agronegócios

Gestão eficiente é a chave para melhorar rentabilidade com a cultura da Seringueira, afirma IEA

JCO Fertilizantes: produtos biológicos para a sustentabilidade no campo

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário