fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café Café e Mercado Cafés Especiais NOTÍCIAS

Mulheres estão cada vez mais presentes no agronegócio, mas ainda há muito espaço a ser conquistado

Com persistência e por competência, as mulheres conquistam dia a dia seu espaço em todos os setores da economia. Ainda há um caminho a percorrer em busca da igualdade de gêneros, mas já é comprovada a maior presença feminina, inclusive, em setores antes predominantemente ocupados pelos homens, como no agronegócio. Pesquisas realizadas inclusive de forma segmentada comprovam esse fato, por exemplo, a presença da liderança feminina no setor cafeeiro, como Flávia Lancha Alves de Oliveira, vice-presidente do Café Labareda.

Dados comprovam – Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2018 mostrou as mulheres como responsáveis por 34% dos cargos gerenciais no agronegócio brasileiro.  Mas ainda há muito espaço para avanço. De acordo com o Censo Agropecuário 2017, as mulheres são proprietárias de 19% dos estabelecimentos agrícolas, enquanto os homens detêm 81% das operações.

E segundo a 8ª Pesquisa ABMRA (Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio) “Hábitos do Produtor”, divulgada em 2020, 94% dos produtores consideram “vital” e “muito importante” a presença da mulher no agro.

Mulheres no Café – O Censo Agropecuário de 2017, realizado pelo IBGE, pela primeira vez levantou dados sobre gênero na produção de café. São 88.700 mulheres dirigindo ou codirigindo (na condição de cônjuge) estabelecimentos agrícolas com produção de café, de um total de 304,5 mil estabelecimentos agrícolas existentes no Brasil.

Flávia Lancha Alves de Oliveira é uma dessas mulheres. A empresária, vice-presidente do Café Labareda e do Grupo Labareda Agropecuária, há mais de 30 anos iniciou os negócios com o marido na cidade de Franca (SP).

Hoje, o Café Labareda é uma das mais conceituadas empresas produtoras e exportadoras de cafés especiais do Brasil. Ainda solteira, Flávia tinha o sonho de seguir a carreira do pai na medicina. Mas decidiu cursar Ciências e, posteriormente, também se formou em Letras.

Desde criança costumava passar as férias na fazenda dos avós em São Simão, também interior de São Paulo. Em uma dessas férias, conheceu seu marido Gabriel Afonso Mei Alves de Oliveira. Depois de casada, foi morar na fazenda e, quando voltaram a Franca, em 1987, começou a ajudar o marido na Labareda Agropecuária e, assim teve início sua vida profissional no agronegócio.

Na época, a Café Labareda era uma pequena produtora de café e Flávia assumiu à área de vendas e relacionamento com clientes. Como não tinha formação na área, decidiu se especializar e cursou administração rural.

“Sempre tive em mente elevar os negócios a um patamar mais alto e, por isso, apostamos no mercado de cafés especiais para exportação”, relembra Flávia, que, em 2006, teve uma iniciativa pioneira de desenvolver um programa de exportação direta, o qual gerenciava pessoalmente.

“As mulheres conquistaram e continuam ocupando esses espaços por merecimento, por competência. E, para isso, capacitaram-se para desenvolver suas funções com excelência. No Brasil, infelizmente ainda não podemos dizer que vivemos uma igualdade de gênero, inclusive no agronegócio, mas estamos trilhando um caminho sólido para que isto aconteça”, enfatiza Flávia.

Empreendedorismo social – Flávia, que integra o Grupo Mulheres do Brasil, com mais 100 mil mulheres que promovem ações ligadas ao empreendedorismo, projetos sociais e cotas para mulheres, levou para dentro do seu negócio iniciativas sociais.

Ela desenvolveu o projeto “Ampliando Horizontes” – uma escola na fazenda com a proposta de alfabetizar a capacitar os colaboradores. “O projeto foi muito bem aceito. Além dos colaboradores, as famílias também começaram a frequentar as aulas”. E completa: “Em qualquer área em que atua, a mulher costuma ter uma visão humana sempre associada à profissional, o que se torna um importante diferencial da gestão feminina”.

Sobre a Café Labareda e Agropecuária Labareda – Fundada em 1984 na cidade de Franca (SP), é uma das mais conceituadas empresas exportadoras de cafés especiais do Brasil. Dentre seus produtos estão os cafés Premium e Reserva. O Café Labareda Premium possui corpo marcante, aroma doce, média acidez, leve doçura com toque de caramelo, seleção dos melhores grãos arábica, com alto grau de qualidade, tipo exportação. O Café Labareda Reserva é da variedade Bourbon Amarelo, com corpo delicado, acidez, aroma e doçura marcantes, grãos arábica secos artesanalmente em terreiro suspenso e que passam por um processo rigoroso de escolha. Este é um produto gourmet para paladares apurados.

Ao longo de sua história, os produtos da Café Labareda foram reconhecidos nacional e internacionalmente. Em 2005, foi a primeira da Alta Mogiana a receber um certificado internacional, o UTZ Certified – selo qualidade do maior programa de cultivo sustentável de café e cacau do mundo. Em 2008, a empresa recebeu mais uma importante certificação internacional, o selo Rainforest, concedido a empresas que se destacam pelo desenvolvimento de um negócio sustentável. Em 2018, o Café Labareda recebeu o prêmio da Imaflora como uma das 10 fazendas de café mais sustentáveis do Brasil. E em 2019, a Labareda teve seu café classificado entre os 10 melhores do país no concurso Coffee of the Year.

Atualmente, o Café Labareda exporta para diversos países como Estados Unidos, Europa, Japão, Austrália, África do Sul e Dubai.

FONTE: LN Comunicação – Lúcia Nunes – assessoriadeimprensa@lncomunicacao.com.br

Related posts

Governo Federal lança Jornada das Águas para fomentar desenvolvimento

Revista Attalea Agronegócios

#QueORespeitoFloresça: Impedimento da venda de flores pode repetir cenas de grandes perdas da produção no Dia da Mulher

Revista Attalea Agronegócios

SIC 2018 – Semana Internacional do Café: Café é destaque durante grande evento em Belo Horizonte (MG)

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário