fbpx
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Café Café e Mercado

[Escritório Carvalhaes] – Boletim semanal – ano 89 – n° 22

ESCRITÓRIO CARVALHAES
A mais antiga publicação periódica do café brasileiro –
desde 1933, a melhor fonte de pesquisa sobre o mercado mundial de café.
www.carvalhaes.com.br

Santos, 07 de junho de 2021 – segunda-feira

A bolsa de café de N.Y. fechou em baixa de 150 pontos, a US$ 1,6015 por libra peso nos contratos com vencimento em julho próximo. O dólar fechou hoje a R$ 5,0360 (alta de 0,02%).

Mercado físico de café:

Os contratos de café em NY abriram a semana trabalhando em baixa moderada. Em um pregão com oscilações menores do que as da semana passada, os contratos para julho próximo fecharam em queda de 150 pontos, a US$ 1,6015 por libra peso. Na última sexta-feira, subiram 405 pontos, encerrando a semana a US$ 1,6165 por libra peso.

As oscilações nos contratos de café em NY acontecem em razão de interesses de curto prazo, nas disputas entre comprados e vendidos, que se acentuam com o crescimento da rolagem para setembro dos contratos com vencimento em julho próximo. As notícias a respeito dos fundamentos, se sucedem dia após dia sempre no sentido de um cenário preocupante, crítico, para o abastecimento do mercado de café, brasileiro e mundial.

O mercado cambial brasileiro apresentou-se mais calmo hoje, depois do rali da semana passada, quando nos quatro primeiros dias úteis de junho o real se valorizou 3,63% frente ao dólar. A moeda americana oscilou hoje entre pequenas baixas e altas. Chegou a bater em R$ 5,0190 na mínima do dia. Fechou o pregão a R$ 5,0360 em alta de 0,02%.  Na sexta-feira encerrou a semana a R$ 5,0350 (fonte: Valor Econômico).

Em reais por saca os contratos para julho fecharam hoje valendo R$ 1066,86. Na sexta-feira encerraram a semana valendo R$ 1076,64.

Com um pregão em NY calmo, com menos oscilações e com um dia de mercado cambial mais contido, tivemos um bom interesse comprador no mercado físico brasileiro, mas praticamente sem interesse vendedor. Esse cenário se repetiu por toda a semana passada, quando o forte recuo do dólar frente ao real derrubou o valor das ofertas e travou os negócios. Com os problemas climáticos enfrentados pela cafeicultura brasileira, é difícil para os compradores fecharem negócios tentando repassar para os preços as quedas em NY e do dólar frente ao real. O clima continua dando sustos diários e apontando para problemas também com a próxima safra brasileira de café 2022/2023.

Uma frente fria traz chuva ao norte do Paraná neste início de segunda-feira. Em Umuarama (PR), o acumulado alcançou 40mm nas últimas 24 horas (Cemaden). Ao longo da semana, a precipitação espalhará por São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, alcançando 20mm no sul de Minas Gerais e do Espírito Santo, na Baixa Mogiana e Alta Paulista. No fim da semana que vem, há previsão de outro evento de chuva sobre o Paraná e São Paulo. Não há previsão de frio intenso a ponto de trazer geadas pelos próximos 15 dias (SOMAR Meteorologia).

Selecionamos e colocamos diariamente em nosso site notícias e informações sobre o mercado de café e os impactos que vêm recebendo da crise mundial com a COVID – 19.

O Escritório Carvalhaes continua trabalhando em regime parcial de home office.  

FECHAMENTO DA BOLSA DE NEW YORK: 07/06/2021

JULHO/21 160,15 -150
SETEMBRO/21 162,20 -145
DEZEMBRO/21 165,00 -135
MARÇO/22 167,50 -130
MAIO/22 168,55 -130
JULHO 169,30 -125

Saudações,

Related posts

[Silas Brasileiro] – Balanço Semanal do CNC — 14 a 18/05/2018

Revista Attalea Agronegócios

[Marcio Luis Palma Resende] – O Caminho da Excelência

Revista Attalea Agronegócios

Curiosidades sobre a variedade de café “Laurina” – Uma abordagem técnico-científica

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário