Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Cafés Especiais

[Tadeu de Oliveira] – Vale a pena criar da sua marca de café?

JOSÉ TADEU DE OLIVEIRA
Jornalista, Pós-Graduado em Marketing pela FGV, Barista,
dono de cafeteria e produtor de café na Região da Alta Mogiana
www.olintocafé.com.br

 

O que é necessário pensar antes de se meter a fazer café especial e vender direto para o consumidor final.

Diversos produtores decidiram começar a torrar e vender seu café direto para o consumidor final. A decisão parece interessante, pois agrega valor à saca e faz com que o processo seja mais compensador, porém, pouca gente para e faz as contas exatas do que se gasta ou do trabalho necessário para levar esse projeto adiante. E aí, será que compensa ter a própria marca? E como começar isso do jeito mais certo?

Antes de tudo, pesquise e planeje

Já falamos isso nas outras colunas, mas vale repetir: uma marca de café é um negócio totalmente novo e diferente, e precisa de uma dedicação e de um planejamento exclusivo. Se você é um bom produtor, arrume uma pessoa (ou uma equipe) especializada que pode resolver os problemas iniciais, como público-alvo, desenvolvimento da marca, pontos de venda, torra, enfim, tudo relacionado ao processo de venda.

Lembre-se, é essencial fazer um plano de negócios, definir o quanto de dinheiro pretende investir na ideia e qual o tempo de retorno para que o lucro comece a aparecer. Novas marcas surgem todos os dias, e será preciso um trabalho de formiguinha para se destacar no mercado e conseguir seu espaço.

Busque ajuda profissional

Já que você procura ajuda de um agrônomo para cuidar da roça, um publicitário e um profissional de vendas vão te ajudar com seu café. Para o publicitário Rafael Silveira, da Sn3p, agência especializada em criação de marcas de café especial e gourmet, “assim como no preparo de café, só um profissional de qualidade e com experiência realizará um trabalho sem prejuízo no curto e no longo prazo.”

Uma agência saberá como desenvolver uma marca que seja impactante para o público, além de conhecer os caminhos mais rápidos e baratos para a confecção de embalagens, divulgação das mídias e todo o processo de criação e implementação no mercado.

Todo processo de criação é complexo, e se faz necessária uma equipe competente para que você não fique gastando energia e dinheiro à toa. Apesar de parecer um serviço caro, a longo prazo a economia e o rendimento gerado compensam.

Defina seu público

“Não existe venda mais complicada do que aquela realizada para o público errado.” Essa frase deve nortear você nas escolhas sobre qual caminho pretende seguir. Você produz muito café? Tem dinheiro para montar uma equipe de vendas e maquinário para produzir grandes quantidades? Então talvez a melhor opção seja ir para o lado dos cafés gourmet, com menor valor agregado e mais volume. Se a sua produção é pequena, você tem foco em ganhar concursos, possui um torrador pequeno e não tem verba para investir em um grande time de vendedores, o especial pode ser um bom caminho, trazendo um retorno maior em curto prazo.

Valide sua ideia

Cuidado: é preciso tomar cuidado para não gastar energia com uma marca que já existe. É importante procurar por nomes parecidos na internet e em órgãos oficiais, como o Instituto Nacional de Marcas e Patentes, o INPI. Lá você encontrará todos os registros de marcas oficiais, e elimina o risco de ter que enfrentar processos judiciais por direitos às marcas ou ao site.

Os principais tópicos a serem pensados antes de ter seu próprio café:

Criação da marca: é imprescindível pensar em um nome forte e que tenha valor de mercado. Criar um conceito e uma ideia do que pretende vender também será essencial.

Embalagem: é preciso escolher o tipo do pacote, os tamanhos, como será feita a identificação, se terá válvula, lacre, caixa. Tome cuidado, por todos os detalhes interferem no valor do produto.

Torra: etapa delicada do processo, requer cuidado e muitas contas. Se você for torrar, será que vai dar conta da produção? Qual o valor da torra no produto final?

Legalização: não esqueça de que será necessária toda a burocracia para a abertura de uma nova empresa.

Venda: a parte essencial do projeto de marca. EXIGE uma pessoa focada em tempo integral. Só a partir disso é que você verá resultado no trabalho.

Related posts

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado do Café – 29/10 a 02 de Novembro de 2018

Revista Attalea Agronegócios

Cup of Excellence 2018: Chapada de Minas e Cerrado Mineiro produzem os melhores cafés especiais do Brasil

Revista Attalea Agronegócios

[Arnaldo Luiz Corrêa] – Mercado do Açúcar – 27 a 31/08/2018

Revista Attalea Agronegócios

3 Comentários

Natália outubro 7, 2019 at 2:28 pm

Boa tarde.
Quais etapas preciso cumprir para ter minha marca legalizada para vender meu café?

Resposta
Revista Attalea Agronegócios outubro 8, 2019 at 6:20 am

NATÁLIA
Bom dia. Agradecemos o contato. Encaminho o email do colunista José Tadeu de Oliveira para você tirar todas as dúvidas pertinentes ao assunto: tadjor@gmail.com

Abraços,

Resposta
Tadeu outubro 10, 2019 at 11:31 pm

Natália, tem uma série de etapas importantes, que dependem principalmente do momento em.que você se encontra. Pesquisa e registro de marca, abertura de empresa, solicitação de código de barras, enfim. Para mais informações me manda um e-mail. Tadjor@gmail.com

Resposta

Deixe um comentário