CaféNOTÍCIAS

OIC aprova proposta de texto do Novo Acordo Internacional do Café

OIC anuncia histórico Acordo Internacional do Café e da boas-vindas formalmente ao setor privado global para as principais discussões sobre o futuro do café.

Em um novo espírito de colaboração, a Organização Internacional do Café (OIC) aprovou, após sessão especial, nesta quarta (8), e quinta-feira (9), proposta de texto do Novo Acordo Internacional do Café 2022. Com a decisão, a OIC da boas-vindas formalmente ao setor privado global para as principais discussões sobre o futuro do café, participando como membro afiliado. O Conselho Nacional do Café (CNC), participou das discussões e do momento histórico com contribuições na elaboração do novo Acordo, uma vez que a OIC é essencial para cafeicultura mundial.

A nova versão do documento global foi construída por um Grupo de Trabalho da Força-Tarefa Público-Privada do Café e inclui o setor privado na discussão e na formulação de soluções para aprimorar a condição de vida dos cafeicultores. É uma consequência da Resolução 465 da OIC, que trata da crise de preços do café.  O acordo atual do AIC (aprovado em 2007) entrou em vigor em 2 de fevereiro de 2011 e foi estendido até 2024, data em que o novo acordo passará a vigorar.

A partir do novo Acordo, a OIC pode trazer todas as partes à mesa pela primeira vez e enfrentar os desafios por meio da cooperação internacional privada e pública, envolvendo seus governos membros, que representam 93% da produção mundial de café e 63% do consumo mundial. Hoje, o mundo bebe mais de 2 bilhões de xícaras de café por dia. O Brasil tem papel fundamental no mercado global, visto que de cada três xícaras consumidas no mundo, uma é do café produzido no Brasil.

Momento histórico

O presidente do Conselho da Organização Internacional do Café, embaixador Iván Romero-Martínez, destacou que com a aprovação do novo convênio, o Conselho marca uma nova era para a OIC, para o setor cafeeiro mundial e para milhões de cafeicultores. “Uma conquista histórica que reforça o compromisso da OIC em tornar a cadeia mundial do café mais sustentável, inclusiva e resiliente”, afirmou, destacando a participação de Vanusia Nogueira no encontro. “Temos um momento especial na OIC em razão de que à frente da instituição está a primeira Diretora-Executiva mulher, produtora e exportadora de café, reafirmando a reorganização da nossa entidade”, finalizou.  

Para o embaixador do Brasil, Marco Farani, a entrada de novos membros trará fôlego para a OIC e somará esforços para desenvolver ações práticas e visíveis em favor da sustentabilidade do setor cafeeiro. “Graças ao Acordo, a OIC entra em uma nova era de cooperação com o setor privado”, ressaltou Vanusia Nogueira, que participou pela primeira vez da Sessão Especial do Conselho da OIC como Diretora-Executiva.

Vanusia ressaltou ainda que a inclusão do setor privado mundial na discussão e na formulação de soluções possibilita à cadeia de valor do café enfrentar os crescentes desafios do setor cafeeiro com qualidade, transparência e preços justos para bilhões de consumidores.  

“O foco é criar um futuro melhor para milhões de cafeicultores, aderindo aos objetivos de desenvolvimento e sustentabilidade das Nações Unidas, beneficiando produtores de 50 países”, concluiu. Antes de assumir a cadeira na OIC, em maio, a diretora-executiva representou o Brasil, o maior produtor e exportador mundial de café, em assuntos globais de café como Diretora-Executiva da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e conselheira do CNC.

O novo Acordo Internacional

O primeiro Acordo Internacional do Café foi firmado em 1962, definindo cotas de exportação nas Nações Unidas em Nova York. Os pontos chaves do novo Acordo também redefinem o sistema de votação interna da OIC e as contribuições dos governos membros para refletir melhor a transformação na cadeia global do café nos últimos 30 anos, levando em conta as distorções entre países produtores, consumidores, exportadores e importadores.

Governo Brasileiro

Em nota oficial, o governo brasileiro celebrou o Novo Acordo Internacional do Café:

O Governo brasileiro celebra a aprovação, em 9 de junho, do novo Acordo Internacional do Café, no âmbito da 133ª Sessão Especial do Conselho Internacional do Café, em Londres.

Com a aprovação do acordo, a Organização Internacional do Café (OIC) converte-se em foro de diálogo permanente dos participantes da cadeia global de valor, com vistas à promoção da sustentabilidade no setor cafeeiro.

O intenso engajamento do Brasil na negociação do acordo contribuiu para as mudanças estruturais necessárias à modernização da Organização.

Em meio às inovações do acordo, destaca-se a incorporação à estrutura da OIC do setor privado e de outros atores interessados, que poderão participar ativamente dos trabalhos da Organização, com direito a voz, mas sem direito a voto, garantindo-se a natureza intergovernamental da OIC.

O acordo entrará em vigor quando dois terços dos países membros exportadores e importadores tiverem depositado seus instrumentos de ratificação.”

Produção Mundial

Em 2020, o mundo produziu 6,07 milhões de toneladas de Arábica (101,16 milhões de sacas de 60 kg) e 4,18 milhões de toneladas de café Robusta (69,67 milhões de sacas de 60 kg). Em 1991, a produção mundial era de 1,74 milhão de toneladas de robusta (29 milhões de sacas de 60 kg) e 4,34 milhões de toneladas de café arábica (72,3 milhões de sacas de 60 kg).

Nova reunião  

A próxima reunião do Conselho da Organização Internacional do Café será de 3 a 7 de outubro de 2022, em Bogotá, Colômbia, momento em que o Acordo será assinado pelos seus membros.

Related posts

Câmara Setorial de Café em São Paulo elege novo presidente

Mario

Sistema GEDAVE é adiado para 1º de janeiro de 2020

Mario

EMBRAPA tem a primeira cultivar de gergelim protegida do Brasil

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais