Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Café

[Fernando Morales de la Cruz] – “O preço ideal do café”

FERNANDO MORALES DE LA CRUZ
Fundador do Café For Change
http://www.cafeforchange.org/

 

O fato de que o setor cafeeiro global, cada vez mais rentável, seja controlado por poucas multinacionais mais poderosas e a concentração dessas empresas na Suíça para a compra de grãos – 70% do comércio global de café verde é realizado na Suíça ou a partir dela (não em Nova York como dizem alguns) utilizando o modelo que alguns economistas chamam de Swissploitation, colocou 25 milhões de produtores de café e mais de 125 milhões de pessoas que vivem em comunidades de cultivo de café em uma crise econômica e humanitária profunda e em situação de desamparo.

A queda acentuada dos preços do café, que não é uma questão nova, também teve um impacto devastador sobre as economias dos países produtores de café. Não apenas os cafeicultores e trabalhadores dependem da produção de café. A cafeicultura, como muitas outras atividades rurais, tem um enorme impacto econômico nas economias nacionais.

As multinacionais do café agora pagam menos de um dólar por libra de café, preço que é menos de um terço do acordado no Acordo Internacional do Café de 1983. Na semana passada, o preço chegou a US $ 0,93 lb. Esse montante equivale a apenas US $ 0,36 em 1983, de acordo com o CPI (Consumer Price Index) US DOL. UU. O preço do café em 1983, acordado pelos países importadores (Europa, Suíça, EUA, Canadá, Japão, etc), foi de US $ 1,20 a US $ 1,40 lb porque foi estimado que este montante cobria razoavelmente custo de produção dos países exportadores de café.

O “Preço Ideal” do Café

Reuters, 22 de agosto de 2018: “O gerente da Federação Nacional de Cafeicultores, Roberto Velez disse que o ideal para que os produtores tenham rentabilidade deve ser entre 1,40 e 1,50 dólares por libra, com um preço de taxa de câmbio de 3.000 pesos por dólar “.

A solução para a crise dos preços do café foi ainda mais complicada pela posição tomada pela Federação Nacional de Cafeicultores, representando o terceiro maior produtor de café do mundo, na tentativa de estabelecer e promover internacionalmente o “preço ideal” de apenas R $ 1,40 para US $ 1,50 / lb, mesmo abaixo do “preço justo” falsa e injusta $ 1,40 + $ 0,20 premium, também impulsionado pela certificação falsa de “Comércio Justo” de “Fairtrade” Intenational.

O “preço ideal” proposto pelo FNC US $ 1,50 / lb é inferior a 42% do Acordo Internacional do Café de 1983. Esse preço é “ideal” para as multinacionais, mas não ideal para os agricultores e trabalhadores colombianos ou qualquer outro país no cinturão do café.

As multinacionais estimam internamente o valor do café FOB entre US $ 4 e US $ 5,50 libras. Caro faz sentido quando se estima que o preço de US $ 1,40 AIC 1983 ajustado para a inflação usando $ 3,61, hoje o CPI Departamento de Trabalho dos EUA seria LB. Quando o preço de 1983 é adicionado aos impostos na origem, o verdadeiro custo da terra, segurança social, pensões, educação, etc. o preço atual deve ficar entre US $ 4 e US $ 5,50 por libra, conforme as multinacionais estimam internamente.

Obviamente, o trabalho multinacional com as “Agências de Desenvolvimento” USAID, GIZ, ajuda da UE, Ajuda Suíça, Reino Unido AID, NORAD e o resto do alfabeto da falsa “cooperação internacional” com iniciativas de sustentabilidade falsas e ONGs que pretendem lutar contra a pobreza, apesar de a perpetuar, “estudar”, incentivar e promover “os custos de produção” adequados apenas para as multinacionais e condenando a miséria os agricultores e trabalhadores. “Os custos de produção” também devem garantir subdesenvolvimento nas comunidades rurais para continuar a existir em muitos outros produtos agrícolas do quem o café e a preços muito baixos.

É absolutamente injusto para os colombianos, ou quaisquer agricultores dos países receberem 58% menos em 2019 do que o que lhes pagaram as multinacionais em 1983, mais de 35 anos atrás. Os custos de produção dos agricultores aumentaram substancialmente desde 1983 e, por outro lado, os lucros também têm aumentado em dezenas de milhões de dólares anualmente no países importadores de café, valor acrescentado e impostos gerados para a cultura do café antes de ser vendido ao consumidor final.

Os produtores de café do Brasil deixam de receber mais de 13 bilhões de dólares por ano devido ao preço artificialmente baixo do café.

Atualmente os produtores de café em todo o mundo não recebem anualmente mais de 40 bilhões de dólares por preços artificialmente baixos que lhes são impostos pelas multinacionais do café. Por isso, eles têm aumentado a pobreza, a fome, a desnutrição e o trabalho infantil em áreas rurais onde o café é cultivado.

Um dos problemas mais sérios para os cafeicultores é que a maioria deles é pobre e não tem como se defender contra a ganância e a influência das multinacionais em suas próprias cooperativas e organizações, nem em seus governos e instituições nacionais. Eles estão indefesos diante do imenso poder dos governos dos países desenvolvidos que protegem as multinacionais, por razões econômicas, com falsos programas de “ajuda ao desenvolvimento” e com políticas comerciais neocoloniais.

Os agricultores operam localmente, regionalmente e, em pouquíssimos casos, em nível nacional; por outro lado, as multinacionais, por sua natureza, operam e têm influência econômica, política e de comunicação em nível global (multinacional).

É muito mais fácil para uma multinacional influenciar a política agrícola nacional de qualquer país, ou todos eles simultaneamente, do que para a maioria dos produtores de café juntos. É óbvio que nem as organizações nacionais de café nem os governos souberam ou quiseram defender os produtores por décadas, e é por isso que chegamos à inaceitável realidade de que as multinacionais já compram café 66% mais barato do que há 35 anos e os agricultores recebem menos de 2 centavos por cada xícara de café servida nos países importadores. Isso não pode continuar assim.

É essencial criar e implementar um sistema transparente de valor compartilhado que compense produtores e trabalhadores, e também comunidades rurais, com pelo menos US $ 0,10 por xícara.

Leia: BBC “$ 0,10 poderia resolver o grande problema do café no mundo?
http://bbc.in/2t9ngTN

Apesar do imenso poder econômico, político e cruel das multinacionais e também dos governos da Suíça, da União Européia (41% de todas as importações anuais de café), dos Estados Unidos, do Canadá e do Japão, estou convencido de que um grupo de países produtores de café unidos em defesa do preço pode conter a ganância da indústria e executada pelos governos da Suíça, da UE e do resto dos países do G7 que usam leis e convenções internacionais, mas hoje, eles nem sabem como bem dividi-lo.

Alguns líderes cafeeiros se opõem a isso e atrapalham a criação da organização dos países produtores de café, OCAFE, porque isso os privaria de influência e destaque pessoal diante das multinacionais.

Recentemente, Michel Arrion, um oficial da UE e, atualmente, diretor executivo da ICCO (International Cocoa Organization), disse em Amsterdã que há argumentos válidos para “triplicar o preço do cacau pago ao produtor”. Há também argumentos válidos para TRIPLICAR O PREÇO DO CAFÉ PAGO AO PRODUTOR. É isso que defendemos no CACAO FOR CHANGE e no CAFÉ FOR CHANGE.

O verdadeiro PREÇO IDEAL de café, cacau, chá ou qualquer outro produto é o que permite a todos os agricultores e trabalhadores, e a todos os seus filhos, aspirar a ser de classe média porque são a base de uma indústria que gera dezenas de bilhões de dólares em lucros anualmente.

Para todos os amigos da Federação Nacional de Cafeicultores, os 25 milhões de agricultores em todo o mundo, todas as organizações de agricultores e presidentes e funcionários do governo dos países produtores de café que nos convidam a lutar juntos por um preço real IDEAL que permite que todos os Juans Valdez e as Juanas de Valdez, de todo o cinturão de café, e todos os seus filhos e dependentes, vivam com dignidade como resultado da cafeicultura.

O neocolonialismo e a exploração dos agricultores, trabalhadores e milhões de crianças e o fraudulento “Comércio Justo” e falsas certificações não podem fazer parte da “paisagem de café” de cada barra de chocolate ou qualquer outra indústria que pressupõe a operar dentro da lei, respeitando os direitos humanos e os direitos das crianças.

Powered by Rock Convert

Related posts

[Vinícios Faria] – Nematoides: prevenção, manejo e controle

Revista Attalea Agronegócios

RR Consultoria realiza Etapa Sul de MG do 10º Intercâmbio Latino-Americano do Café

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado do Café – 22 a 26 de Outubro de 2018

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário