Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Cafés Especiais

[José Tadeu de Oliveira] – Que tal vender o café a um preço melhor?

JOSÉ TADEU DE OLIVEIRA
Jornalista, Pós-Graduado em Marketing pela FGV, Barista,
dono de cafeteria e produtor de café na Região da Alta Mogiana
www.olintocafé.com.br

As novas opções do mercado para os produtores conseguirem melhores preços no mercado nacional e internacional.

Para muitas pessoas, alguns tópicos que serão trazidos aqui podem parecer óbvios, porém, após conversar com uma série de produtores recentemente, notei que é extremamente necessário discutirmos sobre algumas boas práticas na hora de decidir o que fazer com seu café de qualidade.

Depois de ganhar algum tipo de concurso regional, muitos produtores, após vender as sacas premiadas, optam por in-vestir em uma marca de café especial, correm atrás de uma cafeteria especializada para comprar seus grãos ou ficam perdidos, sem saber o que fazer com essa verdadeira joia que possuem. Pois bem… seguem algumas dicas da área de marketing e de alguém que trabalha vendendo os cafés:

Tudo é um novo negócio
Se você está acostumado a trabalhar apenas em busca do café commodity, pense que o especial é um novo negócio, que exige profissionais diferentes, abordagens diferentes e, consequentemente, atenção diferente. É preciso definir responsáveis para cuidar disso, sem deixar que uma área atrapalhe a outra. Escreva tudo em um papel: qual o seu objetivo, como esse novo negócio vai funcionar quanto dinheiro tem para investir e em quanto tempo espera um retorno. É preciso começar do zero para não errar.

Planeje sempre
Seja ao partir para a criação de uma marca, para a venda em cafeterias ou para traders, é preciso planejamento. Se você é um ótimo produtor, pode não ser um  vendedor tão bom. Apesar de dirigir com maestria um trator, pode não conseguir criar um conceito bom para sua a marca. Conheça a área para onde está rumando e contrate uma agência ou uma consultoria especializada. Dar tiros no escuro tende a ser arriscado.

Cafeterias terceira onda
Elas surgem a cada dia, em diferentes cidades, e estão sempre em busca daquele café mais do que perfeito. Ir atrás compradores no varejo pode ser uma opção incrível para quem quer agregar valor ao café, já que o valor de venda de uma saca boa pode, facilmente, passar dos R$800 para os R$4000.  É importante lembrar que nesse caso o trabalho é maior e os custos aumentam um pouco, porém, depois de descoberto o caminho, é um espaço interessante para fugir do sobe e desce do mercado financeiro.

Micro torrefações
As micro torrefações, que às vezes existem dentro das próprias propriedades (ou das cafeterias) também são um modo interessante de vender o café. Interessadas no grão verde, compram as sacas de café especial por um preço médio acima do mercado e ficam com o trabalho de revender para as cafeterias ou o consumidor final. Podem ser um ótimo alvo para quem tem menos tempo ou dinheiro para se dedicar ao pós-venda.

Marca própria de café torrado
Opção interessante e arriscada! É um negócio totalmente novo, exige pesquisa de mercado e um planejamento minucioso para não se tornar apenas um dreno de dinheiro. A busca por uma agência de publicidade, um vendedor e uma estrutura mais completa para organizar o trabalho de venda direta para o consumidor é obrigatório para quem não está disposto a entrar em uma roubada.

Enfim, a regra básica é conheça o mercado para onde vai rumar. A produção de café tem um funcionamento particular e, muitas vezes, suas regras não se aplicam para outras áreas comerciais. Por isso, manter a mente aberta e pedir ajuda é o melhor jeito de crescer rápido e minimizando os erros.

O uso de uma ferramenta de planejamento (como o canva da foto) pode ajudar você a prever muitos problemas ao entrar em uma nova área.

Related posts

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado do Café – 02 a 06/07/2018

Revista Attalea Agronegócios

Em Alfenas (MG), mulheres se preparam para o mercado de cafés especiais.

Revista Attalea Agronegócios

[Marcos Antônio Zordan] – O volátil mercado do leite

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário