fbpx
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Cafés Especiais

[José Tadeu de Oliveira] – É a hora dos concursos

Após o fim da colheita, concursos regionais e nacionais ganham destaque, mas será que vale a pena participar!?

Para aqueles que sempre se questionaram sobre a valorização do trabalho do agricultor, os concursos de qualidade de cafés, que acontecem por todo o Brasil e para o exterior, são uma excelente oportunidade para premiar o produtor que investiu tempo, ousou nos cultivares diferenciados e buscou se diferenciar dos concorrentes através de um café excepcional.

Esse tipo de concurso é uma ótima oportunidade financeira, mas, também é uma das formas mais eficazes de promover uma melhora consistente na qualidade dos cafés produzidos em todas as regiões do Brasil. Além disso, esse tipo de evento aproxima produtores e facilita o contato de regiões mais afastadas com possíveis compradores nacionais e internacionais, compradores estes que chegam a pagar quantias muito acima do mercado por cada saca de café.

Foto: Gustavo Baxter / NITRO

COMO FUNCIONA
O funcionamento dos concursos é bem simples. Os produtores enviam pequenas amostras de café para as instituições organizadoras, geralmente são cooperativas, associações ou grandes empresas privadas em busca do grão perfeito. Depois de enviadas, as amostras são classificadas por provadores profissionais – geralmente regionais – e, depois, os mais bem colocados são degustados por juízes nacionais ou internacionais.

A avaliação é feita, geralmente, utilizando-se a metodologia da Specialty Coffee Association (SCA), que aponta qualidades como corpo, sabor, doçura e acidez. Os cafés campeões podem ser vendidos em leilões ou negociados pelos organizadores a preços combinados antecipadamente.

VANTAJOSO PARA O PRODUTOR…
Os benefícios para quem planta são incontáveis e não param de crescer safra a safra. “Nosso primeiro bom resultado em um concurso foi acidental, mas trouxe excelentes reflexos, conseguimos destaque em torrefações e cafeterias internacionais e colocamos o sítio no radar dos compradores estrangeiros”, conta Bárbara Malta, que ficou em segundo lugar em um concurso regional de cafés.

Vencer ou ficar bem posicionado nos concursos deixa o produtor mais conhecido e permite que os compradores tenham acesso facilitado a pessoas que, muitas vezes, passariam despercebidas.

…PARA O COMPRADOR…
Quem busca grãos raros e sabores excêntricos também fica feliz com os concursos, já que muitos produtores estão localizados em cidades pequenas, distantes das capitais, das cafeterias e das torrefações. O concurso destaca o produtor, o joga na mídia e, consequentemente, abre portas que seriam impossíveis caso toda a venda fosse realizada apenas como commodity.

… E BOM TAMBÉM PARA O COMÉRCIO
Para nós, donos de cafeteria, vender lotes ou doses de cafés premiados ou destacados em concursos é extremamente interessante. Além da procura ser maior pelos lotes premiados entre os amantes de café, a possibilidade de agregar valor nesse café permite uma margem de lucro maior tanto para o produtor quando para quem faz a venda ao consumidor final.

NÃO SE ENGANE
Procure concursos sérios, com regulamentos bem definidos, bem estruturados e, acima de tudo, responsáveis com o que faz. Não se deixe enganar por qualquer diagnóstico oferecido ao seu café, para ter certeza do seu produto busque sempre uma segunda opinião e sempre de pessoas idôneas e de renome no mercado. Consultar associações ou assessorias é essencial antes de se inscrever em concursos.

Cuidar do pós colheita e saber quais são os melhores lotes e essencial para o produtor.

PREPARE-SE PARA O PRÓXIMO ANO
Gostou da ideia de participar de concursos? É importante gastar tempo, energia e investimentos para isso! Para se dar melhor, muitas vezes é preciso procurar ajuda de profissionais especializados.

Júlio Ferreira (Figura acima), provador profissional de café, é dono de uma assessoria em cafés especiais e conta “somos o controle de qualidade, cuidamos de um processo bem delicado na produção de cafés de alta qualidade: o pós-colheita, quando precisamos garantir que a qualidade que a planta nos entregou seja mantida.

Nosso trabalho é garantir a atenção a detalhes como ponto de maturação, espessura da massa no terreiro, temperatura dos secadores e muitos outros processos que às vezes passam despercebidos para os produtores, mas que são essenciais para garantir qualidade.

Related posts

[Davi Moscardini] – Ureia complexada no cafezal: O que existe de concreto sobre esta prática?

[Arnaldo Luiz Corrêa] – Mercado do Açúcar – 15 a 19 de Outubro 2018

Revista Attalea Agronegócios

Coffee of The Year 2019: Inscrições vão até 18 de outubro

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário