Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Bovinos de Corte Bovinos de Leite Tecnologia

IATF gera ganhos que superam R$ 3,5 bilhões nas cadeias de produção de carne e de leite

Cada R$1,00 investido na tecnologia gera retorno de R$4,50; Mercado conta com 3.800 especialistas no campo.

Segundo estimativas do Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP), o número de inseminações artificiais em tempo fixo (IATF) atingiu 13,3 milhões de procedimentos em 2018.

Atualmente, a IATF – Inseminação Artificial em Tempo Fixo responde por 86,3% das inseminações realizadas no Brasil (15,4 milhões de doses de sêmen comercializadas; INDEX ASBIA 2018 ajustado para 100% do mercado), ganhando cada vez mais espaço no mercado de genética e reprodução animal. A base de cálculo para estimar a quantidade de IATFs realizadas no Brasil leva em consideração o número de protocolos comercializados (informação disponibilizada pelas empresas do setor) e o número de doses de sêmen comercializadas (divulgado pela Associação Brasileira de Inseminação Artificial – ASBIA).

Os levantamentos realizados apontam que a utilização dessa tecnologia nas fazendas brasileiras cresceu 130 vezes nos últimos 16 anos. Esse forte avanço indica que os investimentos aplicados em pesquisa e desenvolvimento (P&D) levaram em consideração as reais necessidades do setor, com resultados positivos para a pecuária de corte e de leite.

Em 2002, no início da coleta de dados sobre o mercado da IATF, apenas 6% das matrizes do rebanho nacional eram inseminadas e, consequentemente, havia limitado avanço genético. Na atualidade, o percentual de matrizes inseminadas mais que dobrou, passando em 2018 para 13,1% do total de matrizes do rebanho nacional.

Esse aumento ocorreu principalmente devido ao emprego dos protocolos em tempo fixo, que apresentam elevada eficiência e facilitam a disseminação da inseminação artificial. Com isso, ocorreu nesses últimos anos significativo melhoramento genético e produtivo do rebanho nacional, com consideráveis ganhos econômicos, os quais serão discutidos a seguir. Essas informações são indicativos evidentes de que a IATF se consolidou como tecnologia de resultados no mercado brasileiro de genética e reprodução animal.

BASE DE CÁLCULO PARA ESTIMATIVA DO GANHO PRODUTIVO E ECONÔMICO A IATF

Os cálculos são realizados levando em consideração estudos que comparam a produtividade dos rebanhos que utilizam a monta natural (que ainda representa 87% do sistema de produção de bezerros no Brasil) com rebanhos que utilizam a IATF.

Do total de 72,5 milhões de fêmeas bovinas em idade reprodutiva presentes no rebanho brasileiro (vacas e novilhas; ANUALPEC, 2018), 13,1% são inseminadas artificialmente, sendo 86,3% das inseminações realizadas em tempo fixo (13,3 milhões de IATF). Das fêmeas inseminadas por IATF, calcula-se que 10,2 milhões (77,6%) são fêmeas de corte e 3,1 milhões (22,4%) são fêmeas de aptidão leiteira.

Esses números revelam que houve o uso de 95% de IATF nas matrizes de corte e de 65% nas matrizes de leite inseminadas (considerando o total de sêmen comercializado para esses setores). O percentual em rebanhos leiteiros é menor, pois, como as matrizes de leite são manejadas todos os dias, há maior facilidade para detecção de cio, favorecendo o maior uso da inseminação convencional. As dificuldades de detecção de cio são mais evidentes em rebanhos de corte devido ao manejo a pasto dos animais.

Na cadeia de produção de carne e leite, estima-se que a IATF gere aproximadamente R$ 3,5 bilhões de valor ao ano (ver detalhes na Figura 1). Esses ganhos são relacionados ao aumento da produtividade devido à melhora da eficiência reprodutiva (mais bezerros produzidos por matriz e redução do intervalo entre partos) e do ganho genético (nascimento de bezerros geneticamente superiores que produzem mais carne e leite), quando comparado ao sistema que utiliza a monta natural.

Em rebanhos de corte, parte do ganho financeiro gerado pelo emprego da IATF explica-se pelo aumento da quantidade de bezerros produzidos e pela qualidade genética destes produtos. Considerando-se que a IATF é empregada em 10,2 milhões de matrizes de corte, gerando aumento de 8% na produção de bezerros, há produção extra de 816.000 bezerros por ano, o que representa uma renda adicional de R$ 979 milhões (considerando o preço do bezerro R$ 1.200,00).

Além disso, é sabido que pela antecipação do parto e pelo ganho genético, há um ganho médio de 20 kg no peso ao desmame por bezerro produzido por IATF. Assim, se for considerada uma taxa de desmama de 42% (42 bezerros desmamados para cada 100 vacas submetidas à IATF), seriam produzidos 4,3 milhões de bezerros desmamados com 20 kg a mais que os bezerros convencionais, ou seja, um ganho extra de quase R$ 514 milhões (considerando preço do kg vivo do bezerro a R$ 6,00).

Além disso, bezerros provenientes de IATF apresentam ganho adicional de uma arroba do desmame ao abate, totalizando mais R$ 629 milhões (~ 4 milhões de animais abatidos x R$ 150,00 por arroba) de renda extra. Dessa forma, a IATF gera para a cadeia produtiva de bovinos de corte um impacto de R$ 2,1 bilhões a mais por ano.

Em rebanhos de leite, estudos demonstraram redução de 1 mês no intervalo entre partos (IEP) em programas reprodutivos que utilizam IATF, quando comparado aos sistemas que empregam a detecção do cio para inseminação artificial ou a monta natural. A redução de 1 mês no IEP do rebanho aumenta 10% a produção anual de leite da propriedade.

Com o emprego de 3,1 milhões de IATFs nas vacas de leite com produção de 3.000 litros por lactação, estima-se incremento de 917 milhões de litros/ano, com faturamento adicional de R$ 1,3 bilhões na cadeia de produção. Ainda, a IATF gera a produção de 917 mil bezerros (30% de desmama por IATF), que geram 390 mil fêmeas de reposição (50% de fêmea com 15% mortalidade/descarte).

Estimando o ganho genético de 350 litros por lactação, adiciona-se ao sistema 136 milhões de litros com faturamento de R$ 189 milhões por ano (R$ 1,39 por litro; média CEPEA/USP por litro comercializado em 2018). Com isso, a IATF gera R$ 1,5 bilhão de ganho para a cadeia produtiva do leite.

Além dos benefícios para a produtividade, há o impacto econômico direto. Com base nos dados de 2018, calcula-se que a IATF movimentou R$ 796 milhões para a sua execução no Brasil. As empresas de venda de sêmen e fármacos arrecadam 66,6% desse montante, tomando como base de cálculo 13,3 milhões de IATFs e considerando o preço médio de R$ 20 para os fármacos de sincronização e de R$ 20 para as doses de sêmen.

A prestação de serviço médico veterinário responde pelos outros 33,3% do faturamento, totalizando R$ 265,2 milhões, considerando o custo de mão-de-obra de R$ 20 por animal sincronizado para IATF. Ainda, estima-se que 3.788 veterinários especialistas em reprodução animal prestem serviços nesse mercado (média de 3.500 IATF por veterinário).

Analisando esses dados é possível estimar que cada R$ 1,00 investido na tecnologia de IATF gera R$ 4,50 de retorno para a cadeia de produção de carne e de leite no Brasil.

FONTE: Prof. Pietro S. Baruselli – Universidade de São Paulo (USP)
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ)

Related posts

Nova Plataforma InCeres traz mais soluções para Agricultura de Precisão

11ª INTERCONF reúne mais de 1.200 pessoas em Goiânia (GO)

Revista Attalea Agronegócios

Infravermelho identifica com precisão e rapidez a qualidade da manga do Vale do São Francisco

Deixe um comentário