fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Bovinos de Leite

[Glayk Humberto Vilela e Vânia Mirele Carrijo] – Efeito do estresse térmico na produtividade de vacas leiteiras

GLAYK HUMBERTO VILELA BARBOSA
Zootecnista, B.Sc Mestre em Produção Animal Sustentável pelo IZ – Instituto de Zootecnia.

Jurado Efetivo de Raças Zebuínas e Assessor de Pecuária Leiteira.
E-Mail: glaykhumbertovilela@yahoo.com.br

VÂNIA MIRELE FERREIRA CARRIJO
Médica Veterinária, B.Sc Mestre Produção Animal Sustentável pelo IZ – Instituto de Zootecnia.

Docente do Centro “Paula Souza”. Atua na área de sanidade, escrituração
zootécnica e biotecnologia da reprodução.

As características climáticas representam um dos fatores que podem ser considerados limitantes para produtividade leiteira. A associação entre elevadas temperaturas, alta umidade do ar e radiação solar pode acarretar alterações comportamentais e fisiológicas em diferentes espécies leiteiras.

Efeitos do ambiente como modificadores da condição fisiológica das vacas leiteiras, que resultarão em baixos índices produtivos, pois com o aumento dos parâmetros fisiológicos há diminuição da ingestão de alimentos e consequentemente, redução na produção de leite, baixas taxas de concepção e atraso no crescimento de animais de reposição, ocasionando perdas econômicas significativas para o produtor.

A produção animal vem sendo uma constante preocupação e motivo de atenção e esforços de vários pesquisadores, que buscam incessantemente através de estudos nas diversas áreas do conhecimento cientifico, responder dúvidas e encontrar alternativas que buscam o rendimento produtivo dos animais.

O sucesso na produtividade é atingido com qualidade e em quantidade atendendo a demanda dos consumidores, com isso, diversos fatores devem ser considerados. Dentre eles, cita-se a adaptabilidade das diversas raças de animais leiteiros as condições regionais.

Animais quando adaptados a determinados ambientes, respondem positivamente a produtividade, no entanto quando ocorre variação de temperatura nesse ambiente os animais ativam seu sistema termorregulatório para manter seu conforto térmico.

Mesmo sendo o sistema natural de controle de temperatura corporal, a termo regulação ocasiona um esforço extra no animal e desta forma ocasiona uma alteração na sua produtividade.

Quando ocorre essa variação de temperatura tanto calor como frio, os animais priorizam a manutenção da homeotermia e dessa forma a produção de leite e a reprodução são as primeiras funções a serem prejudicadas pelo estresse térmico, um dos primeiros sinais visíveis desse estresse é o aumento da frequência respiratória para promover a perda de calor por meio de evaporação.

Para que o ambiente seja considerado confortável o animal deve se encontrar em equilíbrio térmico, ou seja, quando o calor produzido é perdido para o ambiente sem causar prejuízos a homeostase do animal.

O conforto ambiental é afetado pelo estresse térmico e possui influência direta dos elementos do clima como o vento, a chuva, a umidade relativa do ar, radiação solar e temperatura. E as diferentes intensidades destes elementos aplicados sobre os animais definindo a produção animal.

Conforme ocorrem variações nas condições de genética, nutrição e ambiência ocorrem alterações na dinâmica da produção leiteira. Sendo a nutrição um fator de extrema importância, pois o animal transforma o alimento em produto de interesse humano. Dessa forma, o entendimento da inter-relação dos elementos do clima com os fatores genéticos, nutricionais e fisiológicos, faz com que a produtividade animal possa ser ampliada.

Cerca de dois terços do território nacional está situado na faixa tropical do planeta, onde predomina elevada temperatura e radiação solar, podendo ultrapassar a zona de conforto dos animais, levando ao estresse térmico, e consequentemente afetando a produção e a qualidade do leite, principalmente em vacas de alta produção, devido a serem mais sensíveis ao calor e terem maior dificuldade em dissipá-lo.

O estresse calórico é um típico problema encontrado no manejo de vacas leiteiras nos trópicos e sub trópicos, causando reduções na produção e mudanças na composição físico-química do leite, redução na ingestão de alimentos e aumento na ingestão de água, a perda de produção de leite devido ao aumento de temperatura depende de fatores como a umidade relativa do ar, velocidade do vento, nutrição e outros fatores relacionados ao manejo.

As temperaturas críticas superiores e inferiores, delimitam a faixa de termo neutralidade para animais, pois o conforto térmico depende também da umidade relativa do ar, da capacidade adaptativa do animal, do metabolismo e do período produtivo.

Em relação à tolerância ao calor existe diferença genética, pois animais Bos indicus são mais termotolerantes do que animais Bos taurus, em virtude da maior capacidade de transpiração e menor taxa metabólica. O estresse calórico pode resultar em um decréscimo de 17% na produção de leite de vacas de 15 kg de leite/dia e de 22% em vacas de 40 kg de leite dia.

Além da redução no consumo de alimentos, as respostas das vacas em lactação ao estresse térmico incluem a redução na produção e porcentagem de gordura no leite, redução no consumo de forragem como porcentagem do total de alimento, aumento das necessidades de manutenção, diminuição da atividade, especialmente durante o dia e aumento da frequência respiratória e hipertermia.

A melhor condição de conforto térmico proporcionada por sombra natural, não diz respeito apenas à presença de árvores nos piquetes de criação bovina, mas sim à utilização de sombrites artificiais, que proporcionam uma melhor condição de conforto aos bovinos do que a presença de árvores com distribuição isolada nas pastagens.

Assim, o objetivo desse artigo foi abordar os principais impactos relacionados ao estresse térmico na produção de leite e alguns fatores que podem ser utilizados para minimizar essas condições. Para controlar os efeitos do estresse térmico o produtor pode fazer uso de algumas estratégias de manejo ambiental, nutricional e sistema de resfriamento.

O uso de alguns métodos como o sombreamento natural e artificial, dieta com menor incremento calórico, e uso de sistemas como ventilador, aspersor e painel evaporativo podem se mostrar eficientes para animais que estão submetidos ao calor.

Desde modo, conclui-se que o estresse térmico causa vários problemas aos rebanhos leiteiros e quando identificado, podemos controlar seus efeitos e minimizar as perdas econômicas.

Vários métodos para controlar o efeito do estresse térmico se mostraram eficientes, porém a escolha do método adequado depende do seu custo benefício e das características especificas.

Related posts

Em Minas, Tereza Cristina dá início à campanha nacional de vacinação contra febre aftosa

Revista Attalea Agronegócios

ASBIA contrata gestor executivo para ampliar projetos de fomento da inseminação artificial no Brasil

Produção leiteira da CAPAL tem média quatro vezes maior que a nacional

Deixe um comentário