fbpx
Revista Attalea Agronegócios
NOTÍCIAS

Emirados Árabes foram os principais importadores de ovos brasileiros no primeiro bimestre de 2021

Os ovos brasileiros têm conquistado cada vez mais a mesa internacional. No primeiro bimestre, de acordo com dados divulgados pela Secex, foram exportadas 5 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 11,16 milhões. O Oriente Médio foi responsável por 27,86% das vendas para o exterior, totalizando em US$ 3,11 milhões. Os Emirados Árabes importaram 1.200 mil toneladas do produto, gerando US$ 2,70 milhões de receita para o Brasil, seguido por Omã US$ 309 mil e Arábia Saudita US$ 60,4 mil.

“Os Emirados Árabes deram um salto significativo este ano em importação dos ovos do Brasil. Praticamente, triplicaram sua participação nos primeiros dois meses deste ano. Durante todo o ano 2020, foi responsável por 8% das importações de ovos do Oriente Médio. Este ano, foram 24%. O Oriente Médio é um mercado ávido por mercadorias brasileiras de boa qualidade. E o ovo, como o frango, que tiver a certificação halal, que significa lícito para o consumo árabe muçulmano, abre mais oportunidades de negócios nestes países, porque atesta a segurança do alimento em toda a cadeia produtiva”, conta o gerente de Relações Internacionais da Cdial Halal, Omar Chahine.

Ovos da Katayama Alimentos com Certificação Halal conquista mercado árabe – Desde 1942 no mercado, em Guararapes (SP), a Katayama Alimentos produz tanto ovos de galinhas como de codornas. Com um plantel composto de 4 milhões de galinhas (entre recria e postura) e 250 mil codornas, a Katayama Alimentos produz em torno de 1 bilhão de ovos por ano para abastecer o mercado interno, como: São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Mato Grosso e o internacional, principalmente, os países árabes. “Nossos principais importadores pertencem ao Oriente Médio – Emirados Árabes Unidos, além de Bangladesh. Mas para exportar para estes países, onde a maioria são muçulmanos, adquirimos a Certificação Halal para atender às normas da jurisprudência islâmica. Temos a honra de sermos uma das poucas indústrias no setor a obter esta certificação e estarmos aptos a atender a uma população que cresce a cada ano. Nossa expectativa é exportar 10% de nossa produção, sendo 20% para os Emirados Árabes”, ressalta o diretor Comercial da Katayama Alimentos, Gilson Katayama.

Mercado Muçulmano

Atualmente, o mercado muçulmano é composto por cerca de 1.8 bilhão das pessoas do mundo e a previsão é que essa parte da população alcance 3 bilhões até 2030. Dentre os países que mais possuem muçulmanos estão Indonésia, Malásia, Paquistão, Índia, Egito, Turquia entre outros localizados no continente asiático. Investir neste mercado tem sido extremamente rentável. Conforme dados do State of the Global Islamic Economy Report (Relatório Global da Economia Isâmica), os gastos com produtos halal no mundo (comida, fármaco, cosmética, lifestyle e outros) podem chegar a simples cifras de US$ 3,2 trilhões em 2024.

A Cdial Halal – uma das maiores e importantes certificadoras halal do Brasil. É única certificadora da América Latina acreditados pelos principais órgãos oficiais dos Emirados Árabes (EIAC) e do Golfo (GAC), o que confere seriedade e competência nos segmentos que atua.

FONTE: LN Comunicação – Jéssica Alves – assessoriadeimprensa@lncomunicacao.com.br

Related posts

Startup aposta em inovações para os testes de eficácia agronômica de defensivos agrícolas

Revista Attalea Agronegócios

Profissionais e autoridades acadêmicas debatem novas soluções e manejos em nutrição e fisiologia de plantas

Revista Attalea Agronegócios

Congresso Brasileiro de Direito do Agronegócio: NWF avalia a adoção de práticas sustentáveis

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário