fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café

Preparo do solo é fundamental para o cafezal produzir mais e melhor

O café é uma cultura perene e que pode ser explorada no mesmo local por muitos anos. Exatamente por isso é fundamental que as plantas estejam em uma área que favoreça seu desenvolvimento e um solo bem preparado em sua implantação é parte fundamental para o sucesso do cultivo. Conforme explica Douglas Fahl Vitor, coordenador técnico de APP (Agricultura de Precisão) da Piccin Tecnologia Agrícola de São Carlos (SP), esse preparo deve ser realizado na formação de novas áreas ou então na renovação dos cafezais.

Considerando os aspectos relacionados ao manejo e conservação do solo, o processo de implantação do cafezal começa segundo o profissional pela escolha da área, analisando aspectos como o tipo de solo e topografia. “Após isso, deve ser feita a limpeza da área, destacando que é necessário realizar os levantamentos topográficos, análise de compactação e da fertilidade desse local. Com base nessas informações é possível identificar as características de cada área e realizar o planejamento da operação de preparo de solo”, detalha Fahl.

COMO FAZER O PREPARO

A operação é realizada normalmente com a utilização de subsoladores, como os que a Piccin possui em seu portfólio, para descompactar as camadas de solo mais profundas. “Exatamente pelo café ser uma cultura perene, e que as raízes penetram com bastante profundidade, é muito importante retirar qualquer camada de solo compactado, facilitando o crescimento e desenvolvimento do sistema radicular do café.  E desta maneira melhorando a absorção de nutrientes e água pela planta em sua faze produtiva”, afirma Fahl.

Em sequência o cafeicultor deve utilizar uma grade aradora, a fim de reduzir o tamanho dos torrões e também realizar a incorporação e homogeneização do calcário no solo. “Por fim utiliza-se uma grade niveladora com a finalidade de realizar o “acabamento” da área para que possa ser iniciado o plantio”, completa o coordenador. É importante salientar também que o número e profundidade das operações de subsolagem, gradagem e nivelamento serão definidos com base nas características e resultados dos levantamentos e análises realizadas na propriedade.

Ainda antes do plantio das mudas, o recomendado é que seja realizada a operação de sulcamento juntamente com a aplicação de calcário complementar, material orgânico e fertilizantes diretamente no sulco. Outros aspectos também devem ser considerados pelos produtores e impactam as decisões no momento da implantação do cafezal, como temperatura, precipitação, altitude, ventos, clima, cultivares, qualidade das mudas e o planejamento das linhas de plantio de modo a otimizar as operações de maquinário que ocorrerão por todo o ciclo do cultivo. O produtor deve atentar-se durante o manejo do solo quanto a preservação do mesmo, é necessário que em áreas com declividade mais acentuada sejam adotadas práticas de conservação a fim de evitar a ocorrência de erosões.

EQUIPAMENTOS RECOMENDADOS

Quando falamos em produtores de café exclusivamente, em sua maioria eles possuem tratores de 70 a 80 cv de potência, entretanto existem alguns que além da cafeicultura também possuem culturas anuais na propriedade. Nesses casos eles têm tratores maiores, que são direcionados para o preparo de solo em áreas que serão cultivadas o café. Por isso, é importante também estar atento na hora da escolha dos equipamentos para a realização do preparo de solo.

O coordenador da Piccin destaca os implementos da linha da empresa que são voltados para o uso na cultura. Um deles é o subsolador SP 5/5 com cinco hastes, utilizado para a subsolagem a uma profundidade máxima de 450mm. Ele possui estrutura reforçada e é equipado com rodas para a regulagem de profundidade e fusíveis de segurança nas hastes. “Existem outras variações de quantidade de hastes que atendem tratores de outras potências e também modelos de subsoladores com o sistema de desarme automático ação direta”, conta.

Também pode ser utilizada no preparo do solo a GAICR, Grade Aradora Intermediária Controle Remoto. O equipamento possui sistema de controle remoto para transporte, facilitando assim as manobras. Além da grade niveladora destorroadora GNDL, dotada de estrutura altamente resistente e sistema de transporte de arrasto. Utilizada para o destorroamento, nivelamento e incorporação do solo. O profissional explica que esses modelos de grades apresentam uma variação de composição quanto a número de discos e diâmetro dos discos e a escolha da composição ideal para ele é realizada conforme potência do trator que ele utilizará para realizar a operação de preparo do solo.

FONTE: Kassiana Bonissoni – RURALPRESS
kassiana.ruralpress@gmail.com
(19) 98320-0286

Related posts

Gestão e boas práticas na colheita são fundamentais para mais lucratividade

Revista Attalea Agronegócios

CNC celebra manutenção do formato original no CDPC

1ª ALTA CAFÉ: Organizadores reúne expositores para últimas tratativas.

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário