fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Hortaliças

Por que devemos repensar a Batata para um uso sustentável de recursos

Devemos mudar a forma como lidamos com nossos recursos. Uma população que cresce rapidamente, o aumento da demanda por produtos e a ameaça das mudanças climáticas trazem riscos para a cadeia de suprimento de alimentos, e novas abordagens devem ser consideradas para possibilitar um futuro sustentável.

Talvez muitas vezes esquecido durante a crise alimentar, a batata há muito tempo é popular nas dietas ocidentalizadas e agora está ganhando destaque em novos mercados emergentes. A crescente demanda é boa para produtores e processadores, mas esse aumento de consumidores é viável e estável com o atual estado global?

Uma demanda crescente

Participando em grande parte da dieta da sociedade nos últimos 400 anos, a popularidade da batata não mostra sinais de desaceleração. De acordo com os números mais recentes, estima-se que 388.191.000 toneladas de batatas sejam produzidas anualmente, com China e Índia combinadas representando um terço de todas as batatas colhidas. O valor total dos produtos é próximo a US $100 bilhões.

No entanto, essa tendência atual mostra como o mercado de batata mudou nos últimos anos. No início dos anos 90, a maioria das batatas era cultivada e consumida nos mercados europeu e norte-americano. Desde então, houve um grande aumento na produção em mercados como América do Sul, África e Ásia.

Os mercados emergentes estão reposicionando a batata como uma alternativa ao arroz e trigo, graças ao seu valor nutricional e cultivo mais sustentável – a China, em particular, está fazendo isso para ajudar a alimentar a maior população do mundo devido às pressões de se cultivar com menos água. Estudos sugerem que o cultivo de batatas requer 30% menos água que o arroz e também gera um rendimento maior por hectare.

A variedade de usos da batata também contribuiu para o seu aumento de popularidade – especialmente produtos processados ​​de batata. Os diferentes tipos de batatas e batatas fritas congeladas estão cada vez mais sendo consumidos, em torno de 15-20% da colheita total, apenas na China, está sendo usada para produtos processados ​​de batata; um número que está aumentando ano a ano.

Uma população cada vez maior, em conjunto com mudanças nas dietas nos mercados em desenvolvimento, também alimentou o aumento da demanda por batatas na última década.

Produção problemática que afeta os rendimentos

Embora o aumento da demanda seja um sinal positivo para a indústria, também podem existir desafios em termos de garantir a disponibilidade de colheitas.

A mudança climática é uma enorme preocupação global, afetando todas as indústrias e setores, e representa uma ameaça maciça à qualidade e ao rendimento geral da batata. A imprevisibilidade das condições climáticas pode afetar como, onde e quando as culturas podem ser cultivadas, devido às mudanças causadas na terra e no clima. Numa época em que os rendimentos otimizados são essenciais para atender à demanda, precisamos ser mais reativos no campo para encontrar novas maneiras de gerenciar a produção em um ambiente desestabilizado.

Um exemplo recente de onde as mudanças climáticas afetaram o rendimento da batata foi durante o verão de 2018, quando grandes secas atingiram a Europa. A produção de batata na Holanda, Bélgica, França e Reino Unido caiu devido ao calor extraordinariamente extremo e à falta de chuva, com a colheita caindo cerca de 30% em média.

No entanto, por outro lado, outros mercados têm visto colheitas abundantes nos últimos tempos que não conseguiram lidar com a enorme quantidade de produtos. Em 2017, a maior região de produção de batata da Índia viu uma colheita tão grande que os produtores e agricultores não conseguiram lidar com a colheita, deixando grandes quantidades desperdiçadas devido à infraestrutura limitada.

Nos dois casos, deve haver uma mudança no comportamento da cadeia de suprimentos para lidar com possíveis circunstâncias e otimizar os rendimentos o máximo possível. Soluções dinâmicas baseadas em tecnologia devem ser implementadas para garantir que qualquer colheita seja cultivada da maneira mais sustentável possível, para atender  à crescente demanda por batatas de uma população cada vez maior.

Atendendo aos requisitos do cliente

Os consumidores são os maiores impulsionadores da mudança em todos os setores e indústrias – e a indústria da batata não é exceção. Sempre haverá necessidade de produtos de alta qualidade, mas uma mudança nas tendências, comportamento e preferências do consumidor está ajudando a cadeia de suprimentos do setor a reavaliar seu processo de produção, que deve se tornar mais flexível e ágil para atender às características desejadas pelo cliente.

Usemos a batata frita como exemplo. As marcas têm requisitos rigorosos sobre as batatas a serem usadas, baseado no entendimento de consumo dos seus clientes. Para batatas fritas, elas devem ser redondas ou ovais, não ter mais de 75 mm de comprimento e ter menos de um quarto de matéria seca para fazer com que a batata pareça mais atraente para o cliente.

Para garantir que não haja um produto final escuro, uma vez frito, o que pode ser indesejável para o consumidor, deve haver um teor de açúcar reduzido de 0,25%.

A resposta para atender a esses requisitos é através da tecnologia. Ao adotar máquinas inovadoras de classificação de batatas que utilizam tecnologia óptica, áreas como toxinas, defeitos e tamanho geral do produto podem ser detectadas no início da cadeia de suprimentos e permitir que o cliente obtenha o tipo de batata desejado. Isso, por sua vez, ajuda a reduzir a pressão sobre os produtores, pois eles podem otimizar os rendimentos e oferecer alta qualidade, aproveitando o poder dos sistemas de classificação.

Combate ao desperdício através de classificação e reaproveitamento eficientes

Na produção de batata, a sustentabilidade é fundamental. Para proteger os recursos, precisamos garantir que os rendimentos sejam otimizados e o desperdício seja reduzido o máximo possível.

As máquinas de classificação de batata se tornam parte integrante da cadeia de suprimentos para suprir  principalmente às demandas, expectativas e exigências dos clientes, e por sua vez permitem que qualquer produto defeituoso em potencial seja reaproveitado. Especialmente nos produtos processados ​​de batata, os quais o mercado sempre está lançando novos produtos, é possível encontrar usos alternativos para uma batata que não é classificada como perfeita. As tecnologias de classificação, como o infravermelho próximo (NIR), podem ajudar a cadeia de suprimentos a selecionar batatas específicas para certos usos em qualquer estágio, com base na adequação do processo.

Em um exemplo de trabalho, uma batata pode ser classificada pela máquina de triagem e considerada inadequada para uso como batata frita devido a um defeito. Isso não significa que ele precise ser totalmente removido da cadeia de suprimentos, mas um objetivo alternativo pode ser encontrado.

Depois que o defeito é removido, a batata pode ser “reduzida” de seu uso como batata frita para, se a qualidade permitir, um produto de batata de cor marrom para crianças ou novidade. Qualquer batata que já foi classificada como não adequada agora pode ser usada para apoiar os resultados finais de um produtor, que não apenas reduzem a perda de alimentos, mas também melhoram a sustentabilidade da cadeia de suprimentos.

Na TOMRA, nossas inovadoras máquinas de classificação de batatas são projetadas para tirar o máximo proveito de uma colheita e garantir a remoção de descoloração, defeitos, contusões e podridão. Nossas soluções de classificação podem classificar por defeitos, características biológicas, forma e tamanho, estrutura, cor, densidade e materiais estranhos, para ajudar os produtores a aumentar o rendimento e a qualidade da produção para os clientes.

Uma nova era na produção sustentável de batata

O planeta está enfrentando desafios. A crescente população e as mudanças climáticas colocarão questões sobre como crescemos, produzimos e processamos recursos – e a indústria da batata não é exceção a isso.

Com um aumento global na demanda, a produção de batata deve se adaptar para maximizar seu valor, otimizar rendimentos e aumentar a qualidade dos produtos através do uso de soluções tecnológicas.

Sobre a TOMRA Food

A TOMRA Food projeta e fabrica máquinas de classificação baseadas em sensores e soluções pós-colheita integradas para a indústria alimentícia, utilizando a mais avançada tecnologia de classificação, descascamento e análise do mundo. Mais de 8.000 unidades estão instaladas em produtores de alimentos, empacotadores e processadores ao redor do mundo, nos segmentos de frutas, nozes, vegetais, produtos de batata, grãos e sementes, frutas secas, carne e frutos do mar. A missão da empresa é permitir que seus clientes melhorem os retornos financeiros, obtenham eficiências operacionais e garantam o fornecimento seguro de alimentos por meio de tecnologias inteligentes. Para isso, a TOMRA Food opera centros de excelência, escritórios regionais e locais de fabricação nos Estados Unidos, Europa, América do Sul, Ásia, África e Australásia.

A TOMRA Food é membro do Grupo TOMRA, fundado em 1972, que começou com o projeto, fabricação e venda de máquinas de venda reversa (RVMs) para coleta automatizada de embalagens de bebidas usadas. Hoje, a TOMRA fornece soluções lideradas por tecnologias que permitem a economia circular com sistemas avançados de coleta e classificação que otimizam a recuperação de recursos e minimizam o desperdício nas indústrias de alimentos, reciclagem e mineração.

A TOMRA tem cerca de 100.000 instalações em mais de 80 mercados em todo o mundo, com uma receita total de aproximadamente 8.6 bilhões de NOK em 2018. O Grupo emprega em torno de 4.000 pessoas globalmente e é listado publicamente na Bolsa de Valores de Oslo (OSE: TOM).

Para mais informações sobre a TOMRA, acesse www.tomra.com

 

FONTE: João Medeiros – ALARCÓN & HARRIS
joao.medeiros@tomra.com

Related posts

[José Luiz Tejon Megido] – Saúde Vegetal é uma boa alternativa para a produção de hortifruticultura

Revista Attalea Agronegócios

[Ricardo Gomes da Silva] – Um início de ano difícil para o HF

Revista Attalea Agronegócios

Uso do Lithothamnium no cultivo do tomate traz benefícios ao produtor e à indústria

Deixe um comentário