Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Café

Olinto Café promove Roda do Café com cafeicultores do Sul de Minas e da Alta Mogiana

A primeira e principal cafeteria de Franca (SP), a Olinto Café, promoverá no próximo sábado mais uma Roda do Café. Será um bate-papo com cafeicultores do Sul de Minas, mostrando a sua cultura, métodos de preparo e promovendo uma degustação de cafés especiais, com grãos selecionados. Uma experiência gastronômica única.

“Participe. Venha conhecer alguns grãos e tenha uma vivência diferente com a degustações de cafés especiais, métodos de preparo e harmonização”, explicou José Tadeu, diretor da Olinto Café. O evento acontecerá neste sábado (09/02), na Olinto Café do centro da cidade (Loja 1 – R. Monsenhor Rosa, 1396).

A proposta de organizar esta Roda do Café foi da jornalista Valéria Vilela, profissional que faz a assessoria de imprensa do grupo de cafeicultores do Sul de Minas. Valéria também é filha de cafeicultores e há 20 anos cobre o setor, acompanhando as lutas diárias para a sobrevivência dos pequenos produtores.

Os cinco cafeicultores envolvidos neste evento são pequenos produtores que resolveram industrializar os grãos dos lotes com maior teor doçura de suas lavouras. “A industrialização do café ajuda a melhorar a rentabilidade, principalmente na época que antecede a colheita”, explica Suzana Santos.

Já para Ivan Santana, da Fazenda Jangada, município de Cabo Verde (MG) foram os “cursos de prova” que o levaram a colocar seu café em pacotes de meio quilo para venda direta ao consumidor. Fábio Silva e a esposa Odenilza investiram em um torrador profissional, fizeram cursos e conseguiram um casal de amigos para a sociedade que está dando certo. “Fazemos o café e nossos sócios cuidam da venda, tem dado certo, estamos aprendendo”a, diz Fábio.

Para o cafeicultor Rogério Benassi, a industrialização foi a alternativa para ter um pouco de lucro. “Depois de fazer o curso Técnico em Cafeicultura, percebi que vender o café como commodity não pagava os custos de produção. Quando fazemos a degustação e mostramos como é produzido, acabamos conquistando o cliente final”, ressaltou Benassi.

Já para Dulce Franco, dentista que nunca deixou de ser cafeicultora, a produção de Cafés Vulcânicos trouxe inúmeras possibilidades de relacionamentos. “Após a aposentadoria, o café me trouxe mais amigos, cada Roda de Negócios é um novo círculo de amigos”, afirmou Dulce.

Valéria Vilela convida: “A degustação de cafés especiais em Franca (SP) será um aprendizado, onde os cafeicultores vão conhecer um pouco da rotina de trabalho de uma cafeteria e falar sobre o árduo, mas gratificante serviço nas lavouras mineiras”, disse.

Ainda integra o grupo Marisa Contreras, de Areado (MG), que há cinco anos reúne mulheres cafeicultoras para trocas de experiências e Ana Marta, do município de Jacuí (MG), que fez do café sua profissão e paixão.

Powered by Rock Convert

Related posts

A espécie de café perdido: A história do Coffea stenophylla

Etapa internacional do Cup of Excellence Brazil 2018 ocorrerá em Guaxupé (MG)

Vietnã em ritmo chinês

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário