fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
EMPRESAS

Heringer fecha unidades, demite funcionários e diretores renunciam.

A Fertilizantes Heringer, empresa brasileira no setor de fertilizantes que atua no mercado há mais de 50 anos, anunciou na quinta-feira (31/01) o fechamento de várias de suas unidades, entre fábricas e centros de distribuição no país, como parte de um plano de reestruturação para lidar com dívidas elevadas.

A decisão tomada vem depois de uma série de levantamentos onde a mesma não tem alcançado suas metas e necessidades financeiras de caixa. Conforme o relatório do terceiro trimestre do ano passado, a dívida estaria próximo a 3 bilhões de reais. Em sua estrutura há cerca de 3 mil funcionários em atividade em suas fábricas e escritórios regionais.

Estão entre as anunciadas para fechamento e desligamento total dos funcionários as unidades instaladas em Rio Verde (GO), Rondonópolis (MT), Paranaguá (PR), Rosário do Catete (SE), Dourados (MS), Três Corações e Uberaba (MG), Rio Grande (RS), e escritórios de LEM (BA) e Porto Alegre (RS).

A empresa tem capacidade para movimentar 6,2 milhões de toneladas de fertilizantes por ano, utilizados em diversos tipos de culturas, incluindo soja, milho, algodão, café e cana de açúcar.

MOTIVO

O motivo da ação imediata teria sido uma vitória, na justiça, de alguns credores, o que teria deixado a empresa sem viabilidade de manutenção de sua estrutura e por isso a decisão para reestruturação.

A empresa que iniciou seu trabalho com o fornecimento de fertilizantes para produtores de café perdeu cerca de 5% de suas ações ontem (31/01), no mercado. Ela tinha 16 fábricas, além de escritórios estrategicamente instalados. Ela tem capacidade de movimentar mais de 6 milhões de toneladas de fertilizantes por ano para atender as mais diversas culturas.

Em nota oficial a empresa confirmou o pedido de renúncia de seus cargos, os diretores Rodrigo Rezende (financeiro) e Pedro Augusto Ferreira (Suprimentos e Logística).

Related posts

Fertilizantes aumentam produtividade e melhoram qualidade do solo de produtor de Minas Gerais

Revista Attalea Agronegócios

Jacto comemora 70 anos em 2018

Revista Attalea Agronegócios

Baixa concentração de boro no solo afeta produtividade da lavoura

Deixe um comentário