fbpx
Revista Attalea Agronegócios
HortiFruti

Greening aumenta e atinge 19,02% das laranjeiras de SP e MG

Incidência é 4,8% superior à de 2018; cerca de 37,1 milhões de árvores no parque citrícola têm sintomas da doença.

O greening está presente em 19,02% das laranjeiras do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, o que corresponde a aproximadamente 37,1 milhões de árvores com sintomas da doença, segundo levantamento divulgado pelo Fundecitrus nesta quarta-feira (31/7). É o segundo ano consecutivo de crescimento: o índice é 4,8% maior do que o de 2018, estimado em 18,15%; em 2017 a incidência era de 16,73%.

Considerada a pior doença da citricultura na atualidade, o greening não tem cura e causa a diminuição dos frutos, que ficam amargos e caem precocemente, levando à significativa queda na produção.

De acordo com o gerente-geral do Fundecitrus, Juliano Ayres, o número indica tendência de crescimento. “O greening foi identificado pela primeira vez no Brasil, no interior de São Paulo, há 15 anos. Com o passar do tempo, a compreensão da doença por meio da pesquisa levou a medidas de controle efetivas que foram sendo incorporadas pelos citricultores. Isso tem permitido a manutenção da competitividade da citricultura brasileira, que é a maior produtora de laranja do mundo para suco”, comenta.

Para Ayres, o controle rígido deve continuar, dentro e fora das fazendas, para que o índice diminua nos próximos anos. “É importante frisar que atingimos um patamar alto e que precisamos, de fato, impedir essa tendência de crescimento da doença”, afirma. “Não estamos em uma situação confortável, por isso o Fundecitrus tem investido no suporte aos citricultores para a criação de convênios para realização conjunta do controle externo e para a adoção das novas tecnologias e das técnicas de manejo interno”, completa.

As regiões com maiores incidências de greening são Brotas (55,10%), Limeira (48,30%), Duartina (32,43%), Porto Ferreira (26,67%) e Matão (17,29%). O maior aumento da doença ocorreu em Limeira (SP) e foi de 42% (de 34,01% em 2018 para 48,30% em 2019). A doença cresceu também nas regiões de São José do Rio Preto (SP), Altinópolis (SP) e Bebedouro (SP), mas, com exceção de Altinópolis (SP), cujo aumento tem sido uma tendência, a incidência do greening nestas regiões está dentro da faixa observada nos últimos quatro anos. Em Avaré (SP), o índice é praticamente o mesmo do ano anterior. Pelo segundo ano consecutivo, a incidência diminuiu em Matão (SP), Votuporanga (SP) e Itapetininga (SP).

Pomares menores são os mais afetados

A incidência cresceu em pomares menores: propriedades com até 10 mil plantas apresentam 47,49% de árvores doentes e propriedades com 10,1 mil a 100 mil, 31,10% de árvores sintomáticas. Nas propriedades de 100,1 mil a 200 mil plantas a incidência caiu e está em 16,17%. Já nas propriedades com mais de 200 mil plantas a incidência é similar à de 2018, 10,23%.

Esse cenário é explicado pelo chamado “efeito de borda”, que se refere aos talhões localizados nos 100 primeiros metros a partir da divisa das propriedades: é neles que a maior parte dos psilídeos (inseto transmissor do greening) vindos de fora dos pomares comerciais se instala e, nas propriedades menores, a representatividade do número de plantas na borda em relação ao número total de plantas é maior. “É necessário intensificar as ações de transferência de tecnologia voltadas aos pequenos e médios produtores para ajudá-los no manejo da doença”, destaca Ayres.

Severidade dos sintomas e idade dos pomares

A incidência das árvores com severidade nos níveis 1 e 2, isto é, com até metade da copa tomada pelos sintomas, subiu e está em 11,70%, enquanto que a incidência de árvores com mais da metade da copa com sintomas (níveis 3 e 4) se manteve em torno de 7,3%, o que indica que a queda prematura de frutas por causa do greening poderá ser um pouco maior este ano na comparação com o ano anterior.

Nos pomares de 6 a 10 anos (19,21%) e acima de 10 anos (26,26%) a incidência de greening aumentou pelo terceiro ano consecutivo. Na faixa de 3 a 5 anos (6,50%), diminuiu. Na faixa de 0 a 2 anos (2,46%) a incidência é um pouco superior, porém está dentro da faixa de valores observada nos últimos quatro anos.

“Esses resultados indicam um maior rigor no controle do greening nos pomares jovens de até 5 anos [controle do psilídeo e eliminação de plantas doentes] e menor rigor na eliminação de plantas doentes nos pomares adultos, acima de 6 anos”, explica Renato Bassanezi, pesquisador do Fundecitrus.

“A interrupção da eliminação de plantas adultas com sintomas por uma parcela de citricultores não permite que a incidência da doença abaixe, e nos próximos anos, possivelmente, resultará no aumento da severidade dos sintomas, com agravamento das perdas de produção e qualidade de fruto e em maiores riscos na implantação de novos pomares”, alerta.

#unidoscontraogreening

Em 2018, o Fundecitrus lançou o programa integrado de combate ao greening #unidoscontraogreening, que tem como focos a transferência de conhecimento aos citricultores sobre as principais medidas de controle e a formação de equipes de controle externo, para atuação fora dos pomares comerciais, em áreas urbanas e rurais com plantas de murtas e de citros que não recebem o controle adequado do greening, locais onde o psilídeo se alimenta e se reproduz.

Em março, o Fundecitrus recebeu um prêmio durante a VI Conferência Internacional de Greening, realizada na Califórnia (Estados Unidos), pelas pesquisas desenvolvidas para o controle do greening, que servem de base para o atual manejo da doença no mundo. De todas as regiões em que o greening está presente, o cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro se destaca como o único que está conseguindo manter a doença abaixo dos 20%.

 

FONTE: Fundecitrus

Related posts

Nova linha de produção de adesivos atende mercado de hortifruti

Revista Attalea Agronegócios

Pesquisadores do PR desenvolvem feromônio sintético de importante praga do coqueiro

Revista Attalea Agronegócios

Topseed Premium lança 11 novas sementes para horticultura profissional na Hortitec

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário