Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Hortaliças Política Agrícola

Governo de SP isenta de ICMS hortaliças e frutas que passam por processamento mínimo

O governador do Estado de São Paulo João Doria, ao lado dos secretários Estaduais de Agricultura e Abastecimento – SAA, Gustavo Diniz Junqueira, e da Fazenda, Henrique Meirelles, assinou nesta terça-feira, 29 de janeiro, decreto que isenta de ICMS hortaliças e frutas que passam por processamento mínimo.

 “São menos 18% de impostos inúteis e inadequados. Infelizmente, ao longo dos anos, vários produtores foram penalizados exatamente porque estavam fazendo o correto, limpando, lavando e embalando os seus produtos, mas tendo que pagar mais impostos e fazendo com que os preços de frutas e verduras fossem mais caros nos supermercados”, declarou o governador.

Desde 1975, produtos hortifrúti in natura desfrutam do mencionado benefício fiscal. O conceito de minimamente processado, a que se refere o decreto, compreende aqueles produtos que após colhidos recebem tratamento de higienização, algum procedimento de descasque ou corte, bem como embalagem ou resfriamento.

A partir de 2015, o CONFAZ – Conselho Fazendário Federal autorizou os estados da federação a estenderem a isenção para os produtos hortifrúti minimamente processados. Em SP, até a assinatura do decreto, tal autorização não vigorava.

A situação provocou divergentes entendimentos dos órgãos fiscalizatórios nas diversas regiões produtoras paulistas o que, por vezes, resultou na aplicação de multas e discussões que impuseram entraves ao desenvolvimento econômico das cadeias produtivas de hortaliças e frutas.  

Com o compromisso de fomentar a renda do pequeno e médio empresário rural, no caso dos hortifrútis, grupo distribuído em mais de 50 mil propriedades rurais, a medida do Governador João Dória põe fim às várias interpretações da norma e consequentes sanções ao empreendedor agropecuário.

O decreto atende o pleito dos produtores e distribuidores que realizam operações dentro do Estado de São Paulo e recolhem o ICMS com alíquota de 18%, ou reduzida a 12% quando realizadas por fabricante ou atacadista. Já para as operações com outras unidades da Federação, o setor utilizava alíquotas de 7% (destinadas ao Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Espírito Santo) ou 12% (Sul, Sudeste, exceto Espírito Santo).  E 4%, no caso de mercadoria importada.

A isenção do ICMS se aplica às operações com hortifrútis detalhados nos itens I a VIII e X a XII do artigo 36, do Anexo I do Regulamento do ICMS, tais como abóbora, alface, batata, cebola, espinafre, peras, maçãs, entre outros. Esses produtos podem estar ralados, cortados, picados, fatiados, torneados, descascados ou desfolhados. Também é permitido que estejam lavados, higienizados, embalados ou resfriados, desde que não cozidos e não haja adição de quaisquer outros produtos que não os relacionados, mesmo que simplesmente para conservação.

Para o secretário Gustavo Junqueira, o decreto é coerente com a proposta do Governo Estadual para a classe produtora: “O poder público deve agir como indutor do desenvolvimento do setor privado. O decreto assinado hoje pelo Governador vai ao encontro da proposta de promover a agregação de valor para o aumento da receita do produtor rural. Ademais, lavar, picar ou apresentar o produto em uma embalagem bonita e atrativa para o consumidor, não transforma a fruta ou hortaliça em produto industrializado. Estamos consertando uma injustiça com o agricultor que tem espírito empreendedor e incentivando aqueles que não se preocupavam com a apresentação de seus produtos a fazê-lo e ganhar mais.”

O secretário da Fazenda e de Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, ressaltou a importância do produto minimamente processado e de manter os impostos onde eles ajudem a fomentar o setor. “Quanto mais higiênico, processado e prático for o fornecimento do produto para a população, melhor. Nós temos que fazer com que a arrecadação tributária, que é fundamental para manter os serviços básicos, também ajude no crescimento da área econômica e permita que aqueles que produzem possam trabalhar cada vez mais e de uma forma eficiente”.

O setor de hortaliças é o segmento que mais gera empregos diretos no setor primário. São até 25 pessoas por hectare, em trabalho fixo ou temporário, e cerca de 115 mil hectares de área cultivada em SP. Por sua vez, a fruticultura de mesa, excluída a produção de frutas para fins industriais, conta com cerca de 71 mil hectares de área plantada.

De acordo com dados da SAA o valor da produção agropecuária paulista em 2018 é de cerca de R$ 74 bilhões, desse total aproximadamente 15% representam receita proveniente da produção de frutas e hortaliças. A partir do decreto do Governador João Dória, a medida contribuirá para o desenvolvimento econômico do estado e a consequente criação de novos postos de trabalho e geração de renda.

Powered by Rock Convert

Related posts

Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores

BNDES lança novo Programa de composição de dívidas rurais

Revista Attalea Agronegócios

Instituto Biológico tem 292.350 doses de imunobiológico liberadas pelo MAPA

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário