Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Hortaliças

Estudo confirma benefícios da tecnologia Bt para cultura de Berinjela em Bangladesh

Sementes resistentes a insetos (Bt) também estão disponíveis no Brasil para variedades de soja, milho, algodão e cana.

Recente relatório divulgado pelo Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) revelou que a tecnologia Bt, que confere a plantas e grãos a característica de resistência a insetos, gerou um lucro adicional de R$ 21,5 bilhões aos agricultores brasileiros entre 2005 e 2018.

O levantamento feito em parceria com a consultoria Agroconsult, focado em soja, milho e algodão, revelou também que as sementes Bt permitem a otimização do uso de insumos, a facilitação do manejo e, consequentemente, o incremento da produção. A tecnologia que gerou tantos benefícios ao País está disponível em outras nações e, no caso específico de Bangladesh, para a cultura da Berinjela.

Também na nação asiática a inovação tem se mostrando vantajosa, como revela estudo publicado na revista científica PLOS One

Segundo a publicação, a variedade transgênica apresentou infestação mínima pela broca da berinjela (Leucinodes orbonalis), responsável por 86% das perdas das lavouras da versão original do alimento no país.

Um dos autores do estudo, Dr. M.Z.H. Prodhan, ressalta a importância da berinjela resistente a insetos em entrevista à Cornell Alliance for Science pois, segundo ele, “a broca não pode ser bem controlada, mesmo com pulverização constante de inseticidas. […] As plantas Bt, por outro lado, oferecem controle eficaz do inseto. Isso reduz a necessidade de pulverizações de inseticidas”. O mesmo efeito, a redução no uso de defensivos para insetos, foi observada no Brasil no manejo de variedades de soja, milho e algodão resistentes a insetos.

Para a diretora-executiva do CIB, Adriana Brondani, a tecnologia de resistência a insetos é uma parceira dos produtores e tem potencial para gerar os mesmos benefícios em outras culturas.

“O ataque de insetos é um fator limitante à produtividade de diversas variedades agrícolas. Poder contar a proteção oferecida pela biotecnologia reduz significativamente os danos causados por essas pragas e tende a otimizar o uso de outros métodos de controle.”

Ela lembra, inclusive, que nos próximos anos já poderemos avaliar o impacto dessa inovação na cultura da cana-de-açúcar, já que a primeira variedade Bt foi aprovada pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) em 2017 e foi para o campo no ano seguinte.

O estudo também conta com o apoio da Parceria de Melhoria de Berinjela da Ásia do Feed the Future, que recebeu uma doação de 4,8 milhões de dólares da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). O projeto busca promover a produtividade agrícola e a sustentabilidade entre os pequenos agricultores.

A berinjela Bt no Bangladesh

Por enquanto, a nação asiática é a única em que a variedade modificada do vegetal está disponível comercialmente. O governo local aprovou, em 2013, quatro tipos de berinjela Bt que foram distribuídos, pela primeira vez, a 20 agricultores no início de 2014. Isso tornou a nação pioneira no mundo em permitir o cultivo comercial de berinjelas geneticamente modificadas (GM). Desde então, a adoção vem crescendo e, atualmente, a tecnologia é cultivada por mais de 27 mil agricultores em todos os distritos do país.

Sobre o CIB

O Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), criado no Brasil em 2001, é uma organização não governamental, cuja missão é atuar na difusão de informações técnico-científicas sobre biotecnologia e suas aplicações. Na Internet, você pode nos conhecer melhor por meio do site www.cib.org.br e de nossos perfis no Facebook, no LinkedIn e no YouTube.

 

FONTE: Giovana Iniesta – Edelman
giovana.iniesta@edelman.com 

Related posts

Agristar do Brasil e Heinz Seed firmam parceria para comercialização de sementes de tomate indústria

Horticeres Sementes lança tomate com mais sabor

Revista Attalea Agronegócios

Polo Regional Centro Oeste realiza com sucesso curso “Manejo da Produção de Mudas de Hortaliças”

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário