Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
AgroQuímicos NOTÍCIAS

Dos 239 Agroquímicos registrados recentemente, apenas uma molécula é nova.

O Jornal O Globo publicou reportagem sobre o aumento do número de agroquímicos liberados recentemente no Brasil. Em 2019 foram registrados 239 agroquímicos, sendo APENAS UMA MOLÉCULA NOVA. O restante são genéricos, ou seja, são versões mais acessíveis de pesticidas já testados e já comercializados em larga escala no Brasil.

Sendo assim, é leviano afirmar que já são “239 novos agroquímicos” aprovados no Governo Jair Bolsonaro. 

ISSO NÃO É VERDADE!

Também é incorreto afirmar que os produtores vão utilizar mais substâncias no campo. Como resultado das liberações de genéricos, eventualmente, o que pode ocorrer é uma substituição de produtos.

No ano passado, foram 450 registros e desses, apenas duas novas moléculas foram registradas. Hoje, na fila para análise de novas moléculas no Brasil, são 33 novos ingredientes ativos. São 15 fungicidas, 10 herbicidas e 8 inseticidas aguardando análise.

Tal qual os medicamentos genéricos, tão populares e defendidos no Brasil, os defensivos agrícolas genéricos trazem diversos benefícios, especialmente para o produtor:

1) Qualidade

A lei foi baseada em legislações mais avançadas, que estabelecem que o medicamento genérico só deve chegar ao mercado depois de testes de bioequivalência.

2) Regulação sanitária

Os produtos só são liberados com regras que estabelecem a segurança do que é comercializado, o que é essencial no caso dos defensivos agrícolas.

3) Estímulo à concorrência

O surgimento dos genéricos movimenta o mercado e possibilita que as indústrias reduzam os preços, acarretando em melhor preço para o cidadão.

4) Ampliação do acesso

Com a possibilidade da redução de preços, mais agricultores podem ter acesso a produtos que até então eram muito caros, isto é, eram inacessíveis.

5) Desenvolvimento da indústria

Fabricantes de genéricos investem na pesquisa e no aperfeiçoamento de pesticidas, permitindo cada vez mais o acesso a produtos de alto custo.

Projeto de Lei 6299/02

Em um mercado tão grande, de tanta relevância e que impacta diretamente a vida de toda a população brasileira, observou-se que a modernização de uma lei é urgente. Assim, foi criado o projeto de lei 6299/02. Ele altera as normas da lei 7802/89, relativas especialmente ao registro de pesticidas.

 

FONTE: AgroSaber

Related posts

Oeste da Bahia abre mão de R$ 6,5 bilhões em favor da vegetação nativa da reserva legal

Secretaria da Agricultura MG inicia credenciamento de consultores para o Certifica Minas

Produtores podem contratar seguro agrícola na Rede AgroServices

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário