Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
GRÃOS

Amaranthus palmeri resistente ao glifosato detectado na Argentina

Pela primeira vez se tem relatos de Amaranthus palmeri apresentando mecanismo de resistência ao glifosato do tipo “non-target-site resistant” (NTSR)

Amaranthus palmeri é uma das plantas daninhas mais difíceis de controlar devido suas características biológicas, como a alta capacidade adaptativa por ser dióica (favorece o cruzamento e diversidade genética), por produzir em média cerca de 200 mil sementes por planta, o formato da semente auxilia na rápida disseminação e em condições ideais possui um rápido crescimento (entre 2,5 e 4 cm por dia). Além disso, apresenta resistência a produtos químicos com diferentes mecanismo de ação.

Registros de casos de resistência de A. palmeri a herbicidas já foram feitos nos Estados Unidos, Israel, Brasil e Argentina [1]. O primeiro relato de sua presença no Brasil foi em 2015, no Estado do Mato grosso, e já foi identificado no país biótipos apresentando resistência múltipla ao glifosato (inibidor da EPSPs) e aos inibidores da ALS (Clorimurom-etílico e Cloransulam-metílico).

Os mecanismos de ação dos herbicidas podem ser classificados em duas categorias, sendo elas a “target site resistant” (TSR) que são relacionadas especificamente com o local de ação do herbicida e a “non-target-site resistant” (NTSR) que está relacionada aos meios que reduzem a quantidade de herbicida que chega ao local de ação. O mais comum de ocorrer é o TSR que envolve alteração no gene que codifica a proteína alvo do herbicida. Já o NTSR engloba alteração/redução na absorção e translocação do produto, como também compartimentação e desintoxicação metabólica.

Recentemente, um estudo publicado no jornal “Agricultural and Food Chemistry” relatou a caracterização dos mecanismos de resistência para glifosato de plantas de A. palmeri colhidas em uma lavoura de soja na Argentina.

Através de análises laboratoriais, os resultados confirmaram a resistência ao glifosato, porém não houve evidência de que o mecanismo de resistência foi do tipo TSR. Para averiguar o ocorrido, foi feita uma análise comparativa (em diferentes períodos após o tratamento) entre o potencial de absorção de plantas de A. palmeri suscetíveis e resistentes ao glifosato. Plantas suscetíveis absorveram cerca de 10% a mais de herbicida do que plantas resistentes. Além disso, as plantas suscetíveis translocaram cerca de 20% mais glifosato para o restante da parte aérea e das raízes, enquanto as plantas resistentes retiveram cerca de 60% do herbicida nas folhas tratadas.

Este é o primeiro caso de resistência ao glifosato em A. palmeri envolvendo exclusivamente mecanismos de NTSR. Isso é importante pois viabiliza estudos futuros sobre a biologia molecular do gene que codifica a enzima EPSP, possibilitando que estratégias de manejo da resistência sejam estabelecidas. É necessário que o produtor fique atento quanto a presença de A. palmeri na lavoura. O monitoramento feito periodicamente e a identificação precoce auxilia no controle da disseminação da espécie, evitando perdas significativas na produção.

Considerando a proximidade e intenso intercâmbio entre Brasil e Argentina, o relato de resistência de A. palmeri no país vizinho preocupa: até onde se saiba, não há relatos dessa planta invasora nos estados fronteiriços e a introdução de uma praga resistente seria duplamente um problema para os agricultores no sul do Brasil.

Nota:

[1] Weed Science

 

FONTE: Autor: Portal Defesa Vegetal.Net – Palma-Bautista et al. (2018)

Related posts

[Vinícius Jacopini] – De olho na taxa de germinação: como ela interfere nos resultados da lavoura

Revista Attalea Agronegócios

Jumil disponibiliza semeadora lançamento com novo dosador pneumático de sementes

Revista Attalea Agronegócios

Erosão causa prejuízos econômicos e ambientais no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário