fbpx
Revista Attalea Agronegócios
EVENTOS - DESTAQUES NOTÍCIAS Tecnologia

A importância do sell-in e sell-out no agro

Embora 2021 esteja terminando em meio a um cenário de incertezas na economia brasileira, a expectativa é que 2022 seja um ano mais favorável. Os especialistas de mercado apostam no bom desempenho do setor agropecuário que responde por 25% do PIB brasileiro quando considerado a indústria de insumos e de maquinário agrícola.

Os altos preços das commodities em 2021 explicam o avanço da produção, com os agricultores expandindo as suas áreas plantadas na tentativa de se beneficiar dos valores favoráveis. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a produção agrícola brasileira deve chegar a 289,8 milhões de toneladas na safra 2021/2022, aumento de 14,7% em relação à safra anterior.

Para este setor tão pujante, a logística de vendas possui papel importante nessa integração e é aí que entram duas expressões da língua inglesa que são pouco conhecidas, porém, muito importantes: sell-in e sell-out. O termo “sell-in” refere-se às transações comerciais efetuadas pela indústria de insumos para parceiros de distribuição, enquanto a expressão “sell-out” se refere às transações efetuadas por distribuidores para clientes finais.

De acordo com André Coutinho, diretor comercial da agtech brasileira Seedz, o bom entendimento e aplicação destes conceitos começa pelo uso dos dados de transações para melhor visibilidade sobre a demanda por insumos. “É crucial compreender isso para um melhor planejamento logístico, especialmente em um setor em que os desafios inerentes da distribuição são ampliados: boa parte da matéria prima é importada de locais distantes, os volumes movimentados são grandes e as janelas de plantio cada vez mais apertadas”, destaca.

As indústrias que têm boas estratégias de sell-in e sell-out conseguem reduzir custos de produção, obter maior eficiência logística e aumentar suas vendas através da melhoria no planejamento e execução da sua estratégia comercial. Por sua vez, os distribuidores têm a gestão dos rebates facilitada e podem até receber mais recursos da indústria, além de passar a conhecer melhor sua equipe e cliente, podendo atendê-lo com mais eficiência e aumentando sua fidelização. “Ao conhecer mais o perfil dos milhões de produtores rurais espalhados em fazendas por todas as regiões do Brasil, indústrias e distribuidores podem traçar estratégias conjuntas para ofertar o produto certo no momento certo”, reforça Coutinho.

André Coutinho, diretor comercial da agtech brasileira Seedz.

O conceito

Os conceitos de sell-in e sell-out não podem ser observados separadamente, pois são complementares. A cadeia é a mesma. Portanto, caso a revenda não consiga dar vazão a algum produto, a indústria também será afetada. A otimização dessa cadeia depende muito de informações e dados. Como consequência, indústrias, distribuidoras e revendas possuem planilhas e mais planilhas para mensurar e analisar estatísticas que irão definir as estratégias de produção e vendas.

Neste ponto entra a importância da inteligência de dados, afinal organizar informações não é uma tarefa fácil, principalmente quando estamos falando das grandes negociações no mundo do agro. Mas, essa tarefa não precisa ser tão penosa. É possível trabalhar com dados automatizados e integrados com a plataforma da Seedz.

A capacidade de inteligência de dados da Seedz possibilita que uma indústria saiba que produto, quando e em qual quantidade precisa distribuir em negociações com uma revenda, e ainda para qual região. É uma base de dados automatizada que traz mais possibilidades de insights com menos esforço operacional. E não é uma solução apenas para a indústria. A Seedz também atua no sell-out, pois possibilita que a revenda administre melhor os rebates e até mesmo crie suas próprias campanhas para seus clientes e seu time de vendas. Além, é claro, de fornecer dados cruciais para a definição de metas e táticas de vendas

Com uma equipe de aproximadamente 100 pessoas, a Seedz combina experiência em agronegócios, tecnologia e marketing para transformar os dados de sell-in e sell-out em inteligência, ação e sucesso comercial para os parceiros. “Nossas soluções robustas de tecnologia permitem a integração entre indústria e distribuidores e a organização dos dados de maneira automática. Com isso, nossos parceiros aproveitam da inteligência em tempo real para a criação de campanhas de fidelidade e engajamento de clientes e força de vendas muito mais assertivas e dinâmicas”, diz o diretor.

Solução de ponta a ponta

A plataforma da Seedz consegue integrar a cadeia de produção do agro de uma ponta à outra por meio das soluções “Force” e “Fidelidade”. A versão “Force” da plataforma, além de trabalhar com os dados relacionados ao processo de Sell-In consegue auxiliar na construção de estratégias e no relacionamento de indústrias e revendas. Já em sua versão “Fidelidade”, a Seedz além de construir um canal direto com o cliente final, consegue medir tendências e oferecer insumos que irão otimizar a relação desse consumidor, criando um laço de fidelidade.

Em adição a tudo isso, a Seedz oferece um grande diferencial. Tanto em sua versão Force, quanto na versão Fidelidade, a plataforma permite a criação de metas e garante a premiação para time de vendas e/ou clientes finais através de uma moeda própria, utilizada em um marketplace também nativo e que possui um catálogo atrativo para o mundo agro. Uma relação de ganha-ganha-ganha.

A EMPRESA

A Seedz é uma agtech brasileira pensada em criar soluções tecnológicas para toda a cadeia produtiva do agronegócio. Por meio de soluções de tecnologia e programas de incentivos e fidelidade, cuidamos do antes, dentro e fora da porteira. A empresa tem como foco a melhoria da experiência entre empresas do agro, seus canais e os produtores rurais, acelerando suas jornadas de transformação digital e integração. Saiba mais baixando o App da Seedz na Apple Store ou Google Play.

Saiba mais em www.seedz.ag.

FONTE: Kassiana Bonissoni – RURAL PRESS
kassiana.ruralpress@gmail.com
(19) 98320-0286

Related posts

KWS participa de Dia de Campo em Ituiutaba (MG)

Revista Attalea Agronegócios

Nova instrução normativa da Receita Federal vai reduzir custos do fertilizante no Brasil

Revista Attalea Agronegócios

Expodireto Cotrijal 2019: Segurança no campo é tema de discussão no primeiro dia

Deixe um comentário