fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Agricultura Natural

[Virgínia Knabben] – “Da observação à prática. Ensinamentos de “sêo” Tsuzuki

VIRGÍNIA M. KNABBEN
Geógrafa e biógrafa de Ana Maria Primavesi
https://www.facebook.com/viknabben

Sêo Tsuzuki não é tão conhecido como Ana, talvez porque tenha se dedicado a pesquisas no campo e não as publicou, infelizmente. Porém, era ele que ministrava os cursos práticos de agricultura orgânica com Primavesi.

Yoshio Tsuzuki teve uma trajetória de vida marcada por uma grande guinada. Era o campeão de vendas de agrotóxicos de uma grande empresa e, quando percebeu que quanto mais veneno se colocava, mais pragas apareciam, parou tudo. Deixou de ganhar muito dinheiro por isso, mas nunca se arrependeu. Pelo contrário.

Em 2010, escreveu “Nova Técnica – Defesa Fisiológica Contra Doenças e Pragas”. Ele mesmo mandou imprimir e distribuiu entre amigos e interessados numa agricultura natural. Nesse livro, expõe suas pesquisas, observações, explicita sua humildade em trechos que assume não saber algo ou que aprendeu com outra pessoa (como a Teoria da Trofobiose, por exemplo).

Como o livro não está a venda, transcrevemos algumas partes para que todos os interessados em agroecologia possam conhecer um pouqui-nho mais de sua pesquisa e realizações.

Ao vir para o Brasil, trouxe em sua bagagem basicamente livros de agronomia japoneses. Estes livros estarão no acervo que vai para a UNICAMP – Universidade de Campinas, junto com os materiais de Ana Primavesi.

Yoshio Tsuzuki e Ana Maria Primavesi (Créditos: Arquivo Pessoal)

(…)

“Refleti, então, sobre minha vida ligada à agricultura desde 1954. Como engenheiro agrônomo da cooperativa, o entusiasmo pelo estudo do solo era tanto que a minha pobre noiva, quando veio do Japão, trazia poucas roupas na sua bagagem, pois o restante era equipamentos de análise de solo para meu trabalho (não existia no Brasil da época, equipamento de precisão).”

Naquela época, em 1970, as vendas de defensivos cresciam constantemente, mas como engenheiro, o aumento de casos sem solução foi-se-me tornando extremamente preocupante.

Nesta época, não havia encontrado ainda nenhuma relação precisa entre a fertilidade do solo e o surgimento de pragas e doenças. Era visível, porém, a existência de uma correlação entre ocorrências de doenças nas culturas justamente em solos mais desgastados, o que não se verificava nas terras com alto teor de matéria orgânica.

Na natureza, a não ser por surto e passagem de gafanhotos ou por algum desastre climatológico, não há pragas endêmicas. Mesmo nas plantações, com exceção de doenças específicas, os alastramentos acontecem somente nos casos em que o estresse sobre a planta (motivado por desequilíbrios nutricionais, erro de adubação, corte excessivo de raízes durante a roça, mudança súbita da temperatura ambiente, secagem ou umidade excessiva do solo, etc.) se torna excessivo. Mesmo as doenças e as pragas específicas citadas, se reduzirmos esse estresse, seus efeitos negativos podem ser razoavelmente diminuídos. O fato mais impressionante foi de que o uso excessivo de defensivos também provocava o surgimento de mais doenças e pragas.

Um certo ano, surgiu, de repente, uma revoada impressionante de borboletas de repolho. Após sua passagem, as páginas inferiores das folhas de repolho estavam infestadas de muitos ovos. Apesar de já ter alguns anos de experiência em agricultura orgânica, que me permitiam certa confiança de interpretação, senti-me inseguro. Até então, não se verificavam surtos de pragas tanto no repolho como nas outras Brássicas, não havendo inimigo natural. Entretanto, as larvas nascidas destes ovos morreram nas primeiras fases de vida, e os prejuízos foram próximos de zero. Por outro lado, as áreas dos vizinhos cultivadas, mesmo com aplicação maciça de agrotóxicos, eram vítimas de ataques das pragas.

Lagartas em Repolho

Sempre tive curiosidade pelo fato de haver pouca incidência de pragas na minha lavoura apesar da inexistência de inimigos naturais, mas o episódio narrado indicava que a eliminação de larvas de borboletas não se devia a inimigos naturais, insetos ou microrganismos. Mas ainda não era possível determinar o funcionamento da autodefesa, se isso deveria ser atribuído à capacidade inerente de eliminação de pragas (através da produção de alguma substância tóxica que impede a alimentação das folhas, por ex.) ou da ausência de nutriente para larvas nas folhas.

Nas plantações, tanto os adubos orgânicos como inorgânicos, na sua maioria, são assimilados na forma de nitrato de nitrogênio. O nitrato libera oxigênio e liga-se ao hidrogênio para se transformar em estado de redução, e em seguida é sintetizado com glicose produzida por fotossíntese e se transforma em aminoácidos livres. Esses aminoácidos se ressintetizam e se tornam proteínas. Chama-se proteossíntese o processo de sintetização do tipo:

nitrogênio inorgânico –> aminoácidos livres –> proteína

Os insetos aproveitam os aminoácidos livres desse processo decompondo-o e transformam-no em sua fonte energética. Os insetos não possuem enzimas que possam decompor as proteínas para transformá-las em energia, e nem os materiais inorgânicos servem para esse fim. Assim pode-se compreender que, apressando o processo de transformação do aminoácido livre em proteína, os insetos perdem o seu alimento e, ou morrem, ou se deslocam para onde o encontrem, desaparecendo da plantação. A melhor forma de combater os insetos é, portanto, reduzir o aminoácido livre na seiva.

Nós fazemos compostos bem curtidos. Espalhamos, em superfície dos canteiros, esterco de frango misturado à serragem pouco curtido (3-5 dias) e irrigamos com aspersor antes do plantio. Esta é a forma adequada de tratamento do solo para clima semi-tropical nos cultivos anuais sem descanso de hortaliças, e vem obtendo resultados constantes sem problemas de pragas. O melhor da história, em todo caso, é o ganho da qualidade do solo.

Entendo que, no controle de pragas, na prática, o importante é não considerar os insetos e microrganismos como inimigos. Originariamente, são seres que vivem em qualquer lugar. Somente sob certas condições excepcionais se multiplicam acima do normal e se transformam em pragas ou doenças. Estas condições são aquelas que exercem estresse exagerado sobre as plantas, tais como mudanças climáticas intensas ou erros humanos, por exemplo, adubagem incorreta ou manejo errôneo de plantações, entre outros. Nessas ocasiões, ocorrem desequilíbrios fisiológicos nas plantas, com falhas de metabolismo, que aumenta o teor de aminoácido livre – alimento preferido dos insetos e microrganismos – minando a força original de defesa das plantas. É com este enfraquecimento do sistema defensivo que se dá a infestação de doenças e pragas.

Em resumo, devem-se considerar os insetos e microrganismos como seres vivos, parte de um sistema ecológico natural, e não inimigos a ser aniquilados. É importante compreender que é sob extremo estresse, por causas naturais como variação crítica do clima ou por causa do homem, nos erros cometidos nos cuidados com a plantação, que há surtos de pragas. E que, nestes casos, é de grande utilidade para a recuperação, a aplicação foliar de bioestimulante e de micronutrientes.

Toda matéria produzida no interior de um ser vivo, proteínas, amidos e outros, é resultado de reações bioquímicas de dezenas de milhares de enzimas. Para a ativação das enzimas são necessários os micronutrientes, alguns como componentes próprios, outros como coenzimas que os ativam. São exemplos do primeiro caso o cobre, ferro, zinco, molibdênio; são, do segundo, o boro, o manganês e o cloro. A ausência desses elementos provoca o surgimento de doenças e pragas, antes mesmo de apresentar sintomas nas folhas.

Conforme F. Chaboussou, os micronutrientes estão intimamente relacionados à síntese de proteínas e, na sua falta, os aminoácidos param de se transformar em proteínas, o que provoca o aparecimento de doenças e pragas.

Entre os nutrientes, o nitrogênio e o potássio são de fácil absorção; o fósforo, o cálcio, o magnésio e outros micronutrientes, por necessitarem de energia de absorção bastante elevada e, portanto, num ambiente de pouco oxigênio e água, tendem a faltar, mesmo bem adubado.

A Ameixa Japonesa (Ume) é fruta de folhas caducas e exige muita adubação. Tive oportunidade de ver resultados de setenta análises de solo realizadas na província de Wakayama. Em 70% dos casos, o Índice de Saturação de Bases estava acima de 100%, assim aparecendo muitas pragas e doenças e perdendo produtividade e qualidade. Numa comparação grosseira com o ser humano, este estaria tão estufado de alimento que, não só o estômago, mas também a garganta estariam completamente tomados. As raízes enfraquecem com esse distúrbio de concentração, as doenças fisiológicas que indicam enfraquecimento se espalham e, assim, é inevitável o alastramento de doenças e pragas.

Comparando as terras recentemente colonizadas, quimicamente mais pobres mas bem aeradas e permeáveis com as áreas enriquecidas com fertilizantes químicos de hoje, constata-se que aquelas são, do ponto de vista da saúde das plantas, muito superiores a estas. Este autor não tem como deixar de admirar a força da terra que a
natureza produziu e que os adubos não conseguem imitar.

Os microrganismos simbióticos retiram nutrientes minerais do solo e os fornecem à planta, recebendo desta aminoácidos e açúcares produtos de fotossíntese. Os organismos antagônicos realizam a defesa das raízes contra os ataques de numerosos microrganismos patogênicos. Desde que o ambiente do subsolo mantenha boas condições para a atividade intensa desses microrganismos efetivos, os patógenos são reprimidos e não há manifestação de doenças.

Embora haja esta implicação, a de herbicidas provocarem surto de doenças e pragas, ela é dificilmente percebida. Este autor também ignorava a matéria. A percepção desta relação se deu numa plantação de Tomate. Após a colheita, realizou-se a aração, e o campo foi tomado por uma gramínea chamada popularmente de “Marmelada”. É uma planta muito comum nos terrenos férteis no verão. Ela tem uma aparência muito bonita, bem verde, parecida com as folhas de trigo, muito bem-vinda para cobertura verde e normalmente de grande ocorrência. Ocorreu, então, um surto de manchas de doença de origem patogênica com essa erva. Como era local previsto para plantação de Alho para alternar com o Tomate, ficamos muito surpresos e fomos verificar com o dono do lote. Este disse que empregara herbicida no Tomate. O que aconteceu foi que um microrganismo que jamais havia provocado algum mal à Marmelada, se transformou em patogênico sob influência de resíduos de herbicida…

Mesmo plantando em época correta, pode haver dias de calor anormal, ou de frio fora de época. Estas condições facilitam o aparecimento de doenças e pragas. Secas ou excesso de chuvas, ou demasiada umidade também são fortes stresses. Nas hortaliças, principalmente, a elevação da temperatura causa falta de água; pouca insolação ou excesso de chuvas provoca doenças fisiológicas por falta de energia para assimilar nutrientes. Microrganismos que até então não se configuravam patogênicos, transformam-se e podem causar doenças, mesmo que por uma só safra.

O estresse físico acontece muito por imperícia técnica. O mais frequente é o corte da raiz durante as práticas de cultivo. É muito comum observar um surto de ácaros quando se realiza a capina nos Pessegueiros e culturas de Algodão, cortando raízes superficiais durante a época das altas temperaturas de verão. Nas roças de Pimentão, Berinjela, Tomate, Pepino, onde a capina provoca murchadeira, passar a cortar a parte superior do capim não agride o sistema radicular e não produz doenças, aumentando, por conseguinte, a colheita.

No Brasil existe uma espécie de formiga muito interessante, a Saúva. Com o ferrão da cabeça corta as folhas em pedaços maiores que a própria cabeça e as transporta para seu ninho. E se alimentam de fungos cultivados usando estas folhas como meios de cultura. Num relato de um pesquisador amigo, havia num sítio uma dezena de laranjeiras, das quais apenas uma era sistematicamente atacada por esta formiga. Intrigado, foi observá-la.

Verificou-se que os camaradas daquele sítio sempre se reuniam sob a sua sombra nas horas de folga. O solo à sua volta estava, então, como era esperado, compactado. De acordo com ele, ali estava com péssima aeração e permeabilidade, impedindo a assimilação de nutrientes e piorando o metabolismo, aumentando o teor de açúcares solúveis e aminoácidos no pé. Como são ótimos alimentos para fungos, também é para as saúvas que se alimentam desses fungos. Acho que elas sabiam disso…

Observamos frequentemente a compactação do piso com grandes tratores. A superfície fica arada e suave, mas no subsolo onde as lâminas não atingem formam uma camada bastante dura. Pelo mesmo princípio citado, a fisiologia vegetal sofre uma influência considerável. Imagino existirem outras atividades que podem piorar as condições físicas do solo involuntariamente por alguma ação humana. São ações que, impedindo a assimilação de água e nutrientes, induz o surgimento de doenças e pragas.

Chuvas ácidas pela poluição do ar podem causar desordem fisiológica, ou o uso de águas de esgoto industrial como água de irrigação, que provoca malformação das plantas.

O fenômeno do envelhecimento, em poucas palavras, é a perda da energia vital, processo comum a todos os seres vivos. Primeiro se manifesta nas folhas; perdem o brilho e pendem sem força; as folhas das pontas dos galhos se tornam pequenas. Dizem, das plantas, que a parte aérea e a subterrânea são espelhos uma da outra. Com esta ideia na cabeça, deve-se observar, e bem, as árvores. Quando as folhas estão sem vigor, as raízes capilares somem, as fo-lhas perdem vitalidade. Em seguida, diminuem as radicelas e se perdem pequenos galhos. Nessa fase, as colheitas e a qualidade dos frutos caem. Em seguida, os troncos perdem a coloração e musgos começam a crescer. Nas laranjeiras aparecem cochonilhas e doenças foliares. Os cafeeiros também são alvo de ataques de vários tipos de insetos e doenças.

Sintomas do ataque do Ácaro da Leprose (Brevipalpus phoenicis) em frutos do cafeeiro
Sintomas do ataque do Ácaro da Leprose (Brevipalpus phoenicis) em folhas de laranjeira.

A vida útil das laranjeiras é normalmente de vinte e cinco anos. Quanto aos cafeeiros, dependendo das podas e técnicas de conservação, duram de quinze a trinta anos. O enfraquecimento fica visível nas laranjeiras na idade de oito a dez anos, e nos cafés, de seis a sete anos.

Além dos problemas de idade das plantas existe uma doença virótica muito comum nos trópicos chamada Leprose. Atacadas por ela, as plantas começam por perder os frutos e as folhas, em seguida, os galhos e em dois ou três anos, mesmo os galhos maiores.

Com estas vivências, me convenci de que as plantas têm uma força de auto cura, tal qual o ser humano. Se forem mantidas as seis condições básicas para a vida da planta, isto é, luz, temperatura, ar água, nutrientes e ausência de tóxicos, pode-se manter também seu poder defensivo contra doenças e pragas. Mas ainda é muito difícil chegar ao ponto de acionar o poder de cura para se recuperar das doenças e pragas. Para que isso aconteça, é necessário fortalecer a energia vital.

Uma das soluções para atingir isso é o Aminon (“produto desenvolvido por ele e vendido pela empresa Technes”). Este bioestimulante possui propriedade de acelerar notavelmente a fotossíntese das plantas, elevando o nível de energia vital destas e, consequentemente, aumenta a capacidade de autodefesa, reduzindo aminoácidos livres e açúcares solúveis que são alimentos preferidos de patógenos e pragas. Um bioestimulante é uma substância que causa resposta do ser vivo quando ministrado a este.

Na opinião do autor, a chave do sucesso ou não, na prática da técnica de agricultura sem defensivos é acreditar (ou não) na ideia de que as plantas têm capacidade natural de autodefesa e auto cura. Ideia controversa, pois o pensamento dominante na agricultura mundial é aquele que sustenta dois postulados, a saber,
► não é possível garantir alimentação suficiente para toda a humanidade sem utilizar defensivos agrícolas;
► não é possível cultivar plantas sem defensivos.

O círculo vicioso engendrado por tal pensamento pessimista, que une diretamente as doenças/pragas e agrotóxico, nunca chegará a uma solução definitiva, pois faz surgir novas doenças e pragas geradas por incorporação de resistências criadas contra estes agrotóxico.

OBS: O livro de seu Tsuzuki somente é encontrado em sebos ou livrarias virtuais.

Related posts

“Food in the Nude” (Alimentos desnudos): uma campanha para eliminar embalagens plásticas

Revista Attalea Agronegócios

[Ana Maria Primavesi] – FOME: Programa para sua Erradicação

Revista Attalea Agronegócios

Bioinsumos podem ser aliados da produtividade em culturas orgânicas e convencionais

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário