fbpx
Revista Attalea Agronegócios
AgroQuímicos NOTÍCIAS Tecnologia

Programa de qualidade para vestimentas de proteção agrícola reduziu índice de reprovações de equipamentos nacionais

Perto de receber a certificação ISO 17025 para seu laboratório instalado na paulista Jundiaí, IAC-Quepia tornou Brasil referência mundial em iniciativas para a proteção do trabalho rural; programa completa 16 anos em maio

Reconhecido hoje, globalmente, pela pesquisa de ponta em suporte à produção fabril e ao desenvolvimento de critérios de qualidade para vestimentas agrícolas, ou EPI, o Brasil já esteve no centro de um cenário controverso na área. Cerca de 18 anos atrás, nem sequer havia no País normas técnicas que ancorassem análises de qualidade e atestassem a segurança desses produtos, indispensáveis ao trabalho humano de aplicação de defensivos agrícolas ou agroquímicos.

O jogo começou a virar quando um grupo de companhias fabricantes de vestimentas agrícolas e o Instituto Agronômico (IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de SP,  se reuniram na ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas -, para tratar a fundo da questão normativa e, simultaneamente, da segurança atrelada aos EPI.

Surgiu logo a seguir, em 2006, o Programa IAC de Qualidade de Equipamentos de Proteção Individual na Agricultura, conhecido como IAC-Quepia. A iniciativa tem por propósito investir na pesquisa agrícola para aprimorar a qualidade e a durabilidade dos EPI, além de reduzir a exposição do homem do campo a produtos químicos.

“O ‘Quepia’ foi um dos primeiros programas de parceria público-privada envolvendo pesquisa agrícola. Os resultados colhidos respaldam a relevância do modelo”, diz Hamilton Ramos, pesquisador e diretor do Centro de Engenharia e Automação (CEA), do Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de SP. O programa funciona dentro da área do CEA, na paulista Jundiaí, financiado com recursos privados.

Coordenador do IAC-Quepia e de outras iniciativas que visam a tornar a atividade agrícola mais segura e sustentável, Ramos revela que as ações do Quepia ajudaram a reduzir as reprovações de vestimentas agrícolas protetivas brasileiras de 80%, em 2010, para menos de 20% nos dias de hoje.

“Trata-se de um ganho enorme. Fortaleceu a proteção do trabalhador rural e deu base técnica para que o Ministério de Trabalho, em 2009, extinguisse o Certificado de Aprovação (CA) por responsabilidade, obrigando a indústria a buscar certificações com base em normas da ISO – International Standartization Organization – para seus produtos.”

Conforme Ramos, a expectativa agora é a de contar com a certificação ISO 17025 (sistema de gestão) para o laboratório do programa. O centro de pesquisas, ressalta ele, está bem perto de integrar um grupo seleto de laboratórios aptos a realizar mais de 25 testes de certificação baseados em normas da ISO. “Hoje o programa fornece o selo de qualidade IAC-Quepia às vestimentas protetivas de seus parceiros, uma vez aprovadas nas análises, e ajuda às empresas do agro e ao usuário de EPI a selecionar fornecedores qualificados.”

FONTE: Fernanda Campos – Bureau de Ideias
 fernanda@bureauideias.com.br

Related posts

GAtec apresenta ferramenta para Gestão à vista

EBL Web: Estância Bahia Leilões lança aplicativo exclusivo para lances online

APROBIO homenageia presidente Jair Bolsonaro pelo apoio e reconhecimento da importância do biodiesel para o país

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário