fbpx
Revista Attalea Agronegócios
HortiFruti NOTÍCIAS

Plantio superadensado de Cajueiro-Anão triplica a produtividade

Um experimento com cultivo superadensado de Cajueiro-Anão chegou a obter, em dois anos de implantação, o triplo da produtividade média alcançada pela variedade no estado do Ceará em 2019. A expectativa dos pesquisadores é chegar a uma produtividade de pelo menos três toneladas de castanha e 27 toneladas de pedúnculo por hectare/ano no quinto ano de implantação do estudo, quando as plantas estabilizam sua produção. A pesquisa é conduzida pela Embrapa Agroindústria Tropical (CE), Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado do Ceará (Sedet) e Fazenda Frutacor, no Distrito de Irrigação Tabuleiro de Russas – a 160 km de Fortaleza (CE).

Foram testados seis diferentes clones, com três diferentes tipos de espaçamento (veja quadro). A condição de maior adensamento do estudo (6×2 metros) comporta 833 plantas por hectare. No espaçamento tradicional adotado para a cultura, de 7×7 metros, são cultivadas 204 plantas por hectare. 

A melhor combinação de clone com espaçamento resultou em uma produtividade de 1.606 kg de castanha por hectare/ano no segundo ano de implantação. Em 2019, a produtividade média do cajueiro-anão precoce no Ceará – envolvendo todos os tipos de plantio e diversos clones existentes – foi de 528 kg de castanha por hectare. 

Cajucultura: menor dependência hídrica anima cientistas e produtores

O estudo avalia a melhor condição de superadensamento, com fertirrigação, para produzir caju de mesa – uma cultura bem menos exigente em água que os plantios tradicionais implantados na região, como banana e goiaba. “A intenção é oferecer uma alternativa pouco exigente em água, produtiva e lucrativa para o perímetro irrigado”, explica o pesquisador Afrânio Montenegro, responsável pela pesquisa.

De acordo com o pesquisador Fábio Miranda, responsável pela irrigação, o consumo de água é um terço do empregado na cultura de banana. Segundo ele, ainda é cedo para estimar a relação de água com produtividade, que deve expressar seus melhores resultados nas próximas safras.

Além de chegar ao melhor clone e espaçamento, os pesquisadores querem saber também como ocorre a distribuição da produção ao longo da safra, o rendimento como fruta de mesa e os custos. “Como a intenção é produzir caju de mesa, mais valorizado no mercado, é importante que a produção seja bem distribuída ao longo do ano”, esclarece Montenegro. Ele explica que, como o experimento está na segunda safra, ainda é cedo também para realizar a análise econômica da experiência.  

O estudo avaliou a melhor condição de superadensamento, com fertirrigação, para produzir caju de mesa. (Créditos: Afrânio Montenegro)
O secretário-executivo do Agronegócio da Sedet, Silvio Carlos Ribeiro, avalia que o projeto é um passo importante para incluir a cajucultura nos padrões da moderna fruticultura, com adensamento, irrigação, menor consumo de água e alta produtividade. 

O secretário lembra que o estado do Ceará mantém há 30 anos praticamente os mesmos pomares de cajueiro, que hoje apresentam baixa produtividade. Para ele, o projeto tem apresentado bons resultados não só de produtividade, como também de racionalização do uso da água. 

O empresário João Teixeira, da fazenda Frutacor, está otimista com a experiência. A grande vantagem do cultivo, para ele, é a baixa exigência hídrica do cajueiro. “É um fator muito decisivo para enfrentar a crise hídrica do Ceará”, afirma. Por outro lado, salienta os desafios fitossanitários e alta exigência de mão de obra. “Tudo é muito novo, é um projeto adensado de alto desempenho, que exige muita mão de obra, mas que tem dado uma boa perspectiva com dois clones”, diz.  

Teixeira acredita que o cultivo superadensado seja economicamente viável em um modelo de negócio com aproveitamento integral da produção para caju de mesa, processamento do pedúnculo e castanha. Para ele, a via mais provável de modelo de negócio para pequenos produtores seria o associativismo.

Na visão do empresário, médios e grandes produtores necessitarão de estrutura de processamento do pedúnculo próxima ao local de produção para aproveitar o que não for adequado ao comércio como fruta de mesa. Ele avalia o mercado de mesa como difícil, pela alta perecibilidade do pedúnculo, que exige cadeia de frios e uma logística ágil. “O caju é tão exigente em pós-colheita quanto a uva, a maçã e a pera.” 

Lavoura de Cajueiro-Anão adensados. (Créditos: Afrânio Montenegro)

Experimento aliou adensamento e fertirrigação

Tradicionalmente o cajueiro é plantado com um espaçamento de 7×7 metros. No experimento implantado em 2017 no Distrito de Irrigação Tabuleiro de Russas, estão em teste três diferentes espaçamentos: de 6×4 metros, 6×3 metros e 6×2 metros. Foram testados seis clones: CCP 06, CCP 76, Embrapa 51, BRS 189, BRS 226 e BRS 265. Cada um dos clones foi implantado nos três diferentes tipos de adensamento, resultando em 18 tratamentos diferentes. 

As plantas foram irrigadas diariamente por gotejamento e receberam fertilizantes, semanalmente, via fertirrigação. Houve também pulverização de micronutrientes a cada 30 dias. Os cajueiros foram podados, de forma a manter uma haste principal, quatro ramos primários, oito ramos secundários e 16 ramos terciários. 

As variáveis analisadas foram: produtividade de castanha e pedúnculo, distribuição da produção ao longo do ano e classificação dos frutos para os mercados de mesa e indústria. Observou-se que as produtividades de castanha e de pedúnculo foram afetadas significativamente pelos clones e espaçamentos.

O caju no Brasil

O Brasil produziu, em 2019, 139.383 toneladas de caju. De acordo com o IBGE, mais de 90% dessa produção está localizada em três estados: Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. A produtividade brasileira, considerando a área colhida em 2019, foi de 327 kg de castanha por hectare, o que é considerado muito baixo para o potencial da espécie. 

O problema da baixa produtividade deve-se à extensa área ocupada com cajueiros do tipo comum, plantados em grandes espaçamentos. A grande maioria são plantas com idade avançada, cultivadas com poucos tratos culturais.

Em 2019, mesmo representando 35% da área plantada, o cajueiro-anão respondeu por 56% da produção de castanha de caju do estado do Ceará (IBGE, 2020). De acordo com o Relatório da Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA), do total de 275 mil hectares ocupados com a cultura no estado nesse mesmo ano, cerca de 179 mil hectares eram plantados com o cajueiro do tipo comum e apenas 96 mil ha cultivados com o cajueiro-anão. 

A produtividade média do cajueiro-anão, em 2019, no estado do Ceará, foi de 528 kg por hectare/ano. E a do cajueiro comum 222 kg por hectare/ano (IBGE, 2020). Embora produzindo mais do que o dobro, a produtividade do Cajueiro-Anão é considerada baixa para o potencial da cultura. “Essas áreas ocupadas com cajueiro-anão usam pouca tecnologia. Caso o cenário mudasse, haveria possibilidade de aumentar consideravelmente a produtividade da cajucultura do País”, alerta Montenegro. 

 

FONTE: Verônica Freire – EMBRAPA Agroindústria Tropical
agroindustria-tropical.imprensa@embrapa.br

Related posts

Cafés Especiais: Minasul promove concurso exclusivo para produtoras da Amecafé

Revista Attalea Agronegócios

Pivôs alavancam produção de tomate em Goiás

Revista Attalea Agronegócios

Pesquisa propõe controle regional de vetores de insetos para melhorar o combate ao HLB de citros

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário