fbpx
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Bovinos de Corte

Oportunidades com uso de sombra para bovinos confinados no Brasil

MATHEUS CAPELARI
Coordenador de Produtos, Bovinos de Corte – Cargill Nutrição Animal
FELIPE BORTOLOTTO
Consultor Técnico, Bovinos de Corte – Cargill Nutrição Animal
ANDRE BRICHI
Gerente Regional Sudeste, Bovinos de Corte – Cargill Nutrição Animal

Muito vem sendo discutindo sobre a necessidade de sombra para animais confinados no Brasil. O racional é simples: o custo para instalação, seja uma cobertura de alvenaria ou sombrite, é compensado com melhor performance do gado?

Alguns dados de pesquisa sugerem que o investimento não compensa, como os trechos retirados das publicações abaixo:

“Uma vez que os animais são aclimatados ao calor, não há nenhuma vantagem com a utilização de sombra” Mader et al., 1999.

“O uso de sombra não melhora o ganho de peso e a conversão alimentar de bovinos em confinamento”. Boyd et al., 2015

No entanto, sabemos que ao se trabalhar com animais e sistemas biológicos, alcançar respostas definitivas para questões multifatoriais não é tarefa simples. As pesquisas citadas acima foram desenvolvidas nos EUA, com outras raças (predominantemente britânicas), em outras condições climáticas e de dieta. Será que na prática, no Brasil, as hipóteses americanas são verdadeiras?

Resolvemos avaliar isso no Brasil na forma de um estudo controlado no confinamento da Agropecuária Brunozzi*, de Campina Verde (MG) (Figuras 1 e 2). O estudo passou por crivo estatístico da equipe de análise de dados da Nutron/Cargill e seguiu um protocolo experimental validado pela academia. Ao todo foram avaliados 2.497 animais, distribuídos em 22 currais. A área média de sombra por curral foi de 650 mresultando em 4.64 mpor cabeça, em média.

Para o estudo levamos em consideração a natureza multifatorial do problema, incluindo as perguntas que o produtor deve considerar antes de seguir com a instalação de sombra, por exemplo:

• Raça: Trabalho com nelore ou animais cruzados?
• Dias de cocho dos animais;
• Tipo de dieta fornecida aos animais;
• Em que local do curral devo instalar a cobertura?

Figura 1 – Vista aérea do confinamento da Agropecuária Brunozzi, Campina Verde (MG), evidenciando a linha com cobertura parcial de alvenaria.
Figura 2 – Confinamento com cobertura de alvenaria da Agropecuária Brunozzi, de Campina Verde – (MG) evidenciando a procura por sombra dos animais nelore nos momentos mais quentes do dia.

Raça, dias de cocho, dieta e local da sombra          

Sabe-se que animais da raça zebu são mais adaptados aos trópicos, mas isso não quer dizer que os animais não sejam afetados com o excesso de umidade e calor, e percam produtividade em situações comumente encontras no Brasil. A métrica mais utilizada para avaliar as condições ambientais e seu efeito sobre o bem estar animal é o THI, o índice de temperatura e umidade, em tradução livre do inglês. Esse índice correlaciona variações de temperatura e umidade e pode ser avaliado conforme a fórmula abaixo (Mader et al., 2006):

THI = (0.8 × TA) + [(RH × 0.01) × (TA -14.4)] + 46.4, onde:
       TA = Temperatura ambiental;
       RH = Umidade relativa do ar.

O THI é uma função das duas variáveis mencionadas na equação acima, ou seja, quanto maior for a umidade e/ou temperatura, maior o índice, e maior o estresse sobre os animais. Veja um resumo na Figura 3 abaixo:

Figura 3 – Relação entre temperatura e umidade relativa na composição do THI.

Dias de cocho é outro fator determinante do desafio sobre os animais. Isso porque quanto maior o tempo no cocho, maior a porcentagem de gordura na composição de carcaça, e maior o desafio para troca de calor. Um estudo demonstrou que novilhas com maior escore de acabamento apresentaram mais sinais de estresse por calor quando comparado a novilhas com menor escore (Brown-Brandl et al. 2006).

A dieta também é fator de extrema relevância. Isso porque animais ruminantes possuem uma câmera fermentativa, o rúmen, que fermenta substratos energéticos com consequente geração de calor. Em resumo, ingredientes de mais fácil fermentação ruminal tendem a gerar mais calor e podem aumentar o desafio sobre os animais, enquanto ingredientes que passam intactos a degradação ruminal e são absorvidos no intestino, ou que tem uma taxa de fermentação mais lenta, podem ser uma opção para redução do estresse calórico.

O local de instalação da sombra, assim como a altura da estrutura, também merece atenção especial. Não é desejável acúmulo de animais ou de fezes próximo ao cocho, para que não haja limitação de acesso ao alimento e perda de desempenho do lote. Por isso, uma área mínima por animal deve ser respeitada. A altura da estrutura também influencia na área de sombra total gerada, que deve ser avaliada em m3. Isso determina o total de sombra por cabeça (m3) e o horário em que os animais terão acesso a sombra. É desejável que os animais tenham sombra nos períodos mais quentes do dia, ou seja, entre 11:00 e 16:00, por exemplo. Além disso, a altura da estrutura é importante para evitar o acúmulo de gases que podem interferir com o desempenho e saúde animal.

Resultados do estudo

A alta temperatura e umidade do local onde o trabalho foi realizado é evidenciada pelo uso da câmera de infravermelho que permite uma avaliação mais detalhada do efeito do THI sobre os animais (figura 4 abaixo).

Figura 4 – Imagem com infravermelho de dois animais em diferentes situações de estresse calórico.

A tabela 1 mostra a variação de temperatura, umidade e do THI ao longo do estudo, evidenciando situações extremas, com valores altos de THI (acima de 79, valor considerado perigoso pelo Livestock Weather Safety Index, índice utilizado para determinar o nível de estresse por calor). Esses valores se refletiram no escore de frequência respiratória, principalmente para animais sem sombra. Animais submetidos a sombra apresentaram 99% dos animais com respiração normal, enquanto para os animais sem sombra, 16% apresentou respiração ofegante durante as avaliações visuais. O índice de animais ofegantes é comumente utilizado para avaliação visual de estresse por calor em bovinos de corte. 

Tabela 1 – variação de temperatura, umidade e do THI ao longo do estudo. 

Variáveis Estatística
Mínimo Máximo Média
Temperatura (°C) 5.10 38.30 23.55
UR (%) 29.04 90.85 69.61
THI 58.44 79.24 71.55

Variáveis zootécnicas sugerem que o uso de sombra pode trazer benefícios produtivos

• A conversão alimentar e biológica para animais com sombra foi 11 e 15% melhor, respectivamente (Tabela 2);  

• O consumo de matéria seca foi 8% menor para os animais submetidos ao tratamento com sombra, sem efeito sobre o ganho de peso. De maneira geral, o consumo de matéria seca em animais submetidos a temperaturas extremas é reduzido (< -15° ou >25°; NRC, 1981), com aumentos de consumo quando sombra é oferecida nessas condições (Brown-Brandl et al., 2005). Portanto, nossas observações podem estar relacionadas com as características genéticas e comportamento de consumo de animais nelore e suas interações com a dieta oferecida no estudo (54% amido; 1.36 Mcal ELg) e as condições climáticas do local.

Tabela 2 – Efeito da sombra para bovinos confinados sobre variáveis zootécnicas de performance.

• Durante todo o período de estudo, o consumo de água foi em média 4 litros menor, por dia, para os animais submetidos a sombra (Veja relação entre consumo de água e THI na figura 5 abaixo). Para um confinamento de 10 mil cabeças isso representa uma economia potencial de 4 milhões de litros, em média, por giro. 

Figura 5 – Relação do THI e dos tratamentos com e sem sombra sobre o consumo de água (L/cab/dia) nos primeiros 23 dias do estudo.

Mas e a avaliação econômica? Vale a pena investir em sombra para o gado?

Para a situação do estudo em discussão, o custo do metro quadrado de cobertura foi de R$ 120. Em resumo, consideramos 2,5 giros por ano, um investimento de R$ 360 por cabeça, um valor médio de depreciação de R$ 14,4/cab e um retorno adicional com os benefícios produtivos de R$ 50 por cabeça. Assim, na situação do estudo, chega-se a 2,8 anos para pagar o investimento.

O uso de sombra em confinamentos pode sim trazer benefícios para animais da raça nelore em situações tropicais. A decisão de uso depende de algumas variáveis e exige uma avaliação específica para cada situação e objetivo produtivo. Portanto, o uso de sombra para animais confinados deixa de ser um paradigma e merece mais estudos aplicados a realidade Brasileira. 

*A Nutron agradece a Agropecuária Brunozzi pela confiança e parceria duradoura. A inovação e o compartilhamento de boas práticas tem sido fundamentais para a evolução do setor pecuário Brasileiro.

Referências

Boyd, B. M., S. D. Shackelford, K. E. Hales, T. M. Brown-Brandl, L. M. Bremer, M. L. Spangler, T. L. Wheeler, D. A. King, and G. E. Erickson. 2015. Effects of shade and feeding zilpaterol hydrochloride to finishing steers on performance, carcass quality, heat stress, mobility, and body temperature. J. Anim. Sci. 93(12):5801–5811.  

Brown-Brandl, T. M.; Eigenberg, R. A.; Nienaber, J. A. and Hahn, G. L. 2005. Dynamic response indicators of heat stress in shaded and non-shaded feedlot cattle, Part 1: Analyses of indicators. Biosystems Engineering 90:451-462.

Brown-Brandl, T. M., R. A. Eigenberg, and J. A. Nienaber. 2006. Heat stress risk factors of feedlot heifers. Livestock Science 105: 57 – 68.

Mader, T. L., J. M. Dahlquist, G. L. Hahn, and J. B. Gaughan. 1999. Shade and wind barrier effects on summer-time feedlot cattle performance. J. Anim. Sci. 77: 2065-2072

Mader, T. L., M. S. Davis, and T. Brown-Brandl. 2006. Environmental factors influencing heat stress in feedlot cattle. J. Anim. Sci. 84:712–719. doi: 10.2527/2006.843712

National Research Council (US) Subcommittee on Environmental Stress. Effect of Environment on Nutrient Requirements of Domestic Animals. Washington (DC): National Academies Press (US); 1981. Feed Intake. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK232317/

 

FONTE: Amanda Pimentel – ALFAPRESS COMUNICAÇÕES
amanda.pimentel@alfapress.com.br

Related posts

Brasil promove proteína halal na Sial Paris

Revista Attalea Agronegócios

2º Mega Encontro Internacional da Raça Senepol: Criadoras ganham Núcleo Feminino

Revista Attalea Agronegócios

[Cíntia Fázio] – Funrural e a batalha do produtor rural

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário