Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Café Política Agrícola

Governo anuncia Plano Safra e confirma orçamento recorde do Funcafé

Setor conta com R$ 5,07 bi a partir de julho; 35 agentes manifestaram interesse em operar recursos do Fundo, que deve ter juros mantidos.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, lançaram, ontem, 18 de junho, o Plano Safra 2019/20. Estão previstos R$ 225,59 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional, sendo R$ 222,74 bi para o crédito rural (custeio, comercialização, industrialização e investimentos), R$ 1 bi para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) e R$ 1,85 bi para apoio à comercialização.

O governo federal confirmou a receita recorde de R$ 5,071 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a atividade na safra 2019. “Essa foi mais uma conquista que obtivemos como entidade representativa da produção, possibilitando orçamentos recordes consecutivos aos cafeicultores e cooperativas anualmente, sendo esse fato fundamental, em especial nesse momento de preços aviltados, muitas vezes inferiores aos custos de cultivo”, destaca o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro.

Ele recorda que as linhas de financiamento destinadas à produção somam aproximadamente R$ 3,5 bilhões, montante que permitirá o ingresso, de forma ordenada, de 10 milhões de sacas, em um período em que as cotações se encontram em níveis aquém da necessidade do cafeicultor. “Para que possamos ordenar o fluxo comercial desse café, é necessária a disponibilização de recursos suficientes para o produtor não se ver obrigado a vender nos cenários de pressão do mercado. Nesse sentido, o CNC, apresentando embasamento técnico, convenceu o governo e alcançou o recorde de recursos do Fundo”, explica.

JUROS E PRAZOS

Durante o anúncio do governo, não foram apresentados os juros para cada linha de financiamento do Funcafé, o que deverá ocorrer no dia 27 deste mês, através da publicação das Resoluções do Banco Central. Contudo, em reunião do Instituto Pensar Agropecuária (IPA) realizada nesta manhã (19), em Brasília, o CNC apurou, junto a representantes do Ministério da Agricultura, que as taxas deverão ser as mesmas aplicadas em 2018. Confirmada essa informação, as linhas de Custeio, Estocagem e FAC Cooperativas terão encargo anual de 7% e as de Capital de Giro e FAC (com exceção às cooperativas) de 9,5% ao ano.

O prazo de contratação de todas as linhas de financiamento do Funcafé tem vigência por um ciclo de 12 meses, com o próximo período sendo aberto em 1º de julho de 2019 e fechado em 30 de junho de 2020. Até o final deste mês, o mutuário ainda pode tomar os recursos disponibilizados à safra 2018.

“Esse fato é de extrema relevância e motivo de comemoração para a cafeicultura nacional. O Plano Safra elevou os juros em 1% para praticamente todos os outros empréstimos. Explicamos que a cafeicultura vive um momento delicado em relação a preços e à liquidez, sendo necessário que, além de um orçamento recorde, fossem preservadas as taxas para a cadeia produtiva, o que deverá ser confirmado no próximo dia 27 “, celebra o presidente do CNC.

AGENTES FINANCEIROS

Para a safra 2019, 35 agentes financeiros manifestaram interesse junto ao Ministério da Agricultura em operar os recursos do Funcafé, totalizando uma demanda de R$ 5,063 bilhões até agora. A lista com as instituições e o valor solicitado por cada uma pode ser conferida na sequência.

Powered by Rock Convert

Related posts

Semana Internacional do Café 2018: Barista é campeã mundial utilizando café produzido no Brasil

Café de Cacoal (RO) pode ser reconhecido mundialmente como produto destaque

Revista Attalea Agronegócios

Cool seed desenvolve tecnologia revolucionária na secagem de café

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário