fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Peixes e Pescados

EMBRAPA testa crescimento de Tambaqui em sistema de recirculação de água

O desenvolvimento do Tambaqui (Colossoma macropomum) em sistema de recirculação de água (SRA) é o tema de recente estudo divulgado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Esta forma de piscicultura vem chamando a atenção de pequenos e médios produtores interessados na criação de peixes em pequenos espaços rurais ou mesmo como alternativa em ambientes urbanos.

A escassez de informações a respeito de espécies nativas da Amazônia criadas com SRA levou uma equipe de pesquisa liderada pela Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA) a eleger o tambaqui como modelo desse estudo de caso. Os resultados estão na publicação Pré-engorda de Tambaquis em Sistema de Recirculação de Água, que já pode ser baixada da internet gratuitamente por meio do Portal Embrapa (acesse aqui).

Esse estudo preparou o terreno para os próximos passos do avanço do conhecimento nesse tema, pois cresce o interesse no cultivo do tambaqui, a espécie nativa mais criada no Brasil. Em 2019, segundo dados Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), alcançou o segundo lugar no ranking nacional, com uma produção total de 101 mil toneladas.

Os cientistas avaliaram o crescimento do Tambaqui na fase de pré-engorda em sistema de recirculação de água em comparação com referências existentes na literatura sobre a criação da espécie em viveiros e tanques-rede, mostrando algumas vantagens e desvantagens dos diferentes sistemas.

Sistema amigável

No experimento realizado, o Tambaqui se adaptou bem ao sistema de recirculação, com desempenho comparável aos registrados na literatura para viveiros e tanques-rede, mas engordou menos que nestes. “Precisamos agora aumentar nossa base de dados relacionada a ganho de peso para podermos chegar na identificação de padrões de crescimento possivelmente relacionados ao sistema de criação”, avalia a bióloga Roselany de Oliveira Corrêa, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA) e autora da publicação.

De acordo com a pesquisadora, o sistema de recirculação de água é uma alternativa ambientalmente amigável, apropriada para condições em que o uso da água é restrito, que pode maximizar a produtividade e o uso das instalações, diminuindo a pressão sobre os recursos naturais.

Na descrição de autores anteriores citados na pesquisa, o SRA se caracteriza pelo aproveitamento contínuo da água de cultivo, com reposição de até 5% do volume total para compensar a perda diária por evaporação e manejo do sistema. Se bem utilizado, também proporciona facilidade ao manejo, controle da reprodução dos organismos e biossegurança devido ao isolamento da produção. Além disso, o maior controle do ambiente de cultivo garante um produto com padrão de crescimento previsível, favorecendo o escalonamento de sua produção e comercialização.

São também autores da obra Pré-engorda de Tambaquis em Sistema de Recirculação de Água a zootecnista Luana de Nazaré dos Anjos Aires, o biólogo Eraldo José Madureira Tavares, pesquisador da Embrapa Semiárido (Petrolina, PE), as engenheiras de pesca Viviana Lisboa (Ufra) e Rayette Souza da Silva (IFPA) e Amanda Reis Carvalho (graduanda em Zootecnia/Ufra).

FONTE: Izabel Drulla Brandão – Embrapa Amazônia Oriental
amazonia-oriental.imprensa@embrapa.br

Related posts

Fundo Amazônia tem projetos da Embrapa Pesca e Aquicultura complementares a outras iniciativas da instituição

Revista Attalea Agronegócios

Piscicultura ganha força no Sudoeste mineiro

Cientistas desenvolvem metodologia para medir emissões de GEE na aquicultura

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário