fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
NOTÍCIAS Peixes e Pescados

Embrapa desenvolve metodologia inovadora para avaliar fatores de sucesso na piscicultura

A Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas, TO) desenvolveu uma metodologia inovadora para identificar quais são os fatores determinantes para o sucesso ou não da piscicultura. Pelo método, será possível explicar quais as razões externas que afetam a produção. Com isso, será possível visualizar com clareza as demandas por políticas públicas e as melhores oportunidades para o piscicultor. O trabalho foi apresentado no maior evento do setor, o Congresso da Sociedade Mundial de Aquicultura – Aqua 2018, que ocorreu de 25 a 29 de agosto, na França.

Atualmente, a chamada análise de cadeia de valor para a aquicultura é muito subjetiva. Na maioria dos casos esses estudos servem para comparar polos produtores de diferentes países. “São estudos interessantes, mas que não possuem o detalhamento em nível local. A gente está propondo uma metodologia para saber como funcionam as cadeias de valor localmente, analisando os polos de produção de maneira específica e detalhada”, explica o pesquisador Manoel Pedroza, da Embrapa Pesca e Aquicultura. A ideia é entender o que determina para um produtor ter desempenho melhor ou pior. “Por exemplo, até que ponto a infraestrutura do estado, a oferta de energia, a educação da população têm impacto na rentabilidade do produtor? Até agora isso é uma incógnita para a gente”, afirma.

Cada polo receberá uma nota, composta por 49 indicadores, e cada indicador terá um peso diferente. Total da produção; taxa de processamento de pescado (quanto é processado e quanto é vendido diretamente); produtividade da mão de obra; infraestrutura; distância para o mercado; emprego de tecnologia; políticas públicas locais; engajamento dos produtores nas políticas locais são apenas alguns dos indicadores que serão avaliados. “É uma análise bem transversal, muito além da produtividade e faturamento. É saber o que tem fora da propriedade que impacta”, esclarece Pedroza, complementando que cada produtor será avaliado individualmente e depois será gerado um índice para cada polo.

O levantamento vai começar com uma fase de mobilização entre os produtores para que eles respondam o questionário. Inicialmente, serão estudados três polos produtores de tilápia: o de Paulo Afonso, localizado na divisa entre Bahia e Pernambuco; o de Ilha Solteira, no Noroeste de São Paulo e do Oeste do Paraná. Os três são semelhantes na produção, aproximadamente 50 mil toneladas, mas cada um possui características bem distintas, tais como custo de produção, no preço final do produto e margem de lucro para o produtor.

No Paraná, por exemplo, o custo de produção é o mais baixo, cerca de R$ 3 o quilo da tilápia. É também onde o consumidor final paga mais barato pelo filé. A Bahia, em contrapartida, apresenta o maior custo de produção, no entanto a margem de lucro também é maior, embora nesse caso os produtores vivam em insegurança jurídica e já sofram prejuízos financeiros por conta disso. “Os produtores de Paulo Afonso vendiam para o Ceará, até o dia em que o governo resolveu executar a lei e só permitir a entrada de peixe com selo de inspeção federal – algo que só é possível quando ele é processado. Como o peixe de Paulo Afonso é vendido in natura, os produtores deixaram de exportar para o Ceará”, explica Pedroza.

Segundo o pesquisador, a margem de lucro maior da Bahia ocorre porque o peixe não é vendido para a indústria, nem para o supermercado, que pagam menos pelo quilo do peixe. Ele é vendido inteiro em feiras livres e o atacadista só tem gasto com o transporte e o gelo, sem oferecer o produto em perfeitas condições de conservação e higiene para o consumidor.

“Num quadro desses, como é que eu vou dizer que um polo é melhor do que o outro? É pelo volume de produção? Pelo número de indústrias? Pela margem de lucro? Foi daí que surgiu a ideia de criar um índice, com vários indicadores, para que por meio da econometria consigamos estabelecer um peso para cada indicador”, explica Pedroza.

Caso a receptividade à pesquisa seja satisfatória, Manoel Pedroza pretende expandir o levantamento para outros polos produtivos de tilápia. O estudo faz parte do BRS Aqua, o maior projeto de pesquisa em aquicultura já desenvolvido no país. A iniciativa envolve 22 centros de pesquisa, 50 parceiros públicos e 11 empresas privadas – números que ainda devem aumentar ao longo de sua duração. Os investimentos chegam a R$ 57 milhões para quatro anos de trabalho. A maior parte – R$ 45 milhões – será aportada pelo BNDES Funtec – linha de crédito não reembolsável destinada a projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação.

Related posts

Startup aposta em inovações para os testes de eficácia agronômica de defensivos agrícolas

Revista Attalea Agronegócios

Consórcio Internacional disponibiliza dois novos genomas do fungo da ferrugem asiática

Revista Attalea Agronegócios

Desafio da Pecuária Sustentável divulga vencedores em 2021

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário