fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Abelhas

Atlas da Apicultura joga luz sobre o setor apícola brasileiro

Plataforma com mapas e gráficos visa estimular a criação de abelhas e sua integração com a agricultura

Já está no ar o Atlas da Apicultura no Brasil [clique aqui], uma ferramenta digital desenvolvida pela Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) e que consolida as principais informações disponíveis sobre a cadeia apícola do Brasil.

Dados de vários bancos — muitas vezes de difícil acesso e interpretação — estão agregadas na ferramenta em formato de gráficos, tabelas e mapas temáticos. A plataforma oferece uma visão geral da apicultura no Brasil, com dados de produção e valor de venda de mel nos Estados, número de estabelecimentos com atividade apícola em todo o território nacional e áreas com vegetação de interesse para a apicultura, entre outras informações.

Mas é na integração da apicultura com a agricultura que o Atlas traz uma ferramenta inovadora que pode contribuir para o desenvolvimento de ambas atividades. A plataforma traz mapas temáticos que apontam a distribuição de florestas e cultivos agrícolas que são ótimos pastos apícolas e, logo, de interesse para a criação de abelhas.

É o caso da laranja, maçã, melão, café, melancia e soja, entre outros. Essas informações são valiosas também para o agricultor, uma vez que as abelhas contribuem para a produtividade dessas variedades com o serviço de polinização. No caso do café e da laranja, por exemplo, a visita de abelhas às flores pode elevar em 30% a produção, além de gerar frutos de melhor qualidade.

“Com o Atlas da Apicultura no Brasil, temos dois objetivos prioritários. O primeiro é estimular a profissionalização da atividade de criação de abelhas no País, que tem um grande potencial pela frente. O outro é promover o convívio harmônico e produtivo entre a apicultura e a agricultura. Ambas atividades tem muito a lucrar com as abelhas. Além disso, toda a sociedade ganha com a conservação da biodiversidade.” Ana Lúcia Assad, diretora executiva da A.B.E.L.H.A.

Informação científica para todos

O Atlas da Apicultura no Brasil é de uso livre e gratuito para todos os que necessitem de informações ou precisem estudar esse importante setor produtivo, como servidores de órgãos públicos, pesquisadores, representantes de entidades setoriais, estudantes e jornalistas, além dos próprios apicultores.

As fontes de informação incluem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Comex Stat — Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), entre outras.

Uma segunda etapa de conteúdo está prevista para 2022, quando o Atlas deve receber uma nova gama de filtros, que inclui distribuição de biomas do Brasil, registros de pragas e doenças das abelhas e a localização de empresas, instituições de ensino e pesquisa relacionadas à apicultura.

Sumário Executivo 2021

Com o objetivo de consolidar em um documento de consulta rápida um breve retrato do cenário atual da atividade de criação da abelha melífera — também denominada abelha-africanizada — bem como apresentar as potencialidades de análises baseadas no Atlas da Apicultura no Brasil, a A.B.E.L.H.A. preparou um Sumário Executivo, documento disponível para download.

O relatório traz uma análise robusta para todos os interessados na atividade de criação de abelhas e produção de mel, contribuindo para a melhor compreensão do setor e qualificar as tomadas de decisões que levem à profissionalização e à evolução dessa importante atividade econômica do País.

12 Estados que mais produziram mel em 2020 (IBGE)

A apiculturas no Brasil

No Brasil, a apicultura vive um momento favorável. O preço do mel está valorizado, seja pelo câmbio alto que beneficia as exportações, seja em razão do aumento do consumo do produto no Brasil na pandemia, quando muitas famílias adotaram hábitos alimentares mais saudáveis, seja por demanda internacional.

Mas o potencial a ser explorado nesse mercado é ainda maior. O mel brasileiro é valorizado e de qualidade reconhecida internacionalmente. Vivemos em um país continental, com uma rica variedade de pasto apícola disponível para nossas abelhas. E o nosso consumo interno ainda é baixo quando comparado ao de outros países.

Apesar de todos os pontos vantajosos, o Brasil não está entre os 10 maiores produtores de mel do mundo, principalmente porque nossa produtividade ainda é baixa. Os nossos apicultores produzem uma média de 20 quilos de mel por colmeia por ano, menos que os 35 quilos dos argentinos e cinco vezes menos que o dos apicultores canadenses.

Leia mais no Sumário Executivo — Atlas da Apicultura no Brasil.

Sobre a A.B.E.L.H.A.

A Associação Brasileira de Estudos das Abelhas tem o objetivo de liderar a criação de uma rede em prol da conservação de abelhas e outros polinizadores. Sua missão é reunir, produzir e divulgar informações, com base científica, que visem à conservação da biodiversidade brasileira e à convivência harmônica e sustentável da agricultura com as abelhas e outros polinizadores.

 Site A.B.E.L.H.A.

Related posts

Abelhas Nativas Sem Ferrão e ambientes urbanos

Revista Attalea Agronegócios

Franca (SP) realiza 8º Seminário de Meliponicultura e 2º Fórum de Apicultura de Franca (SP)

Revista Attalea Agronegócios

A importância das moscas das flores

Deixe um comentário