fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Corte

Araçatuba (SP) terá frigorífico de R$ 120 mi com geração de 1000 empregos diretos

A partir do começo deste ano, Araçatuba (SP) terá um frigorífico no prédio onde funcionava o antigo Araçafrigo e Mataboi, na rodovia Elyeser Montenegro Magalhães (SP-461). O novo frigorífico será do grupo paulista City Bulls Foods e deve ser inaugurado em março. O investimento é de R$ 120 milhões e deve gerar, em um primeiro momento, mil empregos diretos e até cinco mil indiretos.

De acordo com o CEO (diretor) do grupo, Marco Antonio Rodrigues Fernandes, até o fim de janeiro devem ser obtidas todas as licenças para a compra da unidade. Em fevereiro, o grupo pretende começar as contratações. A previsão de início das operações é março. O frigorífico deve se chamar Bulls Beef Foods, que é o nome da marca de carnes do grupo.

Conforme Fernandes, o grupo já tem experiência em outros ramos, como a construção civil e logística e o empreendimento em Araçatuba será o primeiro do ramo de proteína. A expectativa é que sejam abertas mais unidades no Brasil e até no exterior. A primeira empresa do ramo só foi formalizada depois que o grupo adquiriu experiência conhecendo o processo no mercado internacional, principalmente na Europa.

Fernandes disse à Folha da Região que as negociações com o grupo Asperbras, dona do prédio, começaram há oito meses. O valor da compra do imóvel não foi revelado e o City Bulls Foods deve gastar R$ 10 milhões em reforma do prédio. A Asperbras nunca chegou a divulgar quanto pagou pelo prédio.

O CEO do grupo explicou que, em um primeiro momento, o frigorífico trabalhará por um turno no abate, desossa e processamento da carne. O processamento de material deve ser de até cinco mil toneladas mensais. Posteriormente, deve ser adicionado um segundo turno e ainda a fabricação de embutidos e subprodutos, incluindo o mercado pet, o que deve mais que dobrar o potencial de processamento.

O prédio onde vai funcionar o frigorífico está desativado há oito anos, quando o Mataboi paralisou as atividades na cidade e demitiu todos os funcionários. O motivo legado foi a falta de matéria-prima e problemas estruturais na planta da indústria.

Em maio deste ano, a Prefeitura publicou decreto que tratava da permissão de uso, a título precário, da área de terra localizada nos fundos do antigo frigorífico, onde estão instaladas as lagoas para o tratamento de resíduos da indústria. Desde o início das atividades da planta industrial, ainda pela Araçafrigo, uma área em anexo ao empreendimento é utilizada para a operação de tratamento de resíduo industrial. Como essa área pertence ao município, a Asperbras teve que solicitar a reutilização desse espaço público, que considera fundamental para operação da planta.

Em nota, a Asperbras informou, na época, que adquiriu o prédio prepará-lo para locação ou venda, por isso pediu na Prefeitura essa autorização.

A Asperbras disse que após o Mataboi desocupar o espaço, as atividades de frigorífico não foram mais retomadas. Segundo o grupo, a capacidade instalada da planta em Araçatuba é de abate e desossa de 1,2 mil cabeças de gado por dia. A planta está capacitada para abatedouro, desossa e armazenamento da produção.

Related posts

Descobertos os genes que tornam a carne do boi mais gostosa e saudável

Raça Senepol terá evento especial na Expolages 2018

Revista Attalea Agronegócios

41ª EXPOINTER: Carne Angus, 15 anos depois um novo mercado à pecuária carne nacional.

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário