AgroQuímicosARTIGOSCafé

[Alessandra Vacari, Gustavo Pincerato e Enes Barbosa] – Seletividade de produtos fitossanitários aos Crisopídeos em cafeeiro

Profª Drª ALESSANDRA MARIELI VACARI
docente e pesquisadora na Universidade de Franca
Me. e Engº Agrº GUSTAVO PINCERATO FIGUEIREDO
GPF Pesquisas e doutorando na Universidade de Franca
Engº Agrº ENES PEREIRA BARBOSA
Emater e Mestrando na Universidade de Franca

Seletividade

O impacto dos produtos fitossanitários sintéticos no meio ambiente, nos artrópodes benéficos e na saúde humana, principalmente pela exposição a esses produtos químicos são questões de crescente preocupação. Recentemente, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), sendo que a ODS-2 visa estratégicas sustentáveis na agricultura, como implementar estratégias de Manejo Integrado de Pragas (MIP), seguindo a agenda 2030.

Uma das táticas do MIP é o uso de controle biológico, mas o biocontrole pode nem sempre ser eficaz o suficiente para controlar as populações de insetos-praga, e tratamentos corretivos com inseticidas podem ser necessários, particularmente em locais onde a incidência de pragas ocorre com maior intensidade.

O controle químico pode ser necessário para suprimir pragas que não têm agentes de controle biológico eficientes, e, portanto, a identificação de produtos que não sejam prejudiciais aos organismos benéficos e que respeitem o meio ambiente, o que é uma preocupação primordial nos programas de MIP.

A principal premissa para o uso de agrotóxicos em sistemas de MIP é a utilização de produtos com comprovada seletividade a agentes de controle biológico, baixa toxicidade a mamíferos e aves, mínima persistência ambiental e baixo risco de desenvolver resistência nas populações-alvo, ainda que possua amplo espectro de atividade inseticida contra pragas.

Uma avaliação precisa dos potenciais efeitos colaterais dos inseticidas sobre os agentes de controle biológico é fundamental para o desenvolvimento de estratégias eficazes de MIP.

Crisopídeos

Os crisopídeos, como gênero Chrysoperla (Neuroptera: Chrysopidae), são encontrados em uma ampla gama de habitats agrícolas e são considerados inimigos naturais comumente utilizados e comercialmente disponíveis em vários países do mundo, incluindo Europa e América do Norte.

No Brasil, a espécie Chrysoperla externa está sendo comercializada e/ou liberada em campo por cinco empresas (Grupo Vittia, AMIPA, Valentto Biodefensores, TopBio Sistemas Biológicos, Tríade Agronegócios).

O crisopídeo é considerado um agente chave de controle biológico generalista, que é utilizado principalmente por meio de liberações periódicas aumentativas para o controle de várias espécies de pragas em estufas e campo. Além disso, as larvas de C. externa também consomem uma grande variedade de artrópodes de corpo mole, como cochonilhas, cigarrinhas, mosca-branca, psilídeos, tripes, ovos e larvas de lepidópteros e ácaros.

Pesquisas

Os resultados de pesquisas desenvolvidas na Universidade de Franca pela docente e pesquisadora Profa. Dra. Alessandra Marieli Vacari e sua equipe, indicam que em áreas de cafeeiro da região da Alta Mogiana ocorrem naturalmente várias espécies de crisopídeos.

A equipe já coletou e comprovou a ocorrência das espécies Ceraeochrysa cincta, Ce. dislepis, Ce. everes, Ce. scapularis, Ce. silvanoi, Chrysoperla externa, Leucochrysa (Nodita) rodriguezi e L. (Nodita) forciformis (Neuroptera: Chrysopidae), tendo apoio do Prof. Dr. Francisco José Sosa Duque (UFRA). Tais resultados evidenciam o quanto é importante a questão da utilização de produtos seletivos em áreas de cafeeiro. Além disso, a equipe também comprovou que os inseticidas fluripadifurona (Sivanto®, grupo químico butenolida) e abamectina (Abamectin Nortox®, Batent®, grupo químico avermectina) foram seletivos a espécie C. externa.

De acordo com as classes de toxicidade preconizadas pela International Organization for Biological Control (IOBC), os inseticidas/acaricidas foram considerados inócuos (classe 1, mortalidade < 30%) para o predador C. externa. Tais resultados foram publicados em congresso internacional realizado em St. Louis, MO, EUA. Pesquisas continuam sendo realizadas e o objetivo é elaborar um guia de seletividade de produtos fitossanitários aos crisopídeos.

Related posts

ENCOFFEE 2019: Encontro de Gestão de Cafeicultores supera expectativa

Mario

UPL lança solução inovadora para o manejo de plantas daninhas no cultivo de soja, milho e algodão

Mario

[Guilherme Viana] – Cercas eficientes: a alta produtividade no fio do arame

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais