Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Abelhas

Abelhas: Artigo de professores da UFV fica entre mais acessados do mundo

Pelo menos três quartos de tudo o que a população mundial come depende do trabalho de insetos como polinizadores de plantas. As abelhas são os principais polinizadores e são fundamentais para garantir produtividade e a qualidade dos frutos em diversas culturas agrícolas. O problema é que elas estão morrendo em proporções alarmantes.

Em todo o mundo, pesquisadores estão avaliando as causas da mortalidade e os prejuízos para a segurança alimentar planetária. Na UFV, um estudo inédito, que está entre os mais acessados do mundo na área de ecologia, identificou uma possível causa pouco conhecida do extermínio das abelhas: os campos eletromagnéticos.

O artigo Extremely Low Frequency Electromagnetic Fields Impair the Cognitiv and Motor Abilities of Honey Beespublicado pelos professores Eugênio Eduardo Oliveira, do Departamento de Entomologia, e Maria Augusta Lima, do Departamento de Biologia Animal, é o 35º entre os cem artigos mais acessados em 2018 na área de Ecologia. Por isso, eles receberam o selo Top 100 in Ecology 2018, emitido pelo periódico científico Scientific Reports, do grupo Nature. O trabalho é fruto de um projeto desenvolvido pelos professores da UFV em parceria com pesquisadores da University of Southampton, na Inglaterra.

A Morte das Abelhas

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO/ONU), 85% das plantas com flores das matas e florestas e 70% das culturas agrícolas dependem dos polinizadores. A polinização das abelhas é fundamental para garantir a alta produtividade, a qualidade dos frutos em diversas culturas agrícolas e a biodiversidade. Mas, nos últimos 15 anos, a presença das abelhas tem se modificado em todo o mundo.

Somente nos EUA, mais de um terço dos enxames são perdidos todos os anos. Além dos prejuízos à segurança alimentar, o desaparecimento pode levar à extinção de alguns alimentos importantes à manutenção de dietas equilibradas. O declínio da população de abelhas é tão preocupante que, desde o ano passado, a FAO instituiu o dia 20 de maio como o Dia Mundial da Abelha e tem realizado campanhas para alertar a população para os perigos da extinção.

Ainda segundo a FAO, a queda na quantidade de abelhas e de outros polinizadores deve-se, em grande parte, as práticas agrícolas intensivas, a monocultura, ao uso excessivo de produtos químicos agrícolas e as temperaturas mais altas, associadas às mudanças climáticas.

O grupo de pesquisadores da UFV, assim como outros em todo o mundo, já tem trabalhos produzidos a partir de testes com inseticidas, herbicidas, fungicidas e transgênicos nas populações de abelhas, mas a influência das redes de transmissão de energia e telefonia não havia sido bastante estudada até então. Isolar a influência dos campos eletromagnéticos na neurofisiologia das abelhas e descobrir que a influência das radiações interfere na navegação delas em direção às plantas foram os aspectos que chamaram a atenção da comunidade científica internacional no trabalho.

O principal objetivo dos pesquisadores foi avaliar como diferentes fatores causadores de estresse, estudados de forma isolada ou em conjunto, podem alterar o comportamento, fisiologia, saúde e cognição de abelhas melíferas, a espécie mais estudada no mundo todo e que também ocorre no Brasil. “Os estudos tem que ser conduzidos com muita segurança porque o tema envolve cifras bilionárias da indústria de alimentos e de agroquímicos”, disse a professora Maria Augusta.

As abelhas melíferas voam em um raio de até 12 quilômetros para se alimentar. Enquanto buscam o néctar, carregam o pólen responsável pela fertilização das flores e a reprodução das plantas. O estudo concluiu que, quanto mais perto das torres de transmissão, mais as abelhas têm o voo alterado. “O campo eletromagnético das redes de transmissão modifica a velocidade do voo fazendo com que as abelhas tenham mais dificuldades para polinizarem as plantas”, disse Eugênio Oliveira.

Atualmente, a equipe está investigando se a exposição conjunta aos campos eletromagnéticos e aos inseticidas causam efeitos letais ou subletais às abelhas melíferas. “Nós isolamos os efeitos de diferentes doses de compostos químicos e de graus de radiação para responder com segurança a influência que exercem no comportamento das abelhas”, explica Maria Augusta.

Os resultados já estão adiantados e serão publicados em breve. Se houver mais financiamento, os pesquisadores pretendem adaptar os estudos as espécies mais comuns no Brasil. “Nós usamos a abelha melífera como referência porque é um modelo já conhecido e também é a espécie mais estudada no mundo” afirmou Eugênio Oliveira.

A Premiação

Para os professores da UFV, os méritos científicos do artigo publicado ano passado e agora premiado pelo grupo Nature não seriam alcançados se não fossem os financiamentos feitos pela Fapemig, por meio de cooperação com a universidade inglesa, e da Capes, por meio do Programa Ciência sem Fronteiras. Os apoios financeiros permitiram a vinda dos professores Phillip Newland e Chris Jackson à UFV, bem como do então doutorando Sebastian Shepherd, todos ligados à University of Southampton. “O intercâmbio entre docentes e estudantes foi fundamental para o delineamento e realização dos experimentos, além da análise dos resultados”, disse Maria Augusta Lima.

FONTE: Léa Medeiros – UFV – Universidade Federal de Viçosa

Related posts

Vitória (ES) proíbe uso do agrotóxico que mais mata abelhas

Revista Attalea Agronegócios

Ribeirão Preto (SP) terá primeiro polo de criação de Abelhas Sem Ferrão do Estado de SP

Revista Attalea Agronegócios

Zootecnista do Paraná é considerado o maior exportador de mel do Brasil

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário