fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Florestais NOTÍCIAS

A relação entre florestas e a disponibilidade de água

Estudo observa a composição e configuração da cobertura florestal na bacia hidrográfica e seus efeitos nos serviços hidrológicos

Um estudo desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Recursos Florestais, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP) testou se o aumento da floresta nativa em bacia hidrográfica pode ser benéfico e até que ponto isto pode ocorrer quando se pensa em quantidade de água nos riachos. O trabalho é de Lara Gabrielle Garcia com orientação do professor Silvio Ferraz, do departamento de Ciências Florestais.

Diante da recente crise hídrica que se intensificou em algumas regiões do país, a restauração florestal vem sendo incentivada, principalmente com objetivo de aumentar a disponibilidade de água. “Sabe-se que a floresta tem forte influência no ciclo hidrológico local, no entanto, existem limitações econômicas para o aumento das florestas nas áreas agrícolas, e o planejamento do uso do solo é fundamental nestes locais”, disse a pesquisadora.

O aumento da floresta nas áreas agrícolas resultou em redução na disponibilidade de água e diminuição dos picos de vazão. De acordo com a autora, foi observado que existe um limiar de 50% de ocupação na bacia por floresta a partir do qual a disponibilidade de água e os picos de vazões diminuem consideravelmente. “O aumento da floresta não necessariamente irá resultar em maiores vazões, mas sim em outros benefícios, como a redução dos picos de vazão. Ou seja, a ocupação da bacia de forma planejada pelas florestas nativas pode resultar em diminuição da vazão e melhor distribuição temporal da água” explicou Lara.

Em relação à limitação de aumento da floresta nas áreas agrícolas, foi analisada a mesma quantidade de floresta na bacia hidrográfica. A posição da mesma nas áreas próximas ao rio, apresentou redução na disponibilidade de água e maior redução nos picos de vazão, enquanto que nas demais áreas, como topos de morro e encostas, os efeitos não foram observados.

Segundo a pesquisadora, o local onde se instala a floresta nas áreas agrícolas é importante para a quantidade de água no riacho. “Diante dos resultados encontrados, é possível concluir que existe uma relação de perda e ganho com o aumento da floresta e sua localização na bacia hidrográfica, sendo necessário aos programas de restauração conhecerem este ponto de equilíbrio para garantir água constante e em abundância nas bacias agrícolas”.

Os resultados mostraram que a presença da floresta é essencial para os recursos hídricos, sendo fundamental esta coexistência. “Por ocuparem pequenas porções das bacias, as florestas não possuem a capacidade de mitigar os efeitos das áreas agrícolas e que é fundamental o correto manejo destas áreas para a conservação de água e solos, potencializando os efeitos das florestas”, finaliza a pesquisadora.

 

FONTE: Gabriela Spolidoro – Jornalismo ESALQ/USP
comunica-esalq@usp.br 

Related posts

[José Donizeti Alves] – Você está preparado para a bienalidade da produção de café?

Revista Attalea Agronegócios

Radar Agtech Brasil 2022 amplia período para cadastramento de startups

Revista Attalea Agronegócios

2º Simpósio Brasileiro de Manejo Biológico na Cultura do Café comprova a importância da sustentabilidade na cafeicultura

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário