Image default
HortiFruti

Uso do Lithothamnium no cultivo do tomate traz benefícios ao produtor e à indústria

Produzir mais com menos custo, aumentar a produtividade, qualidade e durabilidade dos frutos destinados ao processamento industrial e reduzir o uso de fertilizantes químicos na lavoura são os objetivos principais da Oceana Brasil no desenvolvimento de produtos à base da alga marinha Lithothamnium, extraída em jazida própria na costa do Maranhão. Um dos estudos de campo que apresentam resultados positivos nessa direção é o da cultura do tomate industrial, um deles realizado em lavoura comercial de Goiás, estado que detém aproximadamente 65% de todo tomate industrial plantado no País.

Na fazenda Primavera em Hidrolândia/GO, a aplicação do Algen Micron via água de irrigação no pivô central promoveu aumento de produtividade de 11 toneladas/ha, entre outras vantagens. O tratamento do plantio da variedade “Saladete” foi feito em quatro hectares, sendo, por um lado, na proporção de 1.350 Kg de NPK/ha e 150 Kg de Algen Micron/ha via pivô central; e, por outro, somente com 1.350 Kg de NPK/ha para efeito de controle comparativo.

Na área com Algen Micron, observou-se um acelerado desenvolvimento da lavoura do tomate, um ótimo estado nutricional e o fechamento das linhas; na área de controle comparativo, não houve o total fechamento das linhas nem o vigor observado no talhão com Algen Micron. A produtividade dos frutos de tomate na área onde foi aplicado o Algen, em comparação com a produtividade da área de controle, registrou-se um incremento de 11 toneladas por hectare, melhor aspecto nutricional das plantas e maior capacidade de suportar o estresse hídrico.

Material 100% biológico, o Algen é proveniente da parede celular micro porosa das algas marinhas calcificadas do gênero Lithothamnium, e reúne elementos orgânicos e minerais em sua composição, naturalmente equilibrados, altamente solúveis e reativos. Além disso, possui mais de 40 micro e macro nutrientes equilibrados, incluindo uma porção orgânica composta por aminoácidos e vitaminas.

“O Algen substitui cerca de 20% da matéria prima importada pela indústria nacional de nutrição vegetal (fertilizantes) pelo Lithothamnium, que é um elemento natural, de origem vegetal, rico em nutrientes, bioestimulante, ótimo condicionar de solos e potencializador dos efeitos dos próprios fertilizantes industriais”, explica Ricardo Macedo Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Oceana Minerals e com Mestrado em Agronomia/Ciência do Solo e Doutorado em Agronomia/Fitotecnia pela UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro). Também melhora a uniformidade dos frutos (diminuindo o desperdício), aumenta em até 30% a durabilidade dos hortifrúti na prateleira, estimula atividade microbiana do solo, potencializa absorção de NPK e aumenta qualidade e produtividade das lavouras, complementa.

“Esses benefícios fortalecem a indústria nacional, pois aumentam substancialmente a produtividade, a economia de recursos e a competitividade do pequeno e médio agricultor (que não tem acesso à tecnologia de ponta utilizada pelos grandes players do mercado)”, diz Ricardo Macedo.

Sobre o Lithothamnium

Alga marinha calcária, conhecida há mais de 200 anos, o Lithothamnium vem sendo explorado nos últimos 30 anos por países da Europa e Ásia, para oferecer nutrição animal, vegetal e humana. Produto nobre, possui alta reatividade e é rico em mais de 70 nutrientes minerais e orgânicos, altamente solúveis e naturalmente equilibrados pelo meio ambiente. Os procedimentos industriais adotados pela Oceana Minerals preservam intactas todas as propriedades físicas, nutricionais, orgânicas e biológicas da alga Lithothamnium.

Sobre a Oceana

A Oceana é uma empresa 100% nacional com tecnologia na extração sustentável e beneficiamento da alga marinha Lithothamnium. Sua jazida está localizada em uma região de correntes marítimas e incidência solar únicas no mundo. Com linhas de produtos para nutrição animal e fertilização agrícola, atende ao mercado nacional e exporta para diversos países da Europa, América Central, EUA e Ásia.

A atividade industrial da Oceana é ecologicamente correta e preserva as características únicas de sua jazida. A companhia investe em programas de monitoramento de vida biológica, qualidade de água, controle ambiental e ações sociais com a comunidade local a fim de desenvolver a região de forma sustentável. Mais informações no website: http://www.oceanaminerals.com

 

FONTE: George Ferreira – Press Services Soluções Integradas em Comunicação
george@presscomunica.com.br

Related posts

FAESP: fim da obrigatoriedade do prazo de validade em vegetais frescos embalados vai reduzir desperdício de alimentos

Mario

Tomate ‘Tyson’ leva um pacote de resistência às principais doenças

Mario

1º Simpósio de Horticultura de Mato Grosso

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais