fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café

A exportação de café em 2018 foi a terceira mais baixa em uma década

O ouro do café continua sendo o principal produto que El Salvador exporta, mas foi 7,3 milhões de quilos a menos que em 2017.

O valor monetário das exportações de café de El Salvador no final de 2018 foi o terceiro mais baixo em uma década, de acordo com o Banco Central de Reserva (BCR), que revelam uma queda de US $ 7,5 milhões em comparação a 2017.

No final de 2018, as exportações de café foram responsáveis ​​por US $ 113,40 milhões, equivalente a uma redução de 6,6% comparado com US $ 120,94 milhões registrados em 2017. As estatísticas do BCR indicam que a receita gerada pela venda no exterior de produtos da indústria de café Eles foram os terceiros mais baixos em uma década.

Os menores valores econômicos desde 2008 foram observados em 2014, com um fluxo de exportação de US $ 110,60 milhões, seguido por 2016, com uma receita de US $ 109,42 milhões. Há dez anos, segundo o BCR, as exportações de café representaram uma receita para o setor de US $ 258,72 milhões.

As exportações no volume, entretanto, mostrou um crescimento anual de 7,7% para adicionar 35,18 milhões de quilos enviados ao exterior mercado, equivalente a um adicional de 2,53 milhões em comparação com 32.64 milhões de kg em 2017.

Embora as exportações em termos de volume mostrem um aumento, elas continuam abaixo dos valores reportados antes da crise da ferrugem de 2012, ano em que o setor registrou um fluxo comercial de 66,72 milhões de quilos.

O aumento do volume de café exportado contra a redução da renda econômica responde à grave queda dos preços internacionais para níveis não vistos desde 2006, que tem sido categorizado como “dramático” pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAG).

Evitar a crise humanitária

“Chega uma crise humanitária na zona do café” se o setor continua com baixos preços internacionais, a insegurança e o desaparecimento gradual de pequenos produtores, disse Ricardo Esmahan, diretor executivo da Associação de Exportadores de El Salvador (ABECAFE).

“Todas as fazendas de cardume desapareceram, as fazendas de estatura média e os pequenos produtores estão desaparecendo porque não têm acesso a financiamento. Como os preços estão lá, há problemas para seguir em frente “, disse ele.

Esmahan enfatizou que o novo governo “tem que levar isso em conta”, caso contrário “há uma crise nas seis cordilheiras de café”. Ele garantiu que a próxima administração do Executivo “tem a oportunidade” de seguir um caminho de trabalho focado no financiamento para a renovação de plantações e pesquisa e assistência técnica.

Além de facilitar a entrada no mercado internacional, fortalecer a estrutura institucional e garantir a segurança do cidadão. “É isso que eu proponho ao novo governo para que seja difícil. É o desafio “, disse ele.

 

FONTE: Jornal El País

Related posts

Termina dia 19 prazo para inscrição de startups no Programa de Pré-Aceleração Avança Café

Banco do Brasil trouxe a Franca (SP) etapa presencial do Circuito de Negócios Agro Banco do Brasil

Revista Attalea Agronegócios

[Silas Brasileiro] – Balanço Semanal CNC — 08 a 12/10/2018

Deixe um comentário