fbpx
Revista Attalea Agronegócios
AGRICULTURA NOTÍCIAS

UFSCar e Instituto Agronômico de Campinas produzem mudas de abacaxi in vitro

Uma variedade de abacaxi que não precisa ser descascado, com gomos destacáveis, e outra resistente a uma das principais pragas da fruta, a fusariose: as inovações existem, desenvolvidas pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), mas seguem longe do consumidor pela dificuldade de propagação das mudas que, no processo tradicional, leva anos. Agora, uma parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) resultou na possibilidade de propagação in vitro e, assim, de ampliação da presença dessas cultivares, obtidas por melhoramento genético, no mercado. Com a nova técnica, novas mudas podem ficar disponíveis ao produtor em um intervalo de seis a oito meses.

As cultivares do IAC, desenvolvidas desde a década de 1990 no Centro Avançado de Pesquisa de Frutas do Instituto, receberam os nomes de IAC Gomo de Mel (também conhecida como abacaxi-de-gomo) e IAC Fantástico. Ambas têm alto teor de sólidos solúveis (açúcar), sais e proteínas e baixa acidez – responsáveis pelo sabor muito agradável, dentre outras características que conferem qualidade destacada aos frutos. A IAC Fantástico tem a vantagem adicional de não ter espinhos na planta, o que facilita a colheita, além da resistência à fusariose, doença causada por fungo que causa perdas importantes na cultura do abacaxi no Brasil.

No entanto, restava o desafio de propagá-las em maior escala e menor tempo, para disponibilização aos produtores, o que levou à parceria com o Laboratório de Fisiologia Vegetal e Cultura de Tecidos (LFVCT), vinculado ao Departamento de Biotecnologia e Produção Vegetal e Animal (DBPVA-Ar) do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sediado no Campus Araras. Assim, aos conhecimentos do IAC em melhoramento genético, uniu-se a experiência em técnicas de produção in vitro do laboratório da UFSCar.

Nos abacaxizeiros, em geral, o período para obtenção de 10 a 20 mudas coincide com a frutificação da planta, que leva de 18 a 24 meses. “As plantas provenientes do método convencional de propagação, em ambiente aberto, levariam mais de três anos para serem disponibilizadas aos produtores de frutas”, explica Mara Fernandes Moura, Diretora do Centro de Pesquisa de Frutas do IAC.

Para acelerar esse processo, entra o trabalho do LFVCT, no cultivo in vitro realizado por meio de micropropagação. “A técnica consiste no cultivo das plantas em ambiente controlado, local que engloba salas de crescimento com fornecimento de luz artificial, controle da temperatura e meio de cultura contendo todos os nutrientes e reguladores que ‘informam’ a planta sobre o que ela precisa fazer (brotar, soltar novas folhas, enraizar etc.). Dessa forma, a planta fica isolada em condições especiais, o que possibilita a produção de milhares delas em um mesmo período, com a mesma genética”, sintetiza Jean Carlos Cardoso, docente do DBPVA-Ar que coordena o Laboratório.

A IAC Fantástico é resultado do cruzamento – hibridação controlada – das cultivares Tapicaranga e Smooth Cayenne. O protocolo de micropropagação envolve a introdução de pequenas partes da planta (o ápice caulinar), já melhoradas geneticamente, no ambiente in vitro. “Em seguida, essas plantas são subdivididas mensalmente em novos meios de cultura, fase conhecida como multiplicação ou proliferação de brotações, na qual o número de mudas obtidas é aumentado exponencialmente. Depois, as mudas são enraizadas ainda em condições in vitro e, posteriormente, retiradas para readaptação ao cultivo em campo”, detalha o docente da UFSCar. Ele estima que, a partir de uma única planta, é possível produzir aproximadamente 10 mil mudas, em cerca de seis a oito meses de cultivo.

Protocolo semelhante está sendo desenvolvido para a IAC Gomo de Mel. A cultivar, obtida por meio de cruzamento natural entre espécies existentes na China, foi introduzida pelo IAC no Brasil há 30 anos. A estrutura de seus gomos é mais frágil, o que facilita o destaque. “Apesar de ter excelente qualidade, essa cultivar é mais suscetível à fusariose, mas também é uma opção interessante de mercado, por trazer frutos bem suculentos e muito doces”, afirma Moura.

Embora a parceria entre o IAC e a UFSCar tenha possibilitado a oferta de uma grande quantidade de mudas, os pedidos ainda estão acima da capacidade de infraestrutura e de pessoal para a produção em maior escala. “Por isso, estamos em fase de repasse das tecnologias para biofábricas, que podem produzir as mudas in vitro em larga escala, visando atender a demanda de grandes produtores de abacaxi”, conta Cardoso.

Em relação ao custo, os pesquisadores relatam que plantas produzidas in vitro têm valor mais alto, devido à alta tecnologia utilizada para o cultivo em ambiente controlado ou in vitro. No entanto, o avanço e a otimização dos protocolos tornam o sistema produtivo mais eficiente, já que, no caso da IAC Fantástico, as mudas são resistentes a pragas e doenças.

Empresas que tiverem interesse em produzir as mudas podem entrar em contato com o laboratório da UFSCar pelo e-mail jeancardoso@ufscar.br ou com a pesquisadora responsável pelas cultivares no IAC pelo e-mail mara.moura@sp.gov.br.

Participaram do projeto, além de Cardoso e Moura, Carla Midori Iiyama, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal e Bioprocessos (PPGPVBA-Ar) do Campus Araras da UFSCar, e Tayla Schmidt, biotecnologista formada pelo CCA.

FONTE: Adriana Arruda –  adrianaarruda@ufscar.br

Related posts

Hortaliças produzidas em Fazenda Vertical chegam ao mercado de São Paulo (SP)

Revista Attalea Agronegócios

EMATER-MG lança cartilha com orientações de prevenção ao coronavírus durante a colheita do café

Nespresso investe pesado no café do Zimbábue em meio a reformas agrícolas

Deixe um comentário