Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Café

[Silas Brasileiro] – Balanço Semanal CNC — 28/01 a 01/02/2018

SILAS BRASILEIRO
Presidente do CNC – Conselho Nacional do Café. Deputado Federal
http://www.cncafe.com.br

CNC defende interesses do produtor no “Coffee Data Project”

Projeto tem como objetivo estabelecer métricas para os indicadores comuns de sustentabilidade da cafeicultura

Na quinta-feira da semana passada, a assessora técnica do Conselho Nacional do Café (CNC), Silvia Pizzol, participou do webnário “Coffee Data Project” (Projeto Dados do Café), que contou com a participação de Marcelo Burity, chefe de desenvolvimento de café verde da Nestlé, e Kendra Levine, gerente de sustentabilidade para a América do Norte do Mcdonalds.

Este projeto é desenvolvido em parceria pela Plataforma Global do Café (GCP, em inglês), a Rainforest Alliance e o Committee on Sustainability Assessment (COSA) e tem como objetivo estabelecer métricas para os indicadores comuns de sustentabilidade da cafeicultura, considerando as dimensões econômica, social e ambiental.

“O CNC tem participado deste projeto com o objetivo de defender a visão do setor produtivo sobre os métodos de mensuração da sustentabilidade das regiões cafeeiras e, principalmente, garantir maior ênfase nas métricas dos indicadores relacionados à sustentabilidade econômica da cafeicultura mundial, pilar de sustentação das boas práticas ambientais e sociais”, destaca Silvia.

A respeito da relevância do projeto, o presidente do CNC, Silas Brasileiro, explica que é uma tendência mundial, inclusive abraçada pela Organização Internacional do Café (OIC), que está desenvolvendo um trabalho similar, o “Projeto Delta”, o qual tende a absorver parte dos resultados do “Coffee Data Project”. “Por isso, é fundamental que o setor produtivo tenha voz nessas discussões para que não seja um mero receptor das decisões tomadas pela indústria, certificadoras e ONG´s”, argumenta.

Os indicadores de sustentabilidade já são uma realidade e o setor produtivo pode se beneficiar de sua aplicação em campo, tanto para comunicar de forma mais clara aos compradores o compliance com as práticas sustentáveis, quanto para atrair investimentos para avançar onde houver espaço para melhoria.

“A métrica pode ser uma ferramenta útil para a atração de investimentos nas regiões produtoras, promovendo o efetivo compartilhamento das responsabilidades pela produção sustentável de café entre produtores, indústrias e demais agentes do setor. Os custos envolvidos no processo de melhoria contínua da sustentabilidade, que gera benefícios para toda a cadeia produtiva, não podem ser suportados apenas pelo segmento produtor”, explica Silvia Pizzol.

Outro ponto relevante que tem sido frequentemente defendido pelo CNC se refere à segurança dos dados que serão fornecidos pelas regiões produtoras. “Trabalhamos para o estabelecimento de fortes protocolos de segurança para a base de dados de café e alcançamos importantes resultados nesse sentido no âmbito do Programa Brasil da GCP. Esta é a mensagem que também estamos disseminando no nível internacional e estamos sendo ouvidos. As informações das regiões produtoras devem ser tratadas com responsabilidade”, completa a assessora.

Em relação à sustentabilidade econômica, o CNC trabalhou efetivamente para que a prioridade de métrica de sustentabilidade, no âmbito da GCP, seja o indicador “compras de cafés sustentáveis”, pois ele mede o crescimento da demanda por parte da indústria.

“Este é um indicador fundamental para a sustentabilidade econômica e que foi desenvolvido para medir o comportamento comprador. Ao redor do mundo, deparamo-nos com várias iniciativas e projetos para incentivar o aumento da oferta de café, muitas vezes com o envolvimento direto do segmento industrial. O problema é que, quando os incentivos para o aumento da oferta são maiores dos que os para o aumento da demanda, vivenciamos crises de preços como a atual e os produtores não são recompensados por seu árduo trabalho para produzir cafés sustentáveis”, analisa o presidente Silas Brasileiro.

A assessora do CNC completa que o indicador “compras de cafés sustentáveis” trará mais transparência sobre o quanto está efetivamente evoluindo a demanda por cafés sustentáveis. “Isso permitirá avaliarmos seu impacto sobre a remuneração dos cafeicultores”, conclui.

Mais informações sobre o “Coffee Data Project” estão disponíveis no endereço eletrônico https://www.globalcoffeeplatform.org/resources/coffee-data-project.

Queda do dólar na quinta diminui perdas do café

Divisa norte-americana recuou com percepção positiva do mercado em relação à reforma da Previdência e aos planos de privatizações do governo

Os contratos futuros do café encerraram uma sequência de três quedas consecutivas ontem e mitigaram as perdas no acumulado da semana. O mercado foi puxado, principalmente, pela perda de força do dólar ante o real.

De acordo com analistas, a moeda norte-americana recuou devido a um movimento técnico motivado pela percepção positiva do mercado em relação à reforma da Previdência e aos planos de privatizações do governo brasileiro.

Na Bolsa de Nova York, o vencimento março/2019 do contrato “C” reduziu sua desvalorização para 90 pontos, encerrando o pregão a US$ 1,0590 por libra-peso. Já na ICE Futures Europe, o vencimento março do café robusta subiu US$ 38, negociado a US$ 1.572 por tonelada.

Ainda ontem, o dólar comercial tocou seu menor nível desde 26 de outubro do ano passado. A divisa encerrou os negócios a R$ 3,6588, apresentando uma desvalorização de 3% no acumulado da semana.

Em relação ao clima, a Somar Meteorologia informa que uma frente fria se aproxima do Sudeste nesse fim de semana, elevando a chance de chuva forte e volumosa na Região.

As precipitações devem vir acompanhadas por ventania e em forma de pancadas no interior de São Paulo e nas regiões oeste e sul de Minas Gerais. Ainda conforme o serviço meteorológico, o tempo permanecerá seco nas áreas central, norte e leste mineiras, norte fluminense e no Espírito Santo.

No mercado físico, as cotações seguiram o movimento externo e também reduziram suas perdas na quinta-feira. Os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e robusta foram cotados a R$ 415,13/saca e a R$ 302,78/saca, com quedas de 0,8% e 1,2%, respectivamente. Com valores aquém do desejado, os vendedores permanecem afastados.

Atenciosamente,

Silas Brasileiro
Presidente Executivo

Powered by Rock Convert

Related posts

Cool seed desenvolve tecnologia revolucionária na secagem de café

Revista Attalea Agronegócios

[Patricia Santoro] – Pesquisa e Inovação: A distância entre o discurso político e as ações

Revista Attalea Agronegócios

[Coriolano Xavier] – Mulheres, inovação e protagonismo

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário