fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Cana de Açúcar

MICROGEO® integra o painel de Produtividade da 2° Reunião Canaplan 2018

Empresa apresenta os benefícios da adubação biológica e novidades alinhadas com a RenovaBio

Marcada para acontecer no dia 24 de outubro, em Ribeirão Preto (SP), a 2ª Reunião Canaplan 2018 irá reunir representantes dos diferentes segmentos da cadeia de produção da cana de açúcar da região Centro Sul do país, para discutir a reavaliação da safra de 2018/2019 e apresentar a primeira visão para a safra dos próximos anos. Entre os participantes confirmados está a MICROGEO®, que além de patrocinadora oficial do evento, integrará o Painel de Produtividade desta edição.

Na ocasião, o gerente da área de Desenvolvimento de Mercado e Novos Negócios da empresa, Antônio Marcos Corder, apresentará os benefícios do Adubo Biológico MICROGEO®, único do mercado a restabelecer o microbioma do solo, também conhecido como o conjunto de microrganismos que vivem e interagem em um ambiente.

“O nosso adubo biológico age desta forma por ser constituído de alta biodiversidade de microrganismos exclusivos e adaptados ao local de uso, bem como por nutrientes que favorecem a atividade microbioma nativa do solo”, explica Corder. Como benefício, ele ajuda a condicionar as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, contribuindo assim com a agregação do mesmo, aumento da infiltração e retenção de água, bem como a potencialização da eficiência dos fertilizantes, defensivos e herbicidas.

Segundo Corder, o Adubo Biológico MICROGEO® pode contribuir muito com a nova política do RenovaBio, que traça uma estratégia conjunta para a segurança energética e a redução de emissões de gases causadores do efeito estufa ao longo da cadeia de produção de biocombustíveis. “Um estudo recente, conduzido pela Fundação Espaço ECO® – entidade mantida pela Basf – revelou que o cultivo de cana-de-açúcar, atrelado à adubação biológica, teve uma redução de 40% do impacto ambiental”, diz. Para se ter uma ideia, foi comprovado que para uma usina média, com processamento anual de 4,5 milhões de toneladas de cana, em 50.000 hectares, o Adubo Biológico MICROGEO® ajudou a reduzir em 56 milhões de quilos a emissão de CO² na atmosfera.

“O plantio de cana de açúcar, alinhado com o uso do MICROGEO®, ainda aponta benefícios de produtividade, maior longevidade do canavial, melhor aproveitamento dos insumos e menores fatores de emissão de poluentes. E é exatamente isto que iremos abordar no Painel de Produtividade, para que os produtores comecem a se preparar para os próximos anos”, finaliza.

Imagem 1: Plantação sem Microgeo (Testemunha)
Imagem 2: Plantação com Microgeo.

Como funciona o MICROGEO®?

O MICROGEO® é o Adubo Biológico que restabelece o microbioma do solo – o conjunto de microrganismos que vivem e interagem em um ambiente. Produzido na propriedade rural pelo próprio agricultor, com total suporte dos técnicos da empresa, o Adubo Biológico MICROGEO® age desta forma por ser constituído de alta biodiversidade de microrganismos exclusivos e adaptados ao local de uso, bem como por nutrientes que favorecem a atividade microbioma nativa do solo, como os fungos micorrízicos.

Como os microrganismos, nutrientes e metabólitos do Adubo Biológico MICROGEO® são exclusivos da localidade, ao restabelecer a biodiversidade microbiana do solo e estimular seu microbioma, promove benefícios que atuam no condicionamento das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, seja para agricultura, pecuária ou reflorestamento.

Pode ser aplicado via pulverização, fertirrigação, em qualquer temperatura, luminosidade ou mesmo umidade, em conjunto com defensivos químicos, fertilizantes, biológicos, insumos foliares e vinhaça.

FONTE: Adriana Roma – HA PROPOSITO COMUNICAÇÃO
adriana@haproposito.com.br

Related posts

Parceria público-privada consolida a biotecnologia para o setor de cana-de-açúcar no Brasil

Mesopec: Canavieiros ganham mais uma arma no controle de ervas daninhas

Revista Attalea Agronegócios

Benefícios da reforma de cana de açúcar consorciada com a soja

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário