Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Abelhas

Mel do Oeste de SC é destaque em produtividade e qualidade

O cenário da apicultura evoluiu exponencialmente nos últimos anos. Os apicultores aperfeiçoaram os processos produtivos, aplicaram tecnologias, padronizaram colmeias, buscaram qualificação e valorizam o associativismo. No município de Quilombo, por exemplo, desde 2011 o setor conta com o suporte de um projeto do SEBRAE/SC, em parceria com o Poder Público Municipal, e a liderança da Associação de Apicultores e Meliponicultores de Quilombo (AAMQ), Epagri, entre outras entidades.

De lá para cá, a evolução foi de 100%, tanto na qualidade como na quantidade, segundo o consultor credenciado ao SEBRAE/SC, Neuri Riboli, responsável pela assistência técnica aos 39 apicultores associados à AAMQ. Hoje, são 1.100 colmeias e as expectativas para a safra 2018 é de mais 30 mil quilos de mel, safra. “Antes, os apicultores não possuíam confiança para melhorar e investir na atividade. Hoje, percebemos grande avanço graças à parceria. Todos são beneficiados com assistência técnica direcionada à individualidade de cada família. A principal mudanças foi o melhoramento no processo produtivo”, observa o técnico que oferece suporte em manejo de produção, melhoramento genético, formulação de novos apiários, revisões pontuais, alimentação, entre outros. 

Evolução foi de 100%, tanto na qualidade como na quantidade, em Quilombo

Após a extração, o mel é envasado na Casa de Extração e Envase do Mel que foi construída e equipada com recursos do Governo do Estado. O veterinário da Inspeção municipal de Quilombo, Victor Garcia Gato, realça que uma das grandes conquistas foi legalizar a produção e aderir ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi) que autoriza a comercialização em todo o território brasileiro. Além disso, destaca o rigoroso controle na análise do produto e da água, controles internos de produção, procedimentos sanitários, entre outros aspectos. “Conseguimos agregar valor na produção e hoje os apicultores sentem-se confiantes no trabalho e na busca de mercado”, comenta, destacando que as parcerias foram estratégicas para os bons resultados na apicultura.

O presidente da AAMQ, Julcemar Toazza, complementa que a associação trabalhou forte a questão do associativismo e depois focou na legalização do produto. Para isso, segundo ele, as parcerias com o SEBRAE/SC, EPAGRI, SENAR/SC, CIDEMA, AMOSC, Secretaria Municipal de Agricultura e Instituto Saga, foram essenciais. “Agora, buscamos aumentar a competitividade no mercado. Temos um produto com marca, possuímos qualidade e regularidade na entrega aos mercados onde já atuamos. Possuímos excelentes resultados e desejamos que associados melhorem a qualidade de vida e a renda, além de salvar as abelhas que têm fator preponderante na autossustentabilidade do planeta”.

A engenheira de alimentos Elisangela Wolski presta assistência técnica para a associação por meio do convênio que o Instituto Saga tem com o município de Quilombo. “Procuramos cumprir a legislação vigente para que a agroindústria atenda o mercado de forma legalizada. Desde o início orientamos sobre a estrutura física de acordo com a legislação, a questão da elaboração dos programas de controle de qualidade, materiais técnicos e documentos, além de treinamentos sobre os métodos e orientações durante visitas semanais, sempre verificando o processo tecnológico de produção e também o controle sanitário que está sendo feito, monitorado e que não ofereça risco ao consumidor”.

Produto é envasado na Casa do Mel

Elisangela destaca, ainda, que há forte atenção em relação à legislação sanitária. Trabalhamos as práticas higiênicas dos funcionários, análises de limpeza e laboratoriais. “Dessa forma, através de um cronograma, coletamos amostras junto com o veterinário da inspeção municipal e encaminhamos para o laboratório credenciado. Com isso, obtemos um laudo para verificar se está dentro dos parâmetros exigidos pela legislação e, após, o produto é liberado pela expedição para ser comercializado”.   

O apicultor Jaime Espedito Veber ressalta a expressiva evolução no trabalho após início do projeto.  “Hoje é tudo padronizado e com o Sebrae/SC apendemos a aproveitar melhor a época da florada e outros requisitos que resultaram em melhoria da qualidade do produto e da renda. A safra passada foi muito boa e estamos nas expectativas para a próxima”.

O coordenador regional oeste do Sebrae/SC, Enio Albérto Parmeggiani, enfatiza que o desafio só foi superado e o processo evoluiu graças à integração dos esforços dos parceiros (Governo Municipal, CIDEMA, SAGA, EPAGRI e SENAR). Agora, a consultoria tecnológica aplicada pelo SEBRAE/SC na melhoria do processo produtivo, processamento e envase, leva ao novo desafio, o de acesso ao mercado. “Já obtivemos bons resultados de vendas e estamos apoiando a revitalização de plataforma comercial integrada ao território da AMOSC, também em parceria, pois os resultados são consistentes e há espaço para crescer”. 

As abelhas produzidas em Quilombo são as apismeliferas africanizadas. Responsáveis pela produção de mel, própolis, geleia real, pólen e cera, elas também servem como importantes polinizadoras em pomares de frutas cultivadas comercialmente, contribuindo para obter maior produtividade. Além de proporcionar produtos saudáveis à população, exercem papel significativo na preservação dos ecossistemas existentes.

 

Fonte: Marcos Bedin – MB Comunicação Empresarial/Organizacional

marcos.bedin@mbcomunicacao.com.br

Related posts

Colméia Viva® divulga resultado de iniciativa de pesquisa

Revista Attalea Agronegócios

Vitória (ES) proíbe uso do agrotóxico que mais mata abelhas

Revista Attalea Agronegócios

ONG “Bee Or Not To Be” realiza assembléia geral e define projetos para 2019

Deixe um comentário